INPAR

Inpar tem novo presidente

Silvio Carvalho se apresentou à  Câmara e disse que maior desafio ainda é a questão financeira do Instituto
Por: João Oliveira | Categoria: Cidades | 16-11-2017 07:11 | 3059
Silvio Aparecido Carvalho foi eleito novo presidente do Inpar em reunião que aconteceu na últma semana
Silvio Aparecido Carvalho foi eleito novo presidente do Inpar em reunião que aconteceu na últma semana Foto de ASSCAM

O novo presidente do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de São Sebastião do Paraíso (Inpar), Sílvio Aparecido de Carvalho, foi à sessão da Câmara  onde se apresentou e comentou sobre o principal desafio para Instituto: lidar com o "gargalo financeiro existente". Silvio, que é servidor público de carreira, contador da Prefeitura, foi indicado a ocupar o cargo pela Câmara e venceu a eleição para formação de nova diretoria ocorrida na última semana. 
Ele agradeceu a diretoria  anterior do Instituto e ao Sindicato dos Servidores Públicos, e comentou que sua linha de trabalho é técnica e de dar total transparecia a suas ações. "Estamos levantando os valores, apurando dados e tudo isso vai constar em ata. Já tivemos reunidos com o prefeito quando comunicamos que todas as informações serão levantadas. Todo mundo sabe que a maior dificuldade do Instituto é a financeira", disse.
O vereador Vinício Scarano parabenizou a nova diretoria e disse que a responsabilidade é muito grande porque além dos servidores da inativa, o Instituto também representa os servidores da ativa que optarem pelo regime próprio de previdência. Ele citou o trecho de um livro onde diz que o plano de previdência público é um problema em todas as esferas do país e que a "má gestão desses regimes ao longo dos anos, aliados a excessivos benefícios que já foram e muito reduzidos e a expectativa de vida da população, faz com que a imensa maioria das previdências públicas trabalhe com déficit, devendo os tesouros, nacional, estaduais e municipais realizar complementação no pagamento das aposentadorias onerando fortemente os orçamentos". 
Ele seguiu sua leitura destacando ainda que com isso, "o risco de que no futuro os entes públicos sejam incapazes de arcar com a previdência de seus servidores como é feito hoje, notadamente com garantia de aposentadoria com salário integral. Assim, é necessário que os municípios iniciem a revisão dos seus sistemas previdenciários, sendo a adoção de regime de previdência complementar uma prática considera desejável".
"Isso é para se ter uma noção da responsabilidade que vocês estão assumindo. Eu, desde que entrei na política, uma coisa que eu não gosto é a conversa fiada", destacou. O vereador se mostrou indignado ao citar "possíveis conversas" de que Silvio teria sido indicado pela Câmara para "ser contra o prefeito" e pediu para que o servidor mostre com seu trabalho que é responsável, competente e merecedor de onde está e que lute pelo Instituto.
Silvio disse que a luta não será apenas dele e contará com apoio da Câmara, Executivo e servidores da ativa e inativos. "Ao longo dos meus 44 anos eu consigo segregar as coisas, uma coisa é a questão pessoal outra é a questão institucional, não tenho interesse nenhum em prejudicar ou complicar a vida de ninguém e nem teria condições para isso. O Inpar nada mais é que um braço da Prefeitura e o trato com ela é apenas institucional. A minha questão é apenas de transparência e gosto muito de registrar as coisas", destacou.
Jerominho também parabenizou o novo presidente e a equipe. Citou a seriedade da instituição e as dificuldades enfrentadas por ela. Ele também agradeceu ao presidente anterior e a forma como os trabalhos foram conduzidos. O vereador José Luiz das Graças também fez agradecimentos à diretoria anterior e desejou sorte a nova. O vereador Lisandro lembrou sobre o debate que tem envolvido projeto do Executivo de venda de terrenos que teria renda revertida ao Inpar. Ele pediu que isso fosse esclarecido, já que é um debate de longa data dentro da Câmara dos Vereadores. 
Marcelo de Morais, comentou que este projeto estava tramitando na Câmara e que o prefeito estaria falando que parte do dinheiro desses terrenos seria aplicado no Inpar para aliviar as despesas do município, que assim teria recurso para investir em outras necessidades.
"Precisamos sentar com vocês porque um estudo prévio que fiz em relação ao orçamento 2018 notei algumas falhas. Gostaríamos, posteriormente,  de nos reunir com vocês para que possamos verificar essas falhas numéricas e debater também essa questão dos terrenos. Não adianta vender um patrimônio do município, repassar esse valor e o problema cair no seu colo daqui 10 meses. Precisamos nos organizar tanto para que o prefeito fique respaldado pela lei, quanto nós e que, principalmente, os aposentados não sofram consequências", destacou. Uma reunião deve ser realizada entre o Legislativo e Inpar para debater esses assuntos.
Silvio voltou a ressaltar que o grande desafio do Instituto será lidar com a questão financeira. Segundo destacou, hoje a folha bruta do Inpar é de cerca  R$1,2 milhão e cresce R$15 mil a cada mês. "O Instituto não tem reserva financeira, não fabrica receita, tudo vem da Prefeitura. É uma coisa automática; eu disse isso para o prefeito, se o aposentado bater aqui e não tiver o dinheiro, ele vai bater na porta da Prefeitura. O aposentado não quer saber de muita conversa, quer saber do pagamento dele", completou.