LOTAÇÃO MÁXIMA

Com lotação máxima, Prefeitura estuda alternativas para Cemitério da Saudade

Por: João Oliveira | Categoria: Cidades | 10-04-2017 09:13 | 6524
Foram construídas outras duas fileiras de túmulos, próximo à avenida prevista em projeto
Foram construídas outras duas fileiras de túmulos, próximo à avenida prevista em projeto Foto de Vasco Caetano Vasco/Jornal do Sudoeste

Há cerca de um ano, o Jornal do Sudoeste publicou matéria abordando como tema a preocupação de vereadores com a situação de superlotação do Cemitério da Saudade. A época, o “JS” publicou levantamento divulgado pela administração do cemitério, que mostrou que a quantidade de sepultamentos vinha crescendo gradativamente nos últimos oito anos, período em que se iniciaram os levantamentos. A assessoria de comunicação da Prefeitura informou que foi montada uma comissão para estudar o caso.
De acordo com a assessoria, o município tem ciência da situação e vem realizando um estudo de levantamento de espaço no cemitério para poder atender a demanda do município. Segundo informa, há muitos túmulos que estão abandonados e que já não recebem mais atenção das famílias.
“Criamos uma comissão junto a Secretaria de Obras que irá fazer o estudo da área; inclusive, já existem ferramentas tecnológicas que facilitam esses estudos”, informou o assessor Luiz Fernando de Souza. No entanto, a aquisição de uma nova área para ampliação do cemitério é uma questão que não está sendo cogitada. “O município, por hora, não tem condições nenhuma de realizar a aquisição de um novo terreno para essa finalidade; além da questão financeira, existe toda uma questão ambiental envolvida”, completou.
LEVANTAMENTO
Conforme números divulgados pela administração do cemitério, a quantidade de sepultamentos veio crescendo gradativamente nos últimos oito anos. Em 2008, foram totalizados 417 óbitos, o que representa uma média de 34,7 ocorrências por ano. Passados oito anos este número cresceu significativamente. 
O recorde foi em 2012, com o registro de 42 casos, sendo que somente no ano de 2015 foram contabilizados exatos 500 óbitos. Ainda em 2015, a média de óbitos por mês foi de 41,6, situações o que corresponde a 1,3 por dia. No ano passado, o total de sepultamentos representou leva queda, chegando a 492 enterros; já este ano os números já estão em 92 sepultamentos. Num comparativo com o mesmo período do ano passado, em relação a janeiro, fevereiro e março, esses números também apresentaram queda.