TERRA NOSTRA

O Leão da Flandres

Por: Manolo D´Aiuto | Categoria: Do leitor | 11-08-2021 14:13 | 3840
Foto: Reprodução

No início do século 20, o ciclismo era formado por pioneiros visionários que, contra tudo e contra todos, optaram por praticar um esporte árduo e exaustivo, não pelo dinheiro, mas pela glória pessoal de sua nação.

Numa era hipotecnológica, em que os suéteres eram de lã grossa e as bicicletas de ferro puro, a Tala foi um dos nazões, com Espanha e França como protagonistas.

Entre os grandes nomes daquela época de ouro podemos, sem dúvida, incluir o nosso Fiorenzo Magni, que a história mais tarde rebatizou com o apelido de Leão da Flandres, pelas suas épicas vitórias na corrida belga.

Fiorenzo Magni nasceu em 7 de dezembro de 1920 em Vaiano, onde viveu com seu pai Giuseppe, um carroceiro, sua mãe Giulia Caciolli e sua irmã mais velha Fiorenza até ser transferido para Fornaci di Usella. Aos quatro anos, Magni, devido a um diagnóstico incorreto do médico, arriscou-se a amputar o pé direito, salvo graças a uma operação no hospital pediátrico Meyer, em Florença. Desde cedo ajudou o pai no trabalho e, ao falecer num acidente de viação em dezembro de 1937, abandonou a escola para sustentar a família, continuando a sua atividade de ciclista, iniciada por alguns anos antes.

Impulsionado por seus amigos e companheiros de treino, secretamente de seus pais, em 1936 Magni iniciou sua carreira competitiva na categoria de aspirantes com a camisa da Associação de Ciclismo de Prato; ele concorre com uma bicicleta fabricada por Primo Magni e Aimo Santi, comprada por duzentas liras, na qual está montada uma das primeiras caixas de câmbio Campagnolo, que na Toscana só tinha disponíveis os profissionais Bini e Di Paco além de Magni. Estreou-se na corrida de Figline Valdarno, onde caiu, retirou-se devido a um furo em Scandicci e depois conseguiu uma boa colocação em San Donnino.

Numa corrida perto de Scandicci, a quarta disputada, escapa sozinho mas é apanhado por Alfredo Martini, mais jovem mas mais experiente, que o vence no sprint relegando-o para o segundo lugar, do qual o piloto de Prato ainda está satisfeito; é a primeira aproximação entre os dois toscanos que permanecerão unidos por uma amizade profunda por toda a vida.

Consegue a sua primeira vitória no Badia a Settimo e cedo se torna conhecido no meio desportivo local, tanto que consegue os seus primeiros adeptos, mas é obrigado a informar a família sobre a sua actividade competitiva; seus pais permitem que ele continue competindo, alternando o treino com o trabalho. Ele conclui sua primeira temporada de corridas com sete vitórias.

Devido ao apoio ao fascismo durante a Segunda Guerra Mundial, foi profissional apenas em 47 e já em 48 conseguiu ganhar o seu primeiro Giro D"Italia, não sem polémica por alegada ajuda na escalada decisiva do Pordoi.

Magni era um habilidoso corredor de longa distância e um grande esquiador downhill, características essas que o ajudaram a dominar o tour de Flandres onde, em quatro participações, conseguiu vencer três vezes, conquistando por completo o nome de Leão da Flandres.

Em 1951 e 1955 ele ganhou mais duas viagens pela Itália; a última camisa rosa, conquistada com quase 35 anos, ainda o torna o vencedor mais velho do Giro.

Entre suas muitas conquistas, estão também três Giri del Piemonte, três Troféus Baracchi e três Campeonatos Nacionais. Além disso, ele terminou em segundo lugar no Campeonato Mundial de 1951 (precedido pelo suíço Ferdi Kübler), no Giro d"Italia de 1952 (atrás de Fausto Coppi), apesar de uma queda, no Giro d"Italia de 1956 (atrás do luxemburguês Charly Gaul ). 36 anos (concluiu que Giro com um ombro fraturado, segurando o guidão por meio de um tubo preso entre os dentes). Durante a décima segunda etapa do Tour de France 1950, ainda com a camisola amarela, retirou-se da prova juntamente com a equipa italiana devido à pressão e insistência de Bartali, que denunciou ter sido atacado no Col d"Aspin por alguns espectadores franceses, já no Giro d"Italia de 1953, classificado entre os favoritos, desistiu da classificação devido a uma queda, mas ainda assim conseguiu vencer três etapas. Nos últimos anos de atividade foi um grande defensor do patrocínio de equipas de ciclismo por parte das indústrias extraciclo.

A volta de 56 continua emblemática justamente por causa da queda sofrida

ele correu com uma câmara de ar na boca, tendo fraturado uma clavícula durante a corrida. Ele segurou uma extremidade do tubo entre os dentes, enquanto a outra extremidade foi fixada no guidão, para que ele pudesse diminuir a tensão necessária no ombro esquerdo lesionado e aliviar a dor afundando os dentes na gengiva. Ele terminou a volta terminando em segundo lugar.

Fierenzo Magni teve o azar de se ver espremido entre dois gigantes como Bartali e Coppi, entre os maiores de todos os tempos, e também o passado fascista que pesava sobre ele.

No entanto, foi um dos grandes nomes do ciclismo italiano e mundial, capaz de grandes feitos em qualquer terreno.
MANOLO DAIUTO