TERRA NOSTRA

Leonardo Da Vinc

Por: Manolo D´Aiuto | Categoria: Cultura | 14-10-2020 14:05 | 233
Foto de Reprodução

Algumas pessoas mais do que outras nascem com o destino de marcar o rumo da humanidade, entre elas certamente se destaca a figura de Leonardo Da Vinci, um gênio absoluto capaz de se destacar em vários campos e de antecipar os tempos com suas intuições, um homem acima dos outros.

Leonardo nasceu em Anchiano, um pequeno vilarejo do município de Vinci, em 15 de abril de 1452.

Mudando-se com a família para Florença, o jovem Leonardo demonstrou interesse pela pintura e por isso foi enviado para a oficina de Andrea del Verrochhio.

Aqui o jovem entrou em contato com outros talentos como Sandro Botticelli, Perugino, Domenico Ghirlandaio e Lorenzo di Credi, também aprendeu os rudimentos da escultura, além de carpintaria, mecânica, engenharia e arquitetura.

As primeiras obras independentes de Leonardo datam agora de 1469 e o início dos anos setenta.

O artista mostra uma forte adesão à linguagem comum dos alunos de Verrocchio.

De janeiro de 1474 ao outono de 1478, não há obras conhecidas de Leonardo.

Levantou-se, portanto, a hipótese de que Leonardo, com pouco mais de vinte anos, ainda estava incerto sobre seu futuro, abordando o mundo da ciência com a presença do idoso geógrafo e astrônomo Paolo dal Pozzo Toscanelli. Provavelmente ele teve a oportunidade de aprofundar a anatomia ao presenciar a dissecação de cadáveres nos necrotérios de hospitais, mas também teve que estudar física e mecânica por meio de experimentos diretos.

Entre a primavera e o verão de 1482, Leonardo já estava em Milão, uma das poucas cidades da Europa com mais de cem mil habitantes,

Parece claro que Leonardo pretendia ficar em Milão, cidade que deveria tê-lo fascinado por sua abertura às inovações científicas e tecnológicas provocadas pelas contínuas campanhas militares. De fato, o ambiente florentino já deve ter lhe dado certo mal-estar: por um lado, ele não precisava se reconhecer na cultura neoplatônica do círculo dos Médici, tão imbuída de ancestralidade filosófica e literária, aquele que se definia “homem sem letras”; sua arte divergia cada vez mais do linearismo e da busca por uma beleza rarefeita e idealizada dos artistas dominantes em cena, já seus companheiros na oficina de Verrocchio, como Perugino, Ghirlandaio e Botticelli.

Para uma primeira encomenda, o artista teve que esperar até 25 de abril de 1483, quando com Bartolomeo Scorione, prior da Confraria milanesa da Imaculada Conceição, assinou o contrato para um retábulo a ser colocado no altar da capela da Confraria da igreja de São Francisco Grande (agora destruído). [34] O contrato também contou com a presença dos irmãos pintores Evangelista e Giovanni Ambrogio de Predis, que receberam Leonardo em sua casa perto da Porta Ticinese.

Trata-se do retábulo da Virgem dos Rochedos que, segundo o contrato muito pormenorizado, seria o compartimento central de um tríptico. O painel central deveria ter representado uma Madona e o Menino com dois profetas e anjos, os outros dois, quatro anjos cantores e músicos, posteriormente pintados pelos De Predis; a decoração tinha que ser rica, com douramento abundante [34] e a obra tinha que ser entregue até 8 de dezembro por uma taxa total de 800 liras a serem pagas em prestações até fevereiro de 1485.

Nos primeiros anos milaneses, Leonardo continuou com seus estudos mecânicos, as invenções de máquinas militares e o desenvolvimento de várias tecnologias. [38] Por volta de 1485 já deve ter entrado no círculo de Ludovico il Moro, para quem projetou sistemas de irrigação com versatilidade, pintou retratos, preparou conjuntos para festas na corte etc.

Naqueles anos Leonardo deu início ao grandioso projeto de um monumento equestre a Frances-co Sforza. O projeto que passou por diferentes versões foi de dimensões colossais, chegando, em 1491, à fase final de implantação do modelo definitivo (em cera e depois em terracota ) que aguardava a subsequente fundição do bronze com cera perdida. A obra foi extremamente difícil, devido à grande necessidade de vazamento do bronze fundido, por isso o artista se dedicou a cálculos meticulosos na fase de projeto.

No final de 1493, tudo estava pronto para a fusão do “Colosso”. Na Corte Vecchia, lar da oficina de Leonardo durante anos (no local do atual Palazzo Reale), o modelo de argila estava agora pronto e visível, mas uma notícia repentina bloqueou a disponibilidade do metal: a iminente descida de Carlos VIII de A França na Itália, devido à guerra contra o Reino Aragonês de Nápoles (1494), de fato tornou urgente a demanda pelo bronze para a fabricação de armas, anulando o projeto de Leonardo, que estava profundamente decepcionado e amargurado também pelos novos problemas de natureza econômica causada por falta de comissão

Em 1494, entretanto, Leonardo recebeu uma nova encomenda, a Última Ceia. Nessa obra, que o livrou dos problemas econômicos iminentes, Leonardo despejou como uma soma todos os estudos que concluiu naqueles anos, representando sua obra-prima.

Leonardo mudou a iconografia tradicional ao escolher não representar Judas sozinho em um lado da mesa, mas ao lado dos outros no mesmo lado voltado para o espectador.

Como se sabe, Leonardo não se sentia à vontade com a técnica do afresco, pois os tempos de secagem rápidos do gesso exigiam uma pincelada decidida e rápida, não compatível com os longos estudos, os esmaltes posteriores e sua finíssima pincelada. Para isso Leonardo inventou uma técnica mista de têmpera e óleo sobre duas camadas de gesso, que retardou as fases de execução da obra, permitindo-lhe conferir maior harmonia cromática e os efeitos de luz e transparência que lhe são caros.

No entanto, a experiência mostrou-se dramaticamente inadequada para um ambiente úmido como o refeitório, com a parede se comunicando com as cozinhas: já em 1517 Antonio de Beatis notou a primeira perda de cor, [49], que na época de Vasari já eram evidentes. , desde então ocorreram restaurações e repinturas, bem como eventos extremamente dramáticos durante a ocupação napoleônica e a Segunda Guerra Mundial, que entregou uma obra-prima extremamente comprometida, que foi remediada, na medida do possível, pela extensa restauração concluída em 1999.

Em 1502, Leonardo foi contratado por Cesare Borgia como arquiteto e engenheiro militar; os dois já se conheceram em Milão em 1499. O filho do Papa Alexandre VI, conhecido como “Duque de Valentino”, foi um dos tiranos mais ferozes da época e ocupou Leonardo, que chegara a Cesena, em várias tarefas relacionadas com campanhas militares contínuas, como levantamento e atualização das fortificações das cidades conquistadas da Romagna. Para ele desenvolveu um novo tipo de pólvora, formada a partir de uma mistura de enxofre, carvão e salitre, estudou máquinas voadoras e ferramentas para a guerra submarina. Em agosto, ele ficou em Pavia, de onde partiu para inspecionar as fortalezas lombardas da Borgia; ele também desenhou mapas detalhados para facilitar os movimentos estratégico-militares do exército.

A partir de março de 1503, ele estava novamente em Florença.

Nesse período começou a trabalhar na obra-prima que o tornou famoso ao longo dos séculos, a Mona Lisa.

Tradicionalmente identificada como Lisa Gherardini, nascida em 1479 e esposa de Francesco Bartolomeo del Giocondo (daí o nome “Gioconda”), a pintura, considerada o retrato mais famoso do mundo, vai muito além dos limites tradicionais do gênero retratista.

Em 1517, Leonardo partiu para a França, onde chegou em maio, junto com Francesco Melzi e seu servo Battista de Vilanis, sendo alojado pelo rei no castelo de Clos-Lucé, [74] perto de Amboise, e homenageado com o título de primeiro-ministro peintre, architecte, et mecanicien du roi, com uma pensão de 5.000 scudi. Francesco I foi um soberano culto e requintado, amante sobretudo da arte italiana, como também demonstrou nos anos seguintes ao acolher com honra outros artistas (Francesco Primaticcio, Rosso Fiorentino, Andrea del Sarto e Benvenuto Cellini).

Os anos que passou em França foram certamente os mais pacíficos da sua vida, assistido pelos dois fiéis alunos e, embora debilitado pela velhice e por uma provável trombose cerebral que lhe paralisou a mão direita, soube prosseguir com paixão e dedicação os seus estudos e pesquisa científica.

Leonardo continuou seus estudos até o fim de seus dias, continuando a sonhar e desenhar projetos que um dia veriam a luz graças a novos conhecimentos técnicos.

Se Leonardo foi um gênio incomparável que percorreu todos os campos do conhecimento humano, no mesmo período outro homem começou a se dar a conhecer, vinte e três anos mais jovem, brusco, impulsivo e caracterizado por um caráter fechado Michelangelo nunca teve boas relações com Leonardo, mas ambos, em diferentes campos revolucionaram o mundo da arte.

Ciaoooo
Manolo D’Aiuto/Il Vero Italiano