• Dos Leitores •

Petição dirigida a: Ao Bispo Dom José Lanza

Por: Redação | Categoria: Do leitor | 27-03-2021 10:02 | 107
Foto: Reprodução

“Então, Jesus lhes disse: “Em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós mesmos.” São João, 6, 53

 

“Depois dessas palavras, soprou sobre eles dizendo-lhes: “Recebei o Espírito Santo. 23.Àqueles a quem perdoardes os pecados, lhes serão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, lhes serão retidos”.” São João, 20, 22-23

 

Como visto acima, não existe nada mais importante do que os Santos Sacramentos que N.S. Jesus Cristo instituiu para nos dar A Vida, a Vida eterna.

Infelizmente, nosso Bispo Dom José Lanza, de acordo com o decreto publicado no dia 25/03/2021, retirou de nós os Santos Sacramentos sem nenhuma necessidade nem razão, já que todos os nosso governantes (tanto na esfera municipal, quanto estadual, quanto federal) autorizaram a celebração da Santa Missa, sendo considerada, inclusive, serviço essencial impassível de ser retirado, pelo Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro. Além disso, a Constituição Federal declara o culto religioso como direito essencial do cidadão brasileiro em seu artigo 5º, inciso VI.

Ademais, mais importante do que as autoridades temporais, Sua Santidade, o Papa Francisco, clamou para que os Bispos retomassem os Santos Sacramentos DURANTE a pandemia na carta “Voltemos a Eucaristia com alegria!”

As atividades no Santo Templo de Deus em todas as paróquias estão sendo realizadas conforme todas as medidas sanitárias, muito mais que em qualquer outro estabelecimento, estando garantida a saúde corpórea de todo o fiel. Porém, não estará garantida a espiritual (mais importante) se o senhor manter o decreto de fechar nossos Templos.

Dessa forma, nós suplicamos que nosso Pastor não deixe seu rebanho fora do aprisco e que Vossa Excelência obedeça o Vigário de Cristo na Terra, seu superior, e não nos retire os Santos Sacramentos, guie suas ovelhas à santidade e não a mornidão.

Instituto Cultural Santa
Zélia e São Luís Martin