PARAÍSO 200 ANOS

Paraíso dos Ipês

Por: Reynaldo Formaggio | Categoria: Cidades | 25-10-2021 07:49 | 1253
Praça dos Ferroviários
Praça dos Ferroviários Foto: Antonio Aparecido de Paula

Pau d’arco, ipeúna, paratudo, peúva. Branco, amarelo, rosa, roxo, verde e bicolor-damasco. O pau-brasil é considerada a árvore nacional do país, mas a flor nacional é a do ipê. A palavra ipê tem sua origem no tupi e significa “árvore cascuda”. O ipê possui cerca de 100 espécies catalogadas e sua árvore pode atingir até 30 metros de altura. Suas flores, em formato de funil, se assemelham a uma trombeta ou cornetinha e podem dar em cachos ou em formato de bola. Sua casca é utilizada na medicina e possui propriedades antitumoral, anti-inflamatória, imunoestimulante, antiviral e antibiótica. Normalmente entre os meses de junho e setembro, a árvore símbolo de São Sebastião do Paraíso, adorna as ruas, praças, pátios, quintais e toda a zona rural.

O primeiro a encantar com sua esplendorosa floração é o ipê rosa ou roxo. Na sequência a cidade é tingida de dourado quando o ipê amarelo toma toda a atenção para si. Por fim a majestade do ipê branco ganha os olhares admirados dos passantes.

Vez ou outra a ordem e as datas podem se inverter, devido às condições climáticas e outras intempéries.

Praça dos Ferroviários
Em 25 de outubro de 1968 foi oficializado o cognome “Cidade dos Ipês”. Cognome nada mais é que a forma como a pessoa ou cidade se torna conhecida. No caso o cognome “São Sebastião do Paraíso – a Cidade dos Ipês” foi de iniciativa e autoria do advogado, acadêmico e escritor Luiz Ferreira Calafiori.

Algumas árvores são protegidas por lei como patrimônios da cidade e por isso, são imunes a corte. Sem dúvida um dos ipês mais admirados da cidade era o ipê branco que adornava a Praça Comendador José Honório ou da Matriz. No princípio de 2014, após uma belíssima floração no ano anterior, a “Árvore da Amizade” como era oficialmente chamada, foi extirpada com a alegação de que estava condenada e causaria riscos aos passantes. Por iniciativa do fotógrafo Waldemar Francisco de Paula, mudas “filhas” deste ipê foram formadas e uma delas replantada próxima ao seu lugar de origem. As primeiras flores já ensaiam a majestade que retornará à praça.

Árvore da Amizade – extirpada em 2014
Outra paisagem que chama a atenção pela beleza de seus ipês, é aquela presente à Avenida João Pereira de Souza. Toda sua extensão é tingida do mais vivo amarelo em uma belíssima recepção aos que chegam à cidade ou por ela passam.

Alameda de ipês à Av. João Pereira de Souza
Guardiãs do ar puro, da sombra, do controle da temperatura, da umidade e erosões. Abrigo e alimento para pássaros e outros seres. São inúmeros os benefícios que as árvores trazem. Ao ver a cidade enfeitada com as cores dos ipês, cidadãos e visitantes se encantam com o majestoso presente da Mãe Natureza. Muitos fotógrafos são despertados e corações aquecidos. Em suma, zelar por elas é dever de todos, pois as árvores são essenciais para o equilíbrio do planeta.

 Árvore da Amizade – extirpada em 2014
Alameda de ipês à Av. João Pereira de Souza