TEATRO ACISSP

‘Uma Boneca Chamada Coppélia’ em cartaz no Teatro ACISSP dias 4 e 5 de dezembro

Por: Roberto Nogueira | Categoria: Cultura | 28-11-2021 20:01 | 882
O diretor de teatro Kayho Rodrigues auxilia os trabalhos de Patrícia Braghini na função de diretor artístico
O diretor de teatro Kayho Rodrigues auxilia os trabalhos de Patrícia Braghini na função de diretor artístico Foto: Divulgação

O show vai começar. Nos dias 4 e 5 de dezembro o Teatro ACISSP, em São Sebastião do Paraíso abrirá suas portas para receber o espetáculo “Uma Boneca Chamada Coppélia”. A atração está marcada para às 20 horas, com um elenco de quase 100 integrantes, que estão nos últimos preparativos para a grande apresentação.

Em 2.021 a Saltare Ballet Patricia Braghini apresenta o espetáculo “Uma Boneca Chamada Coppélia”. O trabalho é baseado no ballet de repertório: Coppélia.  Trata-se de um balé cômico-sentimental com coreografia original de Arthur Saint-Léon, com libreto de Charles Nuitter, e música de Léo Delibes. A apresentação se baseia no fantástico conto de E.T.A. Hoffmann intitulado “Der Sandmann” (“O homem da areia”) publicado em 1815. O balé estreou em 25 de Maio de 1870 na Ópera de Paris, com Giuseppina Bozzachi no papel principal. A Saltare Ballet Patrícia Braghini nasceu dia 1 de junho de 2020.

A paraisense Patrícia Bra-ghini começou os estudos de ballet com três anos de idade e nunca mais parou. Praticou até os 18 anos em Paraíso. Aos 19 anos foi para Ribeirão Preto (SP) onde estudou por seis anos consecutivos no Studium Carla Petroni. Ela fez curso técnico para professora de ballet, jazz, contemporâneo e sapateado. Em seu currículo consta a realização de vários cursos e apresentações em festivais. “Dancei e estudei em Londres em 2011. Em 2015 voltei para Paraíso para exercer o ofício de professora”, relembra.

De acordo com Patrícia Braghini este será seu primeiro espetáculo com a Saltare Ballet e também a estreia como diretora geral. “A responsabilidade é grande, mas os palcos fazem parte da minha vida há 28 anos, como bailarina e coreógrafa. Coppélia será um marco na minha carreira, além do início das atividades da Saltare”, aponta.

A expectativa são as melhores possíveis. “Está sendo uma experiência incrível e desafiadora, tenho certeza que meus bailarinos, bailarinas e espectadores irão sentir a magia que o espetáculo transmite. A dança é mágica, nela expressamos todos os nossos sonhos e sentimentos apenas com movimentos do corpo, transbordando amor, sintonia e paixão, então, não tem como não ser perfeito”, define. 

Conforme o diretor teatral Kayho Rodrigues este é um espetáculo para todo o público. “Toda a população desde crianças, jovens, adultos e idosos e amantes da arte e da cultura podem prestigiar”, diz. No elenco são cerca de 90 participantes, todos de Paraíso. “São bailarinos, atores e artistas, além de várias pessoas envolvidas nos bastidores e na organização do evento”, conta.  Os protagonistas serão interpretados por Livia Araújo, como Swanilda; Bruno Corsi, como Franz; Priscila Grazielle como Coppélia e Kayho Rodrigues como Doutor Coppélius.

Kayho está auxiliando nos trabalhos de Patrícia Braghini, na função de diretor artístico. “Tem sido uma experiência maravilhosa. É minha primeira experiência com o ballet”, descreve.

O que não faltam são elogios à colega de trabalho. “A Patrícia é uma profissional muito competente, tem uma formação e trajetória admirável, sou muito grato pelo convite. Essa parceria só podia resultar em sucesso”, comemora.

Com a chegada dos dias das apresentações as expectativas só aumentam. “Estamos todos muitos ansiosos e apaixonados por esse trabalho, além da alegria de estar podendo voltar aos palcos depois desse período de restrição e com a esperança de dias melhores”, finaliza.