TERRA NOSTRA

Revoluções americana, francesa e industrial

Por: Manolo D´Aiuto | Categoria: Cultura | 18-11-2020 09:05 | 2177
Foto de Reprodução

O século XVIII, como o século XVII anterior, é um século que mais uma vez vê a Itália à margem dos grandes acontecimentos, as revoluções americana, francesa e industrial. Já os grandes estados já se consolidaram e vivem unidos, só na Itália ainda existem pequenas entidades e outras em processo de desenvolvimento. A península há muito se tornou uma terra de conquista para franceses, espanhóis e austríacos que a consideram estrategicamente importante para seus negócios e que sempre gostariam de mantê-la dividida.

Quando Carlos II da Espanha morreu (1 de novembro de 1700), devido à sua disposição testamentária, o duque Filipe de Anjou, sobrinho de Luís XIV, rei da França, tornou-se rei da Espanha, com o nome de Filipe V. Consequentemente, Inglaterra, Áustria e Holanda, por impedir a formação de uma forte união entre Espanha e França, formou a aliança de Haia (7 de setembro de 1701), dando início à guerra de sucessão espanhola, que se travou durante doze anos, envolvendo também as possessões espanholas na Itália, até à Paz de Utrecht (1713), que pôs fim ao domínio espanhol na Itália e foi substituído pelo da Áustria. Durante esta guerra, de maio a setembro de 1706, Turim foi sitiada pelo exército francês, durante a defesa da cidade o sacrifício de Pietro Micca impediu a invasão dos franceses de um túnel subterrâneo fazendo com que explodisse, finalmente as forças conjuntas piemontesas lideraram por Vittorio Amedeo II e os Habsburgos comandados por Eugenio di Savoia derrotaram os sitiantes perto da colina de Superga. A guerra terminou com o Tratado de Utrecht (1713), pelo qual a Espanha perdeu suas possessões na Itália. O ducado de Milão, o reino de Nápoles e o da Sardenha acabaram na casa dos Habsburgos, enquanto o reino da Sicília foi atribuído ao duque Vittorio Amedeo II, graças a isso, a Casa de Sabóia tomou o título de família real, com este tratado começou a dominação austríaca na Itália, que durou até 1866. A Espanha em 1717-1718, portanto, tomou a iniciativa de ocupar primeiro a Sardenha, nas mãos dos Habsburgos, depois a Sicília, que recentemente se tornara Sabóia. Como reação, a Áustria formou uma aliança quádrupla (1717) com França, Inglaterra e Holanda, que no ano seguinte obteve uma vitória esmagadora em Capo Passero sobre a frota espanhola (1718). A guerra terminou com o tratado de Haia (1720) que decretou a troca de posse nas ilhas italianas entre Habsburgo e Sabóia: a primeira tomou a Sicília (então mais rica que a ilha da Sardenha) e o título real de Vittorio Amedeo II mudou de Rei da Sicília para Rei da Sardenha; título que os Savoys levarão até a unificação do Reino da Itália. O controle das dinastias estrangeiras aumentou nos estados italianos: Elisa-betta Farnese, Rainha da Espanha, obteve para seu filho, o futuro Carlos III da Espanha, os direitos dinásticos dos Farnese e Médici, dinastias italianas em extin-ção na linha masculina, obtidas das potências europe-ias o Ducado de Parma e Piacenza, do qual Charles se tornou duque em 1731, e o Grão-Ducado da Toscana como príncipe hereditário. A Espanha nos anos seguintes saiu de seu isolamento e com a Guerra da Sucessão Polonesa (1733-1738) conseguiu trazer Nápoles e Sicília de volta ao seu controle. Em 1734, com a batalha de Bitonto, a Áustria perdeu os reinos de Nápoles e Sicília onde os Bourbons da Espanha se estabeleceram: Carlos sob o comando dos exércitos espanhóis os conquistou, resgatando-os do domínio austríaco e no ano seguinte foi coroado rei dos Due Sicilie em Palermo, em 1738 foi reconhecido como tal pelos tratados de paz, em troca de sua renúncia aos estados Farnese e Medici em favor dos Habsbur-gos e da Lorena. A paz preliminar para a reorganização da Itália assinada entre a França e a Áustria em 3 de outubro de 1735, então confirmada pela subsequente Paz de Paris em 1739, previa a atribuição do Grão-Ducado da Toscana a Francesco Stefano di Lorena, outrora Gian Gastone de ‘Medici, o último representante da dinastia Médici, para compensar a transferência de Lorena para LeszczyDski. A validade da Pragmática Sanção foi reconhecida e Maria Teresa foi finalmente capaz de governar a Áustria sem oposição das outras monarquias, e o Ducado de Parma e Piacenza foi devolvido, também mantendo o porto livre de Li-vorno, mas cedendo o Estado das Fortalezas a Carlos de Bourbon. , o Reino de Nápoles e o Reino da Sicília. A família Savoy adquiriu Langhe e os territórios do leste de Milão e também foi autorizada a construir fortalezas nos territórios recém-conquistados. Esses acordos deveriam ter constituído um arranjo definitivo e estável para os Estados italianos no quadro da política de equilíbrio entre todas as grandes potências europeias da primeira metade do século XVIII, mas a estrutura geopolítica da Itália teria sido perturbada novamente no espaço de alguns anos.

“A Itália é uma alcachofra, você tem que comer uma folha de cada vez.” Esta frase, atribuída a Vittorio Amedeo di Savoia, resume bem o que era o estado da Itália naquele período. Por volta dos anos trinta do século XVIII, ocorre uma tímida recuperação da economia italiana que se consolidou, principalmente no sul, nas décadas seguintes. O Iluminismo, nascido na Inglaterra, mas difundido na Itália por intermediação dos philosophes franceses, começou a fazer sentir suas influências no norte em Milão, Parma, bem como em Nápoles e Sicília. Cesare Beccaria publicou em 1763 o tratado Sobre crimes e penas, no qual propunha a abolição da tortura e da pena de morte. No campo das ciências, Maria Gaetana Agnesi foi a primeira mulher autora de um livro de matemática e a primeira a obter uma cátedra de matemática, Lazzaro Spallanzani determina a falta de fundamento da teoria da geração espontânea, Luigi Galvani completa seus estudos eletricidade e Alessandro Volta inventa a bateria elétrica. A Áustria, que substituiu a Espanha como potência hegemônica na Itália, especialmente em sua parte centro-norte, era governada por monarcas iluminados, Maria Teresa da Áustria e José II em particular, que introduziram na Lombardia, Trentino e a região de Trieste (a futura Venezia Giulia) das reformas destinadas a favorecer o desenvolvimento econômico e social dessas terras. No final do século XVIII, Napoleão Bonaparte apareceu na cena política italiana. Em 1796, comandou, como general, a campanha italiana, para que o Reino da Sardenha abandonasse a Primeira Coalizão, criada contra o Estado francês, e para fazer com que os austríacos se retirassem. Os confrontos começaram em 9 de abril, contra os piemonteses e no curto espaço de duas semanas Vittorio Amedeo III de Sabóia foi forçado a assinar o armistício. Então, em 15 de maio, o general francês entrou em Milão e foi recebido como um libertador. Posteriormente, rejeitou as contra-ofensivas austríacas e continuou a avançar, até chegar ao Vêneto em 1797. Aqui também houve um episódio de rebelião devido à opressão francesa chamado Pasque Veronesi, que manteve Napoleão ocupado por cerca de uma semana. Com o intuito direto de prejudicar o pontífice, a República Anconitana foi proclamada em 1797, com sua capital Ancona, que então se uniu à República Romana: porém, tudo durou pouco, pois em 1799 o Estado Papal foi restaurado. Em outubro de 1797 foi assinado o Tratado de Campoformio com o qual a República de Veneza foi anexada ao Estado austríaco. O tratado também reconhecia a existência da República Cisalpina, que incluía Lombardia, Emilia-Romagna, bem como pequenas partes da Tosca-na e Veneto, enquanto o Piemonte foi anexado à França, causando assim alguma rebelião. Em 1802 era então chamada de República Italiana, com Napoleão Bonaparte, ex-Primeiro Cônsul da França, como Presidente.

O século seguinte foi o século de guerras e vinganças. O Rosorgimento viu o exército de Sabóia implementar uma política de anexação gradual com o objetivo de reunir os então divididos Estados italianos sob uma única bandeira. Será um período glorioso, cheio de vitórias surpreendentes, mas também derrotas sensacionais, com nomes épicos como Mazzini e Garibaldi, ideólo-gos da união itálica, mas também de gente como Verdi e Rossini que revolucionaram a ópera ao compor obras maravilhosas. Até a próxima vez ciaooooo

Ciaoooo

Manolo D’Aiuto/Il Vero Italiano