3D

Impressão 3D ganha espaço e se torna importante ferramenta para cursos da Libertas

Por: João Oliveira | Categoria: Tecnologia | 07-07-2018 08:07 | 2243
Foto de Reprodução

O desenvolvimento das tecnologias tem permitido às mais diferentes áreas do conhecimento avanços antes inimagináveis como, por exemplo, a tecnologia de impressão 3D, que permite que projetos que antes ficavam apenas armazenados em modelos tridimensionais no computador, passassem a ser impressos, ganhando vida. Há pouco tempo a Libertas Faculdades Integradas adquiriu um modelo de impressora 3D que tem feito a festa dos alunos da instituição e permitindo um conhecimento muito amplo e muito mais rico no campo da computação gráfica.
Conforme o professor do curso de Sistemas de Informação, Pedagogia e Diretor de Marketing da Libertas, mestre Gilberto Pereira Salgado Junior, o professor Giba, a tecnologia de impressão 3D está cada vez mais barata e acessível ao público, oferecendo uma  gama de materiais, desde metais até tecidos sintéticos permitindo fabricar por conta própria praticamente qualquer objeto. Segundo destaca o professor, a evolução é tão constante que no campo médico já existe a chamada “bioimpressão”, no qual a tecnologia é capaz de imprimir órgãos.
“A impressão 3D traz uma mudança de paradigmas no sentido mercadológico, por exemplo, hoje, quando se compra um software da Amazon, pode-se escolher entre recebê-lo numa caixa em alguns dias ou simplesmente baixá-lo e rodá-lo imediatamente. Outros serviços oferecem a mesma escolha em relação à música: um CD na semana que vem ou faixas digitais agora. Mas com a impressão 3D um dia essa possibilidade talvez se estenda aos bens físicos. Ao invés de imprimimos nossas próprias fotografias em casa, podemos também imprimir o porta-retratos”, avalia.
São inúmeras as aplicabilidades da impressão 3D, conforme destaca o professor Giba. Segundo ele, a tecnologia de impressão 3D não é nova, sendo que há 10 anos as impressoras 3D custavam em torno de trinta mil dólares e possuíam uma aplicação bastante limitada a indústrias de grande porte. “Essas primeiras impressoras usavam raios laser para transformar polímero líquido ou em pó em plástico duro, na forma desejada. Com a evolução da tecnologia e democratização do conhecimento, é possível comprar  por menos de mil reais uma impressora 3D de qualidade ou até mesmo adquirir as peças separadas e montar a sua própria”, destaca.
Em relação à aplicabilidade caseira da impressora 3D, o professor destaca que são infinitas as possibilidade, pois a pessoa pode ter uma “fábrica” de objetos, tendo em vista que a impressora é capaz de converter bits em átomos em sua própria casa, ou seja, transformar um projeto gráfico armazenado no computador em um modelo impresso em 3D. “Um uso caseiro comum pode ser vislumbrado da seguinte forma: imagine que você precise comprar uma peça para o seu carro, ao invés de ter que ir até a loja, você pode baixar o arquivo 3D da peça e imprimi-la em casa mesmo”, cita.
Conforme Giba, o curso de sistemas de informação da Libertas já possui um longo currículo na área de computação gráfica, 3D e modelagem. “Adquirindo a impressora, será possível transferir o que é modelado em sala digitalmente para o mundo real. O uso da impressora não será limitado apenas aos cursos ligados à tecnologia, pois também pode ser amplamente usada em cursos como Administração, a fim de criar protótipos de produtos que podem vir a ser inseridos no mercado”.
De acordo com o professor e coordenador do curso de Sistemas de Informação, mestre Alysson A. Naves Silva, a aquisição desta nova tecnologia pela Faculdade poderá ser estendida a outros cursos, dentre eles Enfermagem como, por exemplo, para a impressão de órgãos; os alunos de Engenharia Civil poderão, por exemplo, utilizar a impressão 3D para projetos de construção civil; os alunos de Sistemas de Informação poderão utilizá-la para a impressão de modelagens 3D feitas na disciplina de Computação Gráfica como também de peças para robôs para a disciplina de Robótica e Automação.
“Estamos finalizando as políticas de uso da impressora 3D pelos alunos da Libertas e quem sabe poderíamos no futuro abrir para o uso da comunidade paraisense. As possibilidades que a impressão 3D traz são muitas. Por exemplo, em 2019, a Holanda deverá inaugurar um condomínio todo construído com uma impressora 3D. É uma aplicação que poderá melhorar a condição de vida de muitas pessoas pois além de adequar as necessidades dos moradores, o custo é bastante reduzido. Em resumo, o número de aplicações da impressão 3D é enorme e vai de acordo com a necessidade e a criatividade”, completa Alysson Silva.