ACISSP em FOCO: EMPRESAS E EMPRESÁRIOS

Posto Samambaia um dos mais tradicionais em Paraíso

Por: Nelson de Paula Duarte | Categoria: Comércio | 28-12-2020 09:49 | 1075
Diretor  Rogério Mello Duarte
Diretor Rogério Mello Duarte Foto de Nelson Duarte/Jornal do Sudoeste

O Posto Samambaia é um dos mais tradicionais  revendedores de combustíveis em São Sebastião do Paraíso. Quando foi implantado, há mais de sessenta anos, praticamente estava isolado, próximo ao “Campo da Aviação”, como era chamado o antigo aeroporto, “na saída para o Baú”. Era o Posto Nossa Senhora da Conceição, propriedade de Orlando Furlan, o Curuta, que foi delegado municipal.  Não  havia casas ao seu redor, apenas uma ou outra.

Em fevereiro de 1991, há praticamente 30 anos, foi adquirido pelo cafeicultor José Tertualiano Duarte e seu filho Marcos Mello Duarte, já com a denominação de Posto Samambaia. Eles permaneceram na administração até setembro de 1994 quando o atual diretor, Rogério Mello Duarte ingressou na sociedade. Seu pai e irmão passaram a dedicar-se à cafeicultura.

“Quando entramos fazia dois anos que havia mudado a localização do posto, que era de frente para a avenida Monsenhor Mancini até 1989, passando para o posicionamento atual, com as duas coberturas viradas para as avenidas, Monsenhor Mancini e Monsenhor Felipe”, conta Rogério.

Depois de certo tempo, pai e filhos passaram a atuar também com a área de transportes de grãos, quando foi criada a TJD Transportadora José Duarte. O patriarca José Tertuliano Duarte faleceu em 2017.

O crescimento da empresa conforme afirma Rogério, foi lento, de vez que se trata de um mercado muito aguerrido, disputado, com margens muito reduzidas. “Prova disso é que demoramos vinte e sete anos para dar um passo e conseguir comprar mais um posto, o que está ao lado do Samambaia, e em homenagem ao nosso pai, passou a chamar-se Posto JD (José Duarte)”.

“Sempre trabalhamos com os pés no chão, com a bandeira Ipiranga, transmitindo muita qualidade,  idoneidade, honestidade.  Aí as coisas são mais lentas, no entanto, pode até demorar, mas são mais sólidas”, salienta Rogério, ao ressaltar que há 50 anos o Posto Samambaia trabalha com a bandeira Ipiranga.

Sobre o ano que se finda, Rogério diz que foi difícil para vários setores,  e alguns até fecharam as portas. Tivemos queda expressiva nas vendas, mas com a ajuda do governo que possibilitou mobilidade para que a carga horária de funcionários pudesse ser ajustada, conseguimos adequar custos. Tínhamos um propósito de não demitir nenhum funcionário. E assim tem sido, terminamos o ano sem nenhuma demissão. Perdemos alguns funcionários, mas por decisão deles em se desligarem da empresa. Mas nós por queda de faturamento, de volume nos dois postos, nas duas lojas, e na transportadora não demitimos, sim aumentamos nosso quadro de colaboradores, disse.

Com o tempo vieram também as lojas de conveniência que foram agregadas aos postos. “Nós a idealizamos, e no Samambaia está em funcionamento há vinte anos. A loja trouxe muito mais vida para o estabelecimento, um mix de produtos diferentes para atender ao consumidor. A cidade era um pouco carente de pontos de encontro”, explica.  Rogério complementa que a loja já está precisando de uma atualização, o projeto está pronto para que seja reestruturada, mas não é a hora correta para isso.

Quanto à expectativa para 2021, Rogério comenta sobre recente reunião com o pessoal da Ipiranga através de uma live, justamente falando sobre esse tema. “Mesmo com um começo de ano possivelmente sofrido, ocasionado pelo fim do auxílio emergencial, como poderá ser nos três primeiros meses, as coisas parece que vão entrar no eixo, e há boa perspectiva de que seja um bom ano, principalmente porque o agronegócio está mais uma vez puxando o país, e, em nossa região ele é muito forte”.

Desde que chegamos e adquirimos o Posto, somos associados à ACISSP, parceria sempre foi muito forte,  pelo fato de acreditar no trabalho dela. A gente percebe que é um trabalho muito sério, e que a Associação Comercial traz muitos benefícios para a cidade. Muitos cursos, atualizações para os empresários, comerciantes, para tudo. A ACISSP enriquece o comércio em São Sebastião do Paraíso, enfatiza Rogério Mello Duarte.

O diretor do Posto Samambaia defende a necessidade de uma reforma tributária no país, e menciona como exemplo a dificuldade enfrentada pelo setor de revenda de combustíveis por causa da disparidade entre tributação entre estado. “Isso ocorre pelo fato de estarmos na divisa de Minas com o Estado de São Paulo e termos uma concorrência com uma diferença de ICMS muito alta. Além da alíquota em Minas ser maior, a base de cálculo antecipado sobre os combustíveis é muito maior. Há época que isso nos desgasta, ficamos chateados com notícias sobre a diferença de preços. Nossas margens de lucro são muito reduzidas, e termos que conviver com diferenças de cinquenta, sessenta centavos por litro, só de diferença de imposto”, explica. Para a gente conseguir lutar e levar em frente,  tem que ser batalhador, afirma.

Rogério disse que a esperança do setor foi quando da eleição do governador Romeu Zema, mas a primeira coisa que ele fez depois de eleito foi vender a distribuidora de combustíveis do Grupo do qual faz parte.  “O setor de combustíveis é gerador de uma das maiores arrecadações no Brasil.  Minas está em estado de calamidade,  precisando de faturamento , então, achar que vai abaixar o imposto, acredito seja ilusão.  Não se trata de abaixar, e sim de igualdade, para termos condições de concorrer de igual para igual, porque fica muito ruim para os postos que principalmente estão perto da divisa”, esclarece.

“Para trabalharmos de maneira idônea e honesta, representando uma marca, tendo uma equipe grande para prestação de serviço, (hoje temos 42 funcionários), com essa diferença de tributação torna-se desgas-tante. Não é que está barato, é muito mais barato. Isso às vezes nos deixa chateados, mas faz parte”, conclui Rogério Mello Duarte.