CRIME ZONA RURAL

Polícia Civil investiga crimes na zona rural de Paraíso e região

Por: Roberto Nogueira | Categoria: Polícia | 28-03-2021 06:00 | 800
Além de gado, máquinas, implementos e produtos diversos são alvo de furtos e roubos na zona rural na região
Além de gado, máquinas, implementos e produtos diversos são alvo de furtos e roubos na zona rural na região Foto: Reprodução

Policiais da 4ª Delegacia Regional de Polícia Civil de São Sebastião do Paraíso estão empenhados na elucidação de crimes ocorridos na zona rural do município e também em cidades vizinhas. Conforme o delegado Leandro Custódio Zucoloto que está à frente das investigações, alguns casos tem a mesma autoria com o envolvimento das mesmas pessoas na prática delituosa. “Tivemos também algumas ações planejadas, com roubo e abate clandestino de gado cujos envolvidos já foram identificados e as apurações seguem andamento para comprovarmos a materialidade destes crimes”, observa.

Em uma análise preliminar o delegado afirma que a quantidade de furtos e roubos registrados na zona rural de Paraíso diminuiu significativamente entre 2020 e 2021. “Ao longo deste período algumas pessoas envolvidas neste tipo de crime foram presas, tivemos a recuperação de alguns objetos e até mesmo um boi produto de furto também foi recuperado”, comenta o delegado.

“Este tipo de crime envolve no mínimo duas ou três pessoas diretamente. A propriedade é monitorada e a ação acontece na ausência do produtor”, avalia. A continuidade do crime acontece quando o produto é revendido, podendo envolver estabelecimentos comerciais ou mesmo outra pessoa que pratica a venda avulsa dos animais ou parte dele quando se tem o abate de gado.

Outro exemplo de que as ocorrências foram menores em 2020 foram os casos de furto e roubo de café. É uma área em que os produtores se organizaram, muitos fazem investimentos na proteção de suas lavouras, propriedades e até mesmo na hora do transporte, com serviço de escolta entre outras medidas. O trabalho de patrulhamento no setor e as ações realizadas em anos anteriores ajudaram a impedir que mais crimes desta natureza fossem praticados.

Ainda conforme o delegado muitas das vezes o furto são de objetos considerados de menor porte, mas que tem valor principalmente para o produtor rural. “Além de eletro e eletrônicos, também são levadas máquinas, pequenos implementos, uma moto serra, uma colhedeira manual, uma roçadeira que custa para ser adquirida e depois é comercializado a um custo menor ou trocado por droga, causando o prejuízo para quem é vítima”, ressalta Leandro Zucoloto. Também tem sido comum na região o roubo de tratores e implementos agrícolas, com prejuízos maiores às vítimas pelo valor dos veículos.

No início do mês a Polícia Militar conseguiu prender duas pessoas na região suspeitas de estarem envolvidas com este tipo de crime. Trata-se de um morador de Paraíso e o dono de um açougue, em Jacuí. Os acusados teriam participado do furto de gado em uma propriedade na região da divisa entre os dois municípios. As vítimas reclamaram que animais são abatidos no pasto e que os ladrões esquartejam e leva o que lhes interessa. Na casa de um dos acusados a polícia encontrou 17 arrobas de carne bovina, 50 galinhas e outros materiais de procedência duvidosas.

Ainda de acordo com o delegado no final de 2020 foi registrado um roubo de 20 cabeças de gado em uma propriedade no município. “É um tipo de crime em que os autores estão preparados, inclusive com veículo de transporte e o gado sai de um local e vai para outra região, onde continua sendo tratado e depois é comercializado ou mesmo abatido”, detalha. Ele cita que este caso as investigações estão avançadas, mas sob sigilo. “Temos as informações, mas buscamos comprovar a materialidade do crime, por isso estamos trabalhando intensamente nestes casos”, acrescenta Leandro.

O delegado menciona que além das ações que são feitas pela Polícia Civil na apuração dos casos, existe também um trabalho importante de prevenção desenvolvido pela Polícia Militar. “Existe a Patrulha Rural, temos também a Rede de Vizinhos Protegidos e outros grupos que reúnem policiais e produtores rurais que ajudam no combate aos crimes praticados na zona rural, tudo isso é muito importante”, salienta.

O delegado defende que as vítimas devem fazer o boletim de ocorrência quando tiverem suas propriedades roubadas. “Todas as medidas que puderem ser utilizadas para coibir a ação dos marginais devem ser utilizadas, como alarmes, uso de cães, cercas, cadeados, sensores e câmeras tudo isso inibe a ação marginal e pode até nos ajudar nas investigações”, avalia o policial.

Delegacia Rural
Conforme anunciado no ano passado, foi aprovado para São Sebastião do Paraíso uma Delegacia de Crimes Contra o Patrimônio Rural no Estado de Minas Gerais. Aa lei que a criou é de autoria do deputado Antonio Carlos Arantes, em conjunto com então deputado Fabiano Tolentino e o deputado Sargento Rodrigues.

Para a implantação da delegacia em São Sebastião do Paraíso, que será a terceira no Estado, Arantes indicou emenda no valor de R$ 500.000,00  Segundo sua assessoria, “o recurso já foi destinado à chefia da Polícia Civil, pelo que fomos informados os equipamentos foram adquiridos e têm previsão de entrega até abril. Sendo assim nossa tão sonhada Delegacia estará com os equipamentos novos e necessários para o seu funcionamento em breve”.

A assessoria do deputado esclarece “que por questões legais quem faz a aquisição dos equipamentos é a Polícia Civil, que deve seguir um ritual para a aquisição de equipamentos, durante esse processo, que se dá através de licitação, as empresas oferecem seus produtos de acordo com a demanda e especificação informada pela Polícia”..

Conforme já ficou acertado nas conversações iniciais o Sindpar cederá parte de suas instalações, anexas ao Parque de Exposições João Bernardes Pinto Sobrinho, para o funcionamento da Delegacia Rural.