NATAL 2017

Expectativa do comércio para o Natal é de crescimento, avalia especialista

Por: Bruno Félix | Categoria: Comércio | 12-12-2017 15:12 | 5418
O presidente da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de São Sebastião do Paraíso Dr. Ailton Rocha Sillos
O presidente da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de São Sebastião do Paraíso Dr. Ailton Rocha Sillos Foto de Reprodução

Para o chefe interino da Divisão Econômica do Conselho Nacional do Comércio (CNC), Fábio Bentes, este Natal deve ser o melhor em quatro anos. De acordo com análise da CNC, o crescimento deve ser de 4,3% nas vendas de fim de ano em relação a 2016 e a queda da inflação, dos juros e do desemprego alimenta expectativa dos varejistas, que devem, ainda, contratar mais trabalhadores temporários.
O estudo reflete no município que, conforme destaca o presidente da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de São Sebastião do Paraíso, Ailton Rocha de Sillos que está esperançoso para este ano. "O Natal deste ano vai ser melhor, porque as tendências da economia estão melhorando também. Estamos aguardando como ficarão as questões das reformas que o governo tem feito, porque tudo pode mudar, dependo do que for decidido", avalia.
De acordo com o especialista da CNC, a flexibilização da legislação trabalhista deve favorecer a manutenção de cerca de um quarto dos 73,1 mil cargos temporários a serem criados neste fim de ano. A CNC prevê ainda uma taxa de efetivação de 27% desses empregados. "É uma consequência da reforma. Claro que a nova lei vai demorar um pouco para pegar, mas  aumentará  o apetite do varejista em contratar", diz Bentes.
A expectativa da Associação Comercial em Paraíso é que a data também seja propícia à recuperação. "Se as reformas forem aprovadas, será um alívio para os empresários, que começam a acreditar um pouco. Também estamos aguardando crescimento, mas de olho no Congresso para ver o que irá acontecer. Porém, segundo os estudioso da economia, se não houver mudanças estruturais, não teremos resultados positivos, mas estamos esperançosos", completa Ailton Sillos.