CÁSSIO SOARES

Cássio Soares questiona falta de compromisso do Poder Público com a pandemia

Por: Redação | Categoria: Política | 03-04-2021 00:20 | 104
Cássio Soares questiona Poder Público Pandemia
Cássio Soares questiona Poder Público Pandemia Foto: Divulgação

O deputado Cássio Soares, líder do Bloco "Minas São Muitas" e relator da Comissão Parlamentar de Inquérito - CPI dos Fura-filas, questionou os serviços públicos que estão fechados aos finais de semana e que são essenciais para a manutenção da vida humana neste período de pandemia, que já levou a óbito mais de 314 mil pessoas no país e mais de 23 mil em Minas Gerais. O questionamento foi feito durante Reunião Extraordinária da CPI na manhã de terça-feira, 30 de março, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

No decorrer da reunião da CPI dos Fura-filas, que investiga possível irregularidade na vacinação de servidores da Secretaria de Saúde e o baixo investimento no setor durante a pandemia, Cássio Soares relatou uma situação que aconteceu no fim de semana, quando teve que acionar a Secretaria de Estado da Saúde (SES), após receber pedidos de insumos necessários para sedação de pacientes intubados em hospitais do interior do Estado.

"No domingo, ao pedir socorro aos hospitais do interior, que já estavam sem kits para intubação, ouvimos do assessor da Secretaria que havia medicamentos disponíveis no almoxarifado, mas não tinha nenhum servidor no local para liberar os remédios e teríamos que aguardar a segunda-feira. Agora não é momento de diferenciar domingo de segunda, é hora de todos trabalharem para dar respostas à população", afirmou o deputado, salientando que o assessor da SES também estava surpreso com a situação.

Guerra
Cássio Soares comparou o enfrentamento à pandemia com uma guerra, em que pessoas estão morrendo por falta de atendimento, por falta de estrutura mínima. "E nós exigimos do Governo do Estado e da Secretaria Estadual de Saúde respostas eficientes e resultados", ressaltou durante a fala na CPI.

Outra medida apontada pelo deputado como necessária nesse momento é o atendimento às pessoas que ficaram desempregadas diante das medidas impostas pelo enfrentamento à pandemia, como o fechamento do comércio. "As ações são legítimas pela preocupação com a vida, mas o governo também tem por obrigação se preocupar com o trabalhador, com aquela pessoa que está sem condições de colocar o alimento na mesa", enfatizou.
(Acom Dep. Cássio Soares).