MEDICINAL

Dito Modesto disse ter desenvolvido loção eficaz no tratamento de inflamação crônica da pele

Por: Nelson de Paula Duarte | Categoria: Saúde | 28-03-2021 10:32 | 797
Benedito dos Reis Modesto
Benedito dos Reis Modesto Foto: Arquivo

Benedito dos Reis Modesto, é vocacionado a ajudar as pessoas, principalmente utilizando conhecimentos aprendidos com seus antepassados, boa parte com sua avó Dona Aurora da Silva Modesto, para a utilização da flora medicinal, seja indicando a planta ideal ou preparando loções para tratamentos.

Dito Raizeiro, nascido em São Sebastião do Paraíso, se tornou conhecido por ter criado uma loção que, segundo pacientes, cura o vitiligo, e pomada que cicatriza escaras. E o Jornal do Sudoeste teve acesso a algumas declarações de pessoas ou de familiares que fizeram uso, em ambas enfermidades.

“A garrafada para escaras produzia pelo Senhor Benedito foi utilizada por minha avó. Cerca de seis meses de tratamento, e o resultado é surpreendente. As escaras diminuem consideravelmente de tamanho, e algumas chegam a fechar por completo. A necrose desaparece e a úlcera começa a granular refazendo a pele atingida”. A afirmativa é de uma jovem que reside em São Sebastião do Paraíso que identificou-se inclusive constando dados pessoais.

Em 2012 ele esteve na redação do “JS” acompanhado de uma senhora paraisense que residia em Campinas que foi portadora de vitiligo por vinte anos. “Minha médica, a doutora Helena D’Ambrósio me disse que vai a vários congressos, e nunca viu nada parecido”, disse, ao referir-se aos resultados da loção, ao contar que a diminuição das manchas por todo o corpo foi motivo de espanto para dermatologistas”.

Na última semana Benedito Modesto disse que há algum tempo conseguiu também formular uma loção que controla inflamação crônica que se apresenta no rosto, bem no centro, que às vezes se espalha para outras áreas da face, conhecida como rosácea. Conforme explica, referida loção tem se mostrado eficaz para psoríase.

Dito Modesto desde 2007 desenvolveu um adubo orgânico que acelera o processo de desenvolvimento das plantas e, ainda, o processo de decomposição de outras matérias mortas, como paus, caroços e folhagem. Segundo ele, o processo da criação do adubo, que leva 90 dias para ser produzido, gera resultados bastante perceptivos a um curto prazo.

A eficiência do adubo, segundo afirma, pôde ser constatada em lavouras de café e milho, bem como em hortas de verduras. Testes feitos em laboratórios deram conta que a matéria utilizada apresentou altos índices de nutrientes.