AGRONEGÓCIOS

Embalagens de agrotóxicos são recolhidas em Paraíso em projeto parceiro

Por: Nelson de Paula Duarte | Categoria: Agricultura | 14-03-2021 09:59 | 468
Foto: Bryan Felipe

A Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário (Sedeagro), de São Sebastião do Paraíso concluiu nesta semana na região do bairro rural Queimada Velha, ação conjunta, parte de um projeto de grande alcance social, ambiental e econômico. Dentro dessas ações no aspecto ambiental iniciou-se no dia 18 de fevereiro o chamado Dia de Recolhimento de embalagens de Agrotóxicos.

Foi agendado um dia da semana para o recolhimento ser feito em todas as regiões do município paraisense. A Secretaria estabeleceu há algum tempo, projeto parceiro com a empresa Olan. Para o recolhimento de embalagens também se integraram outros parceiros a Secretaria de Comunicação da Prefeitura, o Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (Inpev) que disponibilizou servidor com experiência no recolhimento, e organização para ser trazido de forma correta, e a Copasa para fazer o transporte das embalagens das comunidades rurais, até o balcão do Inpev.

O primeiro recolhimento foi no dia 18 de fevereiro na região da Faxina no período da manhã, e à tarde nas comunidades Marques e Mercês. Posteriormente, no Morro Vermelho e Barreiro. Na semana seguinte na região dos Pimentas, Angola, Antinha e Volpes. Nesta quinta-feira (11/3) o ciclo de recolhimento encerrou-se na Queimada Velha.

Na avaliação do chefe do Departamento de Agricultura, Marco Aurélio Alves de Paula, foi ação muito proveitosa, porque às vezes produtores encontram dificuldade em levar as embalagens ao local correto, o Inpev, ou mesmo próximo de onde residem. “O alcance foi grande, houve participação de grandes, médios e pequenos produtores. As embalagens foram levadas aos Centros Sociais de cada comunidade, em charretes, tratores, caminhonetes, e caminhões”, disse.

“A ação tem o objetivo de zerar a quantidade de embalagens vazias de agrotóxico das propriedades rurais, visando, assim, a qualidade de vida do produtor rural e a responsabilidade socioambiental, no sentido de respeitar as leis ambientais. É um compromisso da Administração com os nossos munícipes que moram na zona rural”, destaca.

Conforme explica o secretário municipal de Meio Ambiente e Agricultura, engenheiro Renan Jorge Preto, de acordo com a programação, a coleta seria encerrada na semana passada, porque a Queimada Velha estava inserida juntamente com o Barreiro, no entanto a demanda foi tão grande que produtores solicitaram mais um dia para ser coletado o excedente.

De acordo com a legislação, lavar e devolver tampas e embalagens vazias de defensivos agrícolas é obrigação do produtor rural. É feita a chamada tríplice lavagem, fura-se a embalagem que é entregue sem a tampa, e separadas, de um litro, cinco e vinte litros, plásticos flexíveis, e papelão. Também é obrigatório a devolução de defensivos vencidos.

A equipe que fez a coleta fazia a aferição, acondicionava as embalagens e entregava os recibos de recebimento, para efeito de documento do produtor, atestando que cumpriu a obrigação. O secretário Renan, explica que a “Política Nacional de Resíduos Sólidos é a Lei n.º 12.650 que determina a chamada logística reversa, de se devolver além de outros materiais, as embalagens vazias de defensivos agrícolas no endereço constante em nota fiscal, quando o produto é adquirido”.

Depois de entregues aos postos do Inpev, embalagens são levadas para a central em São Paulo, onde será feito todo o trabalho de reciclagem para o material voltar a ser utilizado.

“É um ciclo fechado, a gente evita o descarte, principalmente o irregular. Se por um lado tem esse viés ambiental de fazer a gestão adequada, por outro lado, a ação da Secretaria de Meio Ambiente e Agricultura e os parceiros envolvidos nesta empreitada, é  atendimento ao produtor por parte do município, para que se sinta mais acolhido, principalmente o pequeno, mas o grande também, de não ter a despesa, o gasto de levar o Inpev. É um auxílio, mesmo que seja pontual, e pequeno, informa o secretário Renan Preto.

Marco Aurélio lembra que ao serem retiradas embalagens plásticas flexíveis evita-se que eventualmente possam ser jogadas e contaminar o solo e nascentes.

Sobre a entrega de embalagens produtores diretamente ao Inpev, Marco Aurélio disse acreditar muito na educação, treinamento e qualidade. Dentro do programa que temos em parceria com a Olan há assistência técnica direcionada para alguns cafeicultores, e a maneira como evoluíram na construção de cômodos para armazenagem de agroquímicos, local específico para lavar as mãos e EPI, destinação de embalagens, de resíduos sólidos e orgânicos, melhorou muito.