CRÔNICA HISTÓRICA

Escola Técnica de Comércio São Sebastião

Por: Luiz Carlos Pais | Categoria: Cultura | 16-12-2020 09:26 | 472
Foto de Arquivo Família

Esta crônica retorna aos anos 1950 para registrar uma época diferenciada da história da educação em São Sebastião do Paraíso, Sudoeste Mineiro. Nas décadas anteriores, jovens das famílias mais abastadas estudavam no Ginásio Paraisense, fundado em 1907, pelo padre Benatti e adquirido pela Câmara Municipal, quatro anos depois. Embora fosse um estabelecimento adquirido com recursos públicos, funcionava com base em contratos de arrendamento com os diretores, que cobravam as devidas mensalidades para manter a instituição. Depois de 1925, foi inaugurado o Colégio Paula Frassinetti, mantido pela Congregação das Irmãs de Santa Doroteia, visando a educação exclusiva de moças. Nas duas instituições as aulas eram diurnas e assim os jovens trabalhadores não tinham condições de estudar além do curso primário.

Essa situação começou a mudar em 1949, quando a referida congregação transferiu para a paróquia a Escola Técnica de Comércio Paula Frassinetti, fundada em 1947, oferecendo o curso Técnico em Contabilidade. Sob a direção do monsenhor Mancini, a instituição ganhou vida nova. Teve sua denominação alterada para Escola Técnica de Comércio São Sebastião. Além de manter o Curso de Contabilidade, foi criado o Curso Básico de Auxiliar de Comércio. Esses dois cursos funcionavam no período noturno, para estudantes de ambos os sexos, o que resultou num aumento expressivo do corpo discente.

Os referidos cursos proporcionaram uma mudança significativa sem precedentes na história da educação local, em termos da expansão das oportunidades de acesso à formação profissional para moças e rapazes. Durante as quatro décadas de funcionamento da Escola, extinta na década de 1980, várias centenas de jovens foram diplomados e conseguiram assim ampliar as oportunidades para conseguir um bom emprego ou trabalhar por conta própria.

A foto reproduzida foi cedida pelo conterrâneo Márcio Tubaldini Lisboa para rememorar a turma de formandos de 1951, da qual fazia parte o seu querido pai, Fernando de Carvalho Lisboa, atualmente morador na cidade paulista de Ribeirão Preto. Da esquerda para direita, em pé, estão: Paulo Rossi, Antônio Alcântara, Leandro de Paiva, Romeu Anacleto, Nílton Go-dinho, Aguinaldo Guidi, José Epaminondas, Orlando Malagutti, José Marinzeck, José Bonifácio, Imaculada Rodrigues, Fernando de Carvalho Lisboa (com 19 anos, estava de luto, com tarja preta na lapela, pelo falecimento do pai). Sentados, da esquerda para a direita, estão: Naedes Rodrigues, Dinoherci Carnevale, Dênis Giubilei, Isna Caravieri, Maria Aparecida Perrone Naves (Maricada) e Francisco Bueno.

A elegante Isna Caravieri, de saia escura e salto auto, era filha de Iris Caravieri, proprietário da Empresa Auto Viação Bola Azul. Nos idos de 1949, foi eleita rainha dos estudantes. Para finalizar, a todos os protagonistas desta pequena e grande história cultural, nossas reverências em nome da saudosa terra natal de ontem e de todos os tempos.