ÁGUAS

Secretarias analisam águas em comunidades rurais de Paraíso

Por: Roberto Nogueira | Categoria: Agricultura | 22-12-2017 11:12 | 16065
Trabalho feito nas associações rurais aponta necessidade de preservação das nascentes
Trabalho feito nas associações rurais aponta necessidade de preservação das nascentes Foto de Reprodução

As secretarias municipais de Desenvolvimento Agropecuário e a de Meio Ambiente da Prefeitura de São Sebastião do Paraíso confirmaram a realização dos primeiros exames laboratoriais das águas nas comunidades rurais dos bairros da Faxina e Mercês. O trabalho é uma parceria que envolve o município e a empresa Olam Cofee Exportadora, a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e a Associação Comercial, Industrial, Agropecuária e de Serviços (Acissp). O projeto prevê uma série de ações para melhorar as condições de vida dos moradores da zona rural de São Sebastião do Paraíso.
A parceria celebrada pela exportadora e a Prefeitura envolve o desenvolvimento de ações de sustentabilidade e responsabilidade nos aspecto ambiental, social e econômico. Os primeiros encontros foram realizados no início de outubro com produtores e moradores das comunidades rurais das associações das Mercês e da Faxina, quando aconteceram treinamentos com profissional de coaching abordando a autoestima do produtor e sucessão familiar do agronegócio café, alem de cursos de degustação, classificação de café e custo de produção, ambos ministrados pelo Senar.
Conforme a secretária Yara de Lourdes Souza Borges, o objetivo é desenvolver atividades que visam conscientizar os produtores em relação a responsabilidade ambiental. "Trata-se de um projeto integrado, em vários aspectos, com vertentes relacionadas a preservação de nascentes, análise da potabilidade e vasão das águas e construção de fossas sépticas", explica.
Serão realizadas ações de consultoria em algumas propriedades, trabalhando questões relacionadas a custos e tratos culturais, que são passos importantes para o processo de certificação. Também acontecerão treinamentos de segurança do trabalho e uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). Todo o projeto contemplará ações direcionadas para o campo econômico, social e de meio ambiente. Em novembro, a Copasa efetuou a coleta de amostras de águas nas propriedades. "Já temos os primeiros resultados e aguardamos a contra prova para que possamos entregar o material aos produtores", diz Yara. A secretária afirma  que a partir dos dados coletados é que serão tomadas as providências. "Vamos levar soluções para os casos onde for necessário, com ações que vão desde a proteger as nascentes, recuperar a Área de Preservação Permanente (APP)", comenta.
Ela explica ainda que, através dos resultados, é que será decidido quais os locais receberão as fossas sépticas. Equipe da Secretaria e dos demais parceiros do projeto começaram a demarcação dos locais. "Este também é um marco desta administração, um trabalho que estamos desenvolvendo em conjunto com a participação das secretarias de Desenvolvimento Agropecuário, de Meio Ambiente, da Saúde, além do setor de Vigilância. É um avanço muito significativo que tem o apoio total do prefeito Walker Américo", anuncia a secretária.
Os parceiros aguardam também um parecer da Copasa em relação a análise das águas. "É uma empresa que tem o knowhow sobre os procedimentos que devemos tomar, por isso a razão desta ação conjunta", descreve. A busca de soluções e o trabalho coletivo são um dos pontos principais do projeto. "É uma parceria e é fundamental estarmos juntos, produtor, empresas, a Prefeitura e as demais colaboradores. Este é o princípio desta administração, parceria para trabalharmos juntos e, assim, termos soluções eficientes", finaliza a secretária.