POLEPOSITION

Retrospectiva em quadros

Por: Sérgio Magalhães | Categoria: Esporte | 08-01-2022 06:29 | 2088
Verstappen sobe no carro para comemorar vitória em Mônaco
Verstappen sobe no carro para comemorar vitória em Mônaco Foto: AP

A Red Bull postou vídeos nas redes sociais em que o chefe Christian Horner e Max Verstappen caminham pela fábrica, em Milton Keynes, na Inglaterra, analisando quadro a quadro a retrospectiva da temporada 2021 que consagrou o holandês como novo campeão da F1.

A primeira parada é lá no começo quando Verstappen percebeu que tinha carro para brigar pelo título, ao colocar o modelo RB16B pela primeira vez na pista de Silverstone para um shakedown (teste para sentir se tudo estava ok com o carro): “Estava incrivelmente quente, e lembro-me que embora não pudéssemos usar os pneus de corrida, tive a sensação de que estávamos no caminho certo”, recorda Verstappen.

Em Mônaco, numa corrida desastrosa para a Mercedes em que Hamilton não passou de 7º e Bottas teve o pit stop mais longo da história da F1 em que a porca da roda dianteira direita só foi retirada dois dias depois na fábrica da equipe, Verstappen assumiu pela primeira vez a liderança do campeonato. Era a 5ª etapa do ano: “Mônaco não fazia parte das minhas melhores lembranças, nos últimos anos sempre deixei alguma marca nos guardrails de lá, mas quando você está liderando, e o carro responde bem, é tudo questão de concentração”, disse.

A parada sobre o quadro do Azerbaijão dá uma pausa: Horner lembra que Verstappen deve uma cerveja a Pérez, e elogia o companheirismo da dupla da Red Bull. “Era para ser uma dobradinha nossa, não fosse o estouro do meu pneu”, recorda o campeão.

Outro ponto alto da retrospectiva é em Zandvoort, GP da Holanda, de voltou ao calendário no ano passado depois de 35 anos. Casa cheia, arquibancadas coloridas de laranja, e Horner lembra do barulho ensurdecedor que vinha das arquibancadas. “Me perguntei como consegui mover toda aquela paixão”, diz Max, ao que Christian Horner o elogia: “E você estava lá com controle total da situação, foi uma grande corrida”.

Verstappen venceu em casa e abriu três pontos de vantagem para Hamilton antes de os dois se chocarem em Monza, quando a Red Bull do holandês aterrissou sobre o cockpit da Mercedes do inglês num acidente tão bizarro quanto perigoso entre os dois no GP da Itália.

E a conversa prossegue. Eles lamentam que a Honda esteja deixando a F1 depois de voltar a conquistar um título Mundial desde a época de Senna. “Adoro esse motor, eles fizeram um trabalho extraordinário, e se não fosse o acidente de Silverstone (quando Hamilton tocou rodas com Verstappen que foi arremessado contra a barreira de pneus) teríamos terminado a temporada com apenas três motores”, exalta Verstappen.

Horner enaltece que o Mundial foi emocionante para a Honda que está orgulhosa de bater recordes, e que vai presenteá-la com o carro que correu na Turquia com as cores branco e vermelho em homenagem à Honda, que seria o layout a ser usado no Japão que foi substituído pelo GP da Turquia por causa da covid.

Não podia faltar a festa que foi o GP do México, e Verstappen, vencedor da corrida, disse ter ficado feliz em ver o companheiro Pérez no pódio. E com sorriso no rosto, Horner lembra da euforia do pai do mexicano: “Quando o carro foi içado lentamente ao pódio, pensei que o pai de Sergio iria dentro”. Antonio Pérez vibrou como poucas vezes se viu um pai de piloto festejar um pódio do filho na F1.

Por fim, Verstappen lembra que jamais poderia imaginar um final louco como o de Abu Dhabi. “Se me dissessem antes como seria, eu temeria um ataque cardíaco”, e Horner elege Sergio Pérez como “ministro da defesa”, pela forma com que defendeu a posição contra os ataques de Hamilton, o que foi fundamental para que Verstappen se sagrasse campeão.