ONDA ROXA

Governo de Minas estende “Onda Roxa” até a Páscoa

Por: Roberto Nogueira | Categoria: Cidades | 24-03-2021 18:20 | 743
Imposição sobre fechamento de parte do comércio causa revolta em Paraíso
Imposição sobre fechamento de parte do comércio causa revolta em Paraíso Foto: Arquivo

Se grande parte dos comerciantes de São Sebastião do Paraíso já estava irritada com a decisão do Governo de Minas Gerais de impor em todo estado as restrições da Onda Roxa do plano Minas Consciente, agora com a nova medida a revolta tornou-se mais intensa. Nesta quarta-feira,24, foi anunciado que após reunião do Comitê Extraordinário Covid-19, que todas as macrorregiões de Minas Gerais permanecerão na onda roxa até o fim da Semana Santa, em 4 de abril.

A justificativa é de que houve um avanço muito tempo intenso no número de casos, óbitos e internações, por conta da Covid-19, sendo necessário mais tempo para que as medidas restritivas possam fazer efeito.

Embora tenha sido implantada no estado no dia 17 de março, a adesão total de São Sebastião do Paraíso ao programa somente ocorreu uma semana depois, após decisão judicial. Nesta quarta-feira os estabelecimentos comerciais com atividades tidas como não essenciais não abriram suas portas atendendo as recomendações estipuladas.

Parte do comércio funcionou normalmente por se enquadrar dentro das regras estabelecidas pela Onda Roxa. “Estou de portas abertas e funcionando porque a minha atividade é permitida, considerada essencial”, comentou o dono de um pet shop, localizado na avenida Oliveira Resende.

Por outro lado, diferentes tipos de comércio como lojas, salões de beleza, cabelereiros, autoescolas e academias não puderam funcionar. “É incoerente eu não poder atender se quer um cliente por vez, com hora marcada, enquanto uma fábrica, por exemplo, reúne dezenas de pessoas no mesmo espaço. É injusto”, afirma o cabelereiro Robson Fernandes. Assim como ele foram vários os comerciantes que não poderão exercer suas atividades nos próximos dias e que foram para as redes sociais protestar.

Segundo o Comitê Extraordinário Covid-19, em Minas, a manutenção das medidas mais restritivas do plano Minas Consciente é necessária para que o sistema de Saúde restabeleça sua capacidade assistencial à população. A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) estima que os resultados do isolamento aparecerão com, ao menos, 14 dias de onda roxa nos municípios mineiros.

As medidas são reavaliadas a cada sete dias pelo Comitê, considerando indicadores como taxa de óbitos, número casos e ocupação de leitos. Na próxima quarta-feira,31, o grupo se reúne para decidir as orientações a serem seguidas após o feriado da Páscoa.

Os dados atuais da situação da pandemia mostram que a taxa de incidência da covid-19 vem aumentando no estado, chegando a 42% nas últimas duas semanas, o que indica que, nos próximos dias, subirá também o número de internações.

Na última semana, houve aumento de 6,1% no número de casos e de 6,8% nos óbitos. Já a positividade está em 43%.

A Prefeitura de Paraíso divulgou estatística sobre o percentual de aumento de casos de Covid-19 em cidades da macrorregião. O município paraisense tem a quinta menor taxa de incidência da doença, com aumento de 2,40%. Além de Fortaleza de Minas que não teve crescimento de pessoas contaminadas, estão à frente de Paraíso com menor índices, Delfinópolis (1,40%), São Tomás de Aquino (1,53%), Jacuí (2,10%) e Nova Resende (2,20%). Os maiores índices foram registrados em cidades como Capetinga (12%), Bom Jesus da Penha (14,90%), Vargem Bonita (15,15%), São Roque de Minas (18,40%) e Guapé (19,10%). Passos está na faixa intermediária com 4,17%.

Outro dado que preocupa o Comitê Covid é que 12 das 14 macrorregiões mineiras têm hoje mais de 90% dos leitos de UTI exclusivo Covid ocupados. Também é ponto de atenção o aumento da incidência da doença em cidades com menos de 30 mil habitantes. Atualmente são apenas 141 municípios desse porte com menos de 50 casos a cada 100 mil habitantes nos últimos 14 dias.

Em outros momentos da pandemia esse número foi superior a 600 cidades. As macrorregiões que passaram para a onda roxa no início de março, antes da determinação para todo o estado, já começaram a apresentar queda na incidência. Triângulo Norte teve queda de 16% na incidência enquanto a macro Noroeste registrou diminuição de 19% nos últimos sete dias, o que indica a eficácia do isolamento social.