POLEPOSITION

Lewis Hamilton num dia de Ayrton Senna, em Interlagos

Piloto da Mercedes superou duas punições, fez 25 ultrapassagens no final de semana e saiu de Interlagos com a Bandeira Nacional e no coração dos torcedores
Por: Sérgio Magalhães | Categoria: Esporte | 14-11-2021 17:47 | 2742
Lewis Hamilton repetiu o gesto de Ayrton Senna em Interlagos com a bandeira do Brasil
Lewis Hamilton repetiu o gesto de Ayrton Senna em Interlagos com a bandeira do Brasil Foto: F1

Por Sergio Magalhães
O domingo amanheceu com céu azul em São Paulo, cenário perfeito para uma boa corrida em Interlagos. Essa é uma pista em que faça chuva ou faça sol, guarda nos seus 4.309 metros características que proporcionam corridas memoráveis. É uma pista técnica onde, todos os pilotos gostam de correr.

O cenário apontava para o favoritismo de Max Verstappen largando de 2º, e com Lewis Hamilton saindo de 10º depois de perder cinco posições no grid pela troca do motor de combustão da Mercedes.

Na sprint rece de ontem, Hamilton teve que largar de último por conta de outra punição que recebeu por uma irregularidade na asa traseira de seu carro e terminou em 5º. Antes de descer do carro, falou para seu engenheiro pelo rádio que a ”luta não havia terminado”.

O GP de São Paulo começou agitado e se estendeu por todas as 71 voltas. Na largada Verstappen superou o pole position, Valtteri Bottas, que ainda perdeu a 2ª posição para Sergio Pérez. Era o cenário perfeito para a Red Bull no começo de corrida. Ainda nos primeiros metros Lando Norris teve um pneu furado da McLaren ao bater todas com a Ferrari de Carlos Sainz.

Hamilton completou a primeira volta em 6º. Na terceira ultrapassou Carlos Sainz; na quarta, Charles Leclerc foi a próxima vítima. Na quinta teve a vida facilitada pelo companheiro de Mercedes, Valtteri Bottas.

A diferença para o líder Verstappen era de 4,6s na sexta volta. Foi quando o Safety Car entrou na pista para a limpeza de detritos deixados pela Alpha Tauri de Yuki Tsunoda. A relargada veio na 10ª e as posições foram mantidas, mas Hamilton já tinha as duas Red Bull na alça de mira.

Na 18ª volta Hamilton se lançou para cima de Pérez e fez uma monumental ultrapassagem sobre o mexicano na freada para a primeira perna do S do Senna. Mas o companheiro de Verstappen vendeu caro, e deu o troco no final da reta oposta.

Na volta seguinte, no mesmo ponto, Hamilton voltou a ultrapassar Pérez e ganhou a 2ª posição. A diferença para Verstappen era de 3,7s naquele momento.

Na 27ª volta a Mercedes chamou Hamilton primeiro para os boxes, trocou os pneus médios (faixa amarela) pelos de composto duro (faixa branca). A Red Bull respondeu na volta seguinte, fazendo troca idêntica. Os pneus duros era a melhor opção para o asfalto de Interlagos com 55ºC de temperatura.

Na 40ª volta a diferença de Verstappen para Hamilton era de apenas 1,0s, e logo em seguida começou uma nova janela de pit stop. Dessa vez foi a Red Bull quem reagiu primeiro chamando Verstappen. Hamilton assumiu a ponta, mas a Mercedes pisou na bola ao demorar para chamar seu piloto somente três voltas mais tarde.

Mas, lembra quando Hamilton disse ontem pelo rádio que “a luta não havia terminado”? Na 48ª volta o britânico colou em Verstappen, colocou meio carro à frente, mas Max não aliviou e os dois acabaram saindo da pista.

Hamilton continuou comboiando Verstappen até que na 59ª de 71 voltas veio o bote final. No mesmo ponto onde quase bateram, Hamilton faz outra ultrapassagem magnífica no final da reta oposta para deixar de vez Verstappen para trás e vencer o GP de São Paulo.

Uma atuação histórica. Hamilton fez 25 ultrapassagens no final de semana. Recebeu a bandeirada das mãos da medalhista olímpica, Rebeca Andrade. A caminho do pódio parou a Mercedes, pegou uma bandeira do Brasil das mãos de um fiscal de pista e desfilou como fazia Ayrton Senna.

Interlagos foi à loucura. No pódio, Hamilton, que nunca escondeu sua admiração por Senna e usou um capacete com pintura especial em homenagem ao ídolo, se enrolou sob a bandeira verde-amarela. Foi a 101ª vitória de Hamilton, igualando as mesmas 101 vitórias que o Brasil tem na F1.

Assim como tantas outras vezes, Interlagos escreveu mais um lindo capítulo na história da F1. E lembrar que houve quem tentasse tirar a F1 desta pista para levá-la para o Rio de Janeiro.

Max Verstappen cruzou a linha de chegada em 2º, com Valtteri Bottas completando o pódio. Pérez terminou em 4º, seguido pela dupla da Ferrari, Charles Leclerc e Carlos Sainz; Pierre Gasly (Alpha Tauri) foi o 7º, com Esteban Ocon (Alpine), Fernando Alonso (Alpine), e Lando Norris (McLaren) completando os 10 primeiros.

Verstappen lidera o campeonato, mas a diferença que ontem era de 21 pontos, caiu para 14 (332,5 a 318,5), restando mais três corridas para o final da temporada.