TERRA NOSTRA

A flecha do SUL

Por: Manolo D´Aiuto | Categoria: Cultura | 10-02-2021 16:26 | 41
Foto de Reprodução

Poucas pessoas no mundo foram, primeiro a nível desportivo e depois a nível profissional, capazes de obter grandes sucessos em ambos os domínios, entre estes, certamente está Pietro Mennea, o fenomenal velocista italiano, capaz de bater todos os recordes em a pista e alcançar uma carreira fabulosa depois de pendurar os sapatos. Tive o prazer de conhecer Mennea durante uma conferência sobre desporto, onde ele, Euro MP e advogado, defendeu o desporto e os direitos dos desportistas.

Fiquei impressionado com duas coisas, a primeira pelo seu físico, pequeno mas ao mesmo tempo nervoso, a segunda pela sua personalidade pela forma como ela conseguia chamar a atenção para ele. Mennea nasceu em uma família pobre do sul e desde cedo mostrou uma propensão igual para estudar e se comprometer com as trilhas.

Ao contrário de outros velocistas, Pietro é bastante pequeno e leve, ele não chega a sessenta e oito metros por apenas sessenta e oito quilos, uma carriça no mundo dos velocistas e duzentos pilotos em particular onde as longas filas são sem dúvida uma vantagem. Para compensar essa lacuna, Pietro entende imediatamente que só tem um caminho: o sacrifício e o compromisso nos treinos.

Com o seu treinador realiza sessões exaustivas, compostas por repetidas fadigas e o trabalho em que arrastava pneus pesados, ainda hoje usados   por muitos atletas. Graças a este trabalho árduo, Mennea consegue obter grandes resultados imediatamente, muitas vezes duelando com o grande russo Valery Borzakov e o Jamaicano Quarrey.

No início dos anos setenta conseguiu, na primeira competição a nível continental, ganhar o ouro para os juniores europeus nos duzentos metros e nos setenta e um ganhou o bronze na prova de revezamen-to para os seniores europeus em muito jovem.

Nos setenta e dois anos ele participou das famosas Olimpíadas de Mônaco, surpreendentemente conseguindo ganhar a medalha de bronze. É o salto definitivo de qualidade, aos setenta e quatro, no estádio olímpico de Roma diante de cem mil pessoas, conquistando o ouro nos duzentos me-tros, a prata nos cem, especialidade em que detém o recorde italiano por mais de vinte anos, e mais prata no revezamento rápido.

No septuagésimo sexto estão programadas as Olimpíadas de Montreal, nas quais ele não gostaria de participar devido aos péssimos desempenhos obtidos naquele ano, mas o povo italiano o pressiona com aclamação popular a participar e ele decide ir, ele terminará em quarto lugar um bigode de bronze.

 A grande vingança vem em setenta e oito anos na Cidade do México, um estudante de ciência política participa da universidade.

Na Itália, é tarde da noite quando o relógio para nos 19’72 ‘’, um novo recorde mundial, que durará até os noventa e seis batidos por Michael Jhonson, enquanto ainda é um recorde europeu. Pietro ganhou tudo, menos uma coisa, o ouro olímpico.

Nas Olimpíadas de Moscou, ele chega à final partindo da oitava pista, com o alemão Wells vencedor dos cem metros ao seu lado.

A final é em cardio palm, Wells começa forte e imediatamente ultrapassa Mennea que, como sempre faz uma largada lenta, o alemão agora parece seguro da vitória mas, na curva de Mennea começa uma impressionante progressão que o leva a ultrapassar o adversário e vencer um ouro inesperado e merecido.

Mennea poderá então participar de outras duas competições olímpicas, sendo o único velocista a chegar à final em quatro Olimpíadas consecutivas.

Menena encerrou a carreira esportiva e obteve quatro diplomas que coroam uma vida de dedicação e trabalho. Pietro nos deixará em 2013, devido a um mar incurável. Mas sua figura ficará para sempre no coração de nós, italianos.
MANOLO DAIUTO