SESC

Vereadores continuam com um pé atrás, quanto à vinda da unidade do SESC

Por: Nelson de Paula Duarte | Categoria: Cidades | 08-09-2021 09:26 | 2018
Da Praça de Esportes Castelo Branco restou apenas o ginásio
Da Praça de Esportes Castelo Branco restou apenas o ginásio Foto: Arquivo

O clima de desconfiança quanto a construção de unidade do Sesc-MG em São Sebastião do Paraíso aumentou na última semana. Em resposta ao pedido de informações sobre o andamento feito pela vereadora Maria Aparecida Cerize Ramos (Cidinha), Francisco Soares Campelo Filho, diretor regional do Sesc-MG respondeu que “o cronograma com os prazos está mantido”.

Em agosto passado, fonte com ligações ao SESC-MG teria afirmado que havia a intenção de se devolver ao município paraisense a área onde funcionou a Praça de Esportes Castelo Branco, onde está prevista a construção de sua unidade em Paraíso.

Há também a informação de que de maneira informal, “sondagens” teriam sido feitas junto ao prefeito Marcelo de Morais, sobre uma possível prorrogação no prazo para que o SESC-MG conclua a obra.

No início de agosto a vereadora Cidinha Cerize encaminhou ofício à direção do SESC-MG pedindo informações sobre a implantação da unidade. Em sessão da Câmara (30/8) foi lida a resposta assinada pelo diretor regional daquele órgão, Francisco Soares Campelo Filho: “Reiteramos que em 7 de outubro de 2020 celebramos contrato para elaboração de projeto básico que arquitetura de projetos executivos para implantação da nova unidade. Informamos que o cronograma com os prazos da ação mantém-se, conforme ofício de 15 de julho de 2019 “e atende aos prazos legais do Decreto Municipal 5.635 de 2020”, afirma. 

Campelo Filho ressalta ainda que “encontra-se em fase final de análise dos projetos executivos pela fiscalização do Sesc para posteriormente ser elaborada a planilha orçamentária”.

O cronograma a que ele se refere, e que o Jornal do Sudoeste teve acesso, prevê que de março de 2020 a agosto de 2021 seriam desenvolvidos projetos executivos e complementares. O orçamento da obra, entre elaboração, trâmite interno no SESC e execução do projeto está agendado para ocorrer de maio a novembro de 2021. A efetiva execução da obra tem início previsto para setembro de 2022 e conclusão em outubro de 2023.

Contratualmente o SESC-MG terá até novembro deste ano para apresentar projetos à Prefeitura. “É simples, se não apresentarem até começo de dezembro entraremos com processo para restituição da área ao município, dentro do que preconiza a lei”, disse o prefeito Marcelo Morais.

Cidinha Cerize disse que via com estranheza a informação do diretor regional sobre projeto executivo e orçamentário. "Quando estivemos em Belo Horizonte ele nos mostrou o projeto pronto, e informou que havia verba no montante de R$ 500 mil, já assegurada para a execução", disse a vereadora, o que foi confirmado pelos vereadores Sérgio Aparecido, Luiz de Paula, Vinício Scarano e Lisandro Monteiro.

O presidente Lisandro Monteiro criticou o ex-prefeito Walker Américo pela prorrogação de contrato com o Sesc. “O decreto foi em 7 de outubro do ano passado porque a eleição seria em novembro e a intenção era beneficiar o candidato apoiado por ele. Sorte que tinha na gestão anterior a Comissão de Finanças que lia os projetos e vereadores que sustentaram na reunião de pauta, se não tivesse feito no prazo certo a permuta das áreas com UFLA, o que seria”, questionou.

Em julho de 2020 o Jornal do Sudoeste publicou informação recebida de funcionário do SESC-MG dando conta que aquele órgão não tinha interesse em dar continuidade às obras em Paraíso, o que foi contestado pela direção do órgão.

Na última semana, o ex-funcionário do SESC-MG fez novo contado com o “JS”. “Acompanhando as reportagens do site JS vejo que o Sesc reuniu-se com representantes da cidade em diversas ocasiões e procurou convencê-los de que estava empenhado em dar prosseguimento ao empreendimento que há mais de 20 anos não havia feito nada, mas somente para ganhar tempo e usar de todos os subterfúgios para não realizar qualquer investimento em São Sebastião do Paraíso”, afirmou.

E sugere “uma CPI para apurar quem se beneficiou, prevaricou com todo este processo, requerendo junto ao SESC Nacional, todos os orçamentos anuais e seus retificativos enviados pelo SESC-M, constando os valores empenhados anualmente para o investimento em São Sebastião do Paraíso”. Sugere, ainda, sejam convocados “ex-diretores, ex-gerentes de planejamento, de engenharia, além da atual diretoria”.

Vereadores se manifestaram demonstrando preocupação que a unidade do SESC-MG não se torne realidade em Paraíso.