ELE por ELE

Marco Vitorino: A política como esperança para dias melhores

"O nosso partido é nossa querida São Sebastião do Paraíso"
Por: João Oliveira | Categoria: Entretenimento | 14-12-2020 07:09 | 481
 Marcão foi motorista na área da Saúde em Paraíso por 16 anos
Marcão foi motorista na área da Saúde em Paraíso por 16 anos Foto de Arquivo Pessoal

O vereador eleito para o quadriênio de 2021/2024, Marco Antônio Vitorino, o Marcão, ou como ficou conhecido por sua primeira legislatura, Marcão da Ambulância, é engajado em ajudar o próximo e busca, sempre, poder fazer o bem e estar a serviço daqueles que precisam. Ao longo de 16 anos atuou como motorista da Saúde em Paraíso, conheceu inúmeras realidades e fez muitos amigos durante este período, amigos que sempre o incentivaram a entrar para a política e também fazer a diferença no âmbito Legislativo. Filho de João Borges da Cunha (em memória) e Maria Aparecida Vitorino, casado com Luci Helena Amorim Vitorino e pai da Thais, de 28 anos, Vitória, de 25 e Isadora, de 22, Marcão, aos 50 anos, retorna à Câmara com muita fé e esperança num futuro melhor para Paraíso.

Jornal do Sudoeste: conte-nos um pouco das suas memórias da juventude...
M.A.V.: Eu sou natural de Barra Bonita, interior de São Paulo, mas me mudei para Paraíso quando ainda tinha 13 anos. A mudança se deu por intermédio do meu pai, que foi vereador por quatro mandatos em Barra Bonita, e depois resolveu vir para Paraíso tomar conta deu uma propriedade rural, e aqui ficamos. Antes de nos mudarmos para cá, também moramos em uma cidade chamada Terra Roxa, no Paraná. Em Paraíso, estudei no Paraisense e meu sonho era ser jogador de futebol, joguei em alguns times, fiz teste em alguns clubes e cheguei a jogar para alguns destes no interior de São Paulo, inclusive estive no Paraná atrás de futebol. Casei-me muito jovem, aos 22 anos, minha esposa, Luci, era sobrinha do ex-vereador Amorim, uma família muito tradicional daqui de Paraíso. Nunca mais deixei a cidade. Paraíso é a cidade que eu amo e escolhi para criar minhas filhas.

Jornal do Sudoeste: Conte-nos um pouco da sua atuação profissional...
M.A.V.: Eu era concursado da Prefeitura de São Sebastião do Paraíso, trabalhei por 16 anos como motorista na área da Saúde. Conduzi ambulâncias, vans e ônibus, levando pacientes para Ribeirão Preto, Barretos, Passos, São Paulo, Belo Horizonte, Sorocaba, Campinas, Uberlândia, Ubera-ba, Pouso Alegre, Alfenas, enfim, quase todas as cidades com que o município de Paraíso mantinha relações com outros hospitais e para as quais levávamos pacientes. Já mais para o final, antes de pedir afastamento para exercer o cargo de vereador, eu ia mais a Passos, para levar os pacientes de oncologia. Tenho muito orgulho de ter trabalhado para a Prefeitura, de ter tido a oportunidade de servir a população. Ali conheci muitos amigos, tanto amigos de trabalho e pacientes que acabaram se tornando, também, amigos. Sempre fui muito bem tratado por todos com quem convivia, os prefeitos da época. Foi uma honra e uma satisfação muito grande.

Jornal do Sudoeste: É daí que surge o “Marcão da Ambulância”?
M.A.V.: Na verdade, eu já tinha um pouco de sangue de político na veia por conta do meu pai. Toda a minha infância foi com ele sendo vereador lá em Barra Bonita, e depois, aqui, em São Sebastião do Paraíso, ele chegou a ser candidato também. Também, sempre apoiei alguns candidatos. Então, a política sempre esteve presente na minha vida. Quando comecei a trabalhar com o transporte de pacientes, eles me incentivaram muito a ser candidato a vereador. Para isto, precisávamos criar um nome, e como eu trabalhava com uma ambulância grande, naquela época adotamos o nome “Marcão da Ambulância”. Porém, nesta última eleição não cheguei a usar esse apelido, porque já não fazia sentido, uma vez que eu não trabalhava mais com transporte de pacientes e achei melhor não me aproveitar disto. Era outro momento na minha vida, tanto que mudei o nome e também o número que disputei nas eleições anteriores, com o intuito de desvincular do “Marcão da Ambulância”. Eu queria ser justo, já que poderia ter outro candidato na área da saúde que talvez quisesse usar o nome.

Jornal do Sudoeste: Você sempre teve essa veia política, mas quando você realmente decidiu pleitear o cargo de vereador?
M.A.V.: Eu tinha essa pretensão desde a época que meu pai desistiu de ser candidato aqui em Paraíso. Em 2000, eu apoiei a candidatura de um primo da minha esposa, o Valdeci da Santa Casa, que foi um camarada que nos ajudou muito com meu pai na época em que eu mais precisei, e como gratidão, o ajudei muito. Em 2004, pensei em sair candidato, mas como o partido PSC, ao qual sou filiado desde 1996, tinha muitos candidatos naquela época, resolvi não sair para não disputar convenção, e esperei outra oportunidade, que veio em 2008 com o apoio dos pacientes que transportava. Naquela época fiquei como suplente, e em 2012 consegui ser eleito, tentei a reeleição em 2016, mas não consegui, fiquei como suplente, e, agora, em 2020, tive menos voto que no pleito anterior e fui eleito. Quando Deus está no negócio, ele faz coisas que só Ele para entender. Deus me mostrou que, mesmo com votação expressiva, não seria eleito, e que seria honrado com menos votos, foi o que aconteceu nesta eleição.

Jornal do Sudoeste: Como foi essa fase dentro da Câmara quando foi eleito, em 2012?
M.A.V.: Foi uma fase bastante curiosa, era um momento de novidade. Sempre falo isso para as pessoas, e as incentivo muito a serem candidatas, mas para se prepararem para quando chegar lá, ter noção de como funciona o Legislativo. Muitos têm ideias, projetos, ideais, mas não sabem como isso tramitará lá dentro. Vejo pré-candidatos ou candidatos em período eleitoral fazerem algumas promessas que não vão conseguir cumprir por não estar na alçada do Legislativo. Sempre oriento as pessoas a irem as sessões, acompanhar os tramites do Poder Legislativo para poder cobrar e também defender o vereador, que muitas vezes é cobrado de uma certa maneira, mas não tem o seu trabalhado acompanhado. Eu fui um vereador que tive uma articulação muito boa dentro do Legislativo com os demais pares, fiz muitas amizades, e ainda tenho essas amizades com aqueles que foram vereadores no meu primeiro mandato. Aprendi muito com aqueles que já estavam lá e, hoje, posso dizer que tive uma boa articulação. Apresentei projetos muito importantes e que mudaram significativamente a vida das pessoas. Acredito que contribui muito com o nosso município e fiz propostas relevantes. Entre elas, o dentista na UPA, que foi uma indicação minha e funciona lá até hoje; lanche para os pacientes que faziam tratamento fora e muitas vezes ficavam sem comer por falta de dinheiro, e eu acompanhava esse sofrimento, muitos não tinham dinheiro para comprar uma bala. Consegui colocar na época dois transportes para aqueles que faziam tratamento em Passos, porque até então as pessoas tinham que ficar o dia todo lá, e agora fiquei feliz que o Marcelo de Morais vai voltar com esse transporte. Foram projetos que mudaram a vida das pessoas no âmbito coletivo, e agradeço muito aos vereadores da época, porque não depende só do vereador Marcão, mas de todos ali para que nossos projetos se tornem realidade.

Jornal do Sudoeste: É preciso harmonia, não é mesmo?
M.A.V.: Sim. E na época eu tinha uma boa relação com os pares, com os secretários municipais, com o Executivo, e cobrava no que tinha que ser cobrado, mas também tinha que ter harmonia entre os poderes.

Jornal do Sudoeste: Nesse tempo que ficou afastado do Legislativo, você continuou observando?
M.A.V.: Na verdade, o político não é só político em época de eleição. Se você tem pretensão política, você sempre tem que estar trabalhando, não pode parar, e precisa estar sempre acompanhando a cidade, o trabalho dos vereadores, do Poder Executivo, não apenas para fazer críticas, mas também para fazer sugestões e aprender com os erros dos outros. É preciso sempre observar o que está dando certo, para aplaudir, e o que não está aprender para fazer diferente lá na frente. O político precisa sempre estar atualizado e procurando inovar. Nesses quatro anos procurei estar por dentro do que acontecia em Paraíso, sempre trabalhando em prol das pessoas, e foram anos de muito aprendizado. Graças a Deus, nesse trabalho consegui a reeleição.

Jornal do Sudoeste: Você também faz trabalhos sociais, conte-nos um pouco sobre isso...
M.A.V.: É um trabalho que desenvolvo desde sempre. Minha vocação sempre foi a de ajudar, de servir. Eu gosto de ajudar, de servir. E sempre que alguém me procurar devido a alguma situação, e que eu possa ser útil, sempre estou ajudando. Às vezes é uma carona para algum lugar distante, e eu estando aqui, meu carro sempre esteve à disposição. Trabalho muito com dependentes químicos, e tenho algumas parcerias com clínicas no estado de São Paulo e Minas. Aos finais de semana, estando aqui em Paraíso, eu ajudava nesse trabalho de internação em hospitais e clínicas. É uma vocação, e Deus dá um dom para cada pessoa. O meu é servir, seja na política ou fora dela. É o que me faz bem.

Jornal do Sudoeste: Você pediu exoneração do seu cargo na prefeitura para seguir novos rumos. Como tem sido essa trajetória?
M.A.V.: Tem sido muito significativa. Eu fui trabalhar com o deputado estadual Noraldino Junior, do mesmo partido ao qual sou filiado, e aprendi muito com ele. Em Minas, foi o 5º deputado mais votado, e é um camarada que é um exemplo de pessoa e que me ensina muito. É defensor da causa animal, que já era uma pauta que eu defendia, e fui trabalhar com uma pessoa que sempre levantou a bandeira do meio ambiente, que também é uma luta minha. Inclusive, quero trabalhar muito em cima disto, e já era uma cobrança minha. Tenho percorrido muito a zona rural e percebido que a questão do lixo rural é um problema que precisa ser solucionado, muitos pontos têm se tornado verdadeiros lixões e é preciso fazer alguma coisa. Enfim, trabalhar com o Noraldino foi uma faculdade, aprendi muito e cresci muito. Quero aproveitar esse aprendizado para poder ajudar a nossa cidade.

Jornal do Sudoeste: Você está voltando agora para a Câmara Municipal, depois de um período afastado. Acredita que está mais maduro?
M.A.V.: Com certeza, com o passar do tempo ficamos menos afoitos, mais prudentes, cautelosos, tranquilos. Posso dizer que, talvez, não esteja mais experiente, porém mais centrado, paciente, sabendo o momento de dar a palavra, porque sou uma pessoa que gosta de cumprir com o que eu falo, porque você não é obrigado a falar nada, mas a partir do momento que se manifesta, precisa cumprir com o que disse.

Jornal do Sudoeste: Como estão as expectativas para a nova Legisla-tura?
M.A.V.: Estou muito confiante. Tenho conversado com os demais vereadores que foram eleitos e estão todos com a mesma expectativa. Ninguém quer governar para si, fazer com que se sobressaia, mas todos imbuídos de fazer uma legislatura voltada para a população paraisense, sem vaidade, sem ego. Já conversei com quase todos os vereadores eleitos, e a intenção é realmente legislar para o povo, iremos governar para toda São Sebastião do Paraíso, independente de quem ganhou ou quem perdeu. O nosso partido é nossa querida São Sebastião do Paraíso. E a partir de agora, apoiar o Poder Executivo nas coisas que forem boas para nossa cidade, cobrar o que precisa ser cobrado, e trazer a harmonia entre os Poderes, respeitar, principalmente, o nosso povo.

Jornal do Sudoeste: Você tem sentido esse ar de mudanças para nossa cidade?
M.A.V.: Eu acredito que sim, e a população está com muita esperança nos vereadores, no prefeito eleito, o Marcelo vem com uma responsabilidade muito grande e a população anseia por essas mudanças, e acredito que ele fará mudanças tanto ele no Poder Executivo quanto nós no Poder Legislativo. Precisamos dar essa resposta que a população tanto espera, e acho que o momento chegou. Viemos de uma campanha muito tranquila, e eu como presidente do PSC, do qual o Marcelo saiu como candidato a prefeito, acompanhei toda a sua campanha e onde andamos, pedimos voto, as pessoas tinham essa ânsia por mudanças, a esperança de melhoria na Saúde, Educação, e acredito que vamos conseguir atender essa expectativa.

Jornal do Sudoeste: Qual é o balanço que você faz dessa trajetória?
M.A.V.: Sou muito grato a Deus por ter tido uma família muito unida, pai e mãe maravilhosos. Hoje minha mãe é acamada, recebeu um diagnóstico de câncer e foi um momento muito difícil para nós, porque minha mãe é a minha referência, foi quem nos deu toda a educação. Mas também sou grato a Deus pela esposa que tenho, pelas minhas filhas, meus irmãos, a minha família é a minha base. Esses 50 anos foram de muitas amizades boas, e por onde passei só fiz amigos. O fato principal da minha vida é minha fé em Deus, que me move, me faz sonhar, me faz acreditar que a gente pode mudar a vida das pessoas, a política, ou melhor, o conceito de política porque as pessoas ainda têm desconfiança quando você diz que está na política. Acredito que podemos mudar isso. Foram 50 anos de muita luta, vitórias, aprendizado, gratidão, e gostaria de agradecer a todos que me apoiaram nessa minha volta à Câmara Municipal, e tenho apoiadores desde 2008 que continuam acreditando no Marcão. Agradeço a todos que votaram em mim, nos meus colegas do PSC, porque sozinho não se ganha eleição. E peço a Deus que nos ilumine, aos vereadores, ao prefeito que tenha discernimento em suas decisões. Acredito que Deus está abençoando, acredito que o Prefeito fará um bom mandato, e nós, vereadores, também. Peço que Ele abençoe nossa São Sebastião do Paraíso e o próximo ano será 200 anos de muitas bençãos para Paraíso.