SEGURANÇA LAGOINHA

Frequentadores pedem mais segurança e conservação no Parque da Lagoinha

Por: Sebastião Tadeu Ribeiro | Editoria: policia | 28/02/2017 | Visualizações: 80

Vândalos arrancaram todas as lâmpadas que iluminava esta cobertura sobre a passarela - Foto de Sebastião Tadeu Ribeiro

Amedrontadas e bastante preocupadas, algumas pessoas frequentadoras e que vão fazer caminhadas e usufruir de aparelhos na academia de ginástica ao ar livre no Parque da Lagoinha no anoitecer, procuraram o Jornal do Sudoeste para solicitar que a prefeitura conserve melhor o local, e aos órgãos de segurança que tomem providências sobre alguns fatos preocupantes que têm ocorrido naquela área.

 

O Parque da Lagoinha é um dos cartões postais, uma das sete maravilhas de São Sebastião do Paraíso, mas conforme alega, e com total razão um dos reclamantes,  está se tornando perigoso frequenta-lo, principalmente depois das 21 horas, pois, na verdade tem sido ponto de encontro de usuários e traficantes de drogas.

 

Outro frequentador afirma estar preocupado e triste, porque a maioria dos usuários de drogas e bebidas alcoólicas, são adolescentes. “São muitos e chegam “em nuvens”, é assustador. Tem uns que são novinhos, até parecem crianças”, completa.

 

Conforme narrativa dos reclamantes, a coisa piora ainda mais nos finais de semana a partir de sextas-feiras indo até domingo. “Usuários entram para a quadra de futsal, para a casinha onde há sanitários, e na casinha parecida com quiosque, bem no meio da passarela, e ficam até altas horas, onde rola de tudo”, segundo um frequentador do local que disse ter presenciado até ato sexual. Por motivo de segurança, ele solicitou não fosse identificado. Há mais ou menos três semanas vândalos quebraram e arrancaram lâmpadas da casinha na passarela.

 

Além disso o Parque da Lagoinha está com vários locais bastante escuros, postinhos com lâmpadas queimadas, o que facilita a presença e ação de mal intencionados, alertam os reclamantes.

 

Um deles sugere ao prefeito Walker Américo, ao secretário municipal de Segurança e a Polícia Militar: Bem em frente para a rua Dr. Placidino Brigagão existe um quiosque (próximo à lanchonete) que está desocupado e pertence a prefeitura, local que pode ser usado como posto policial, justamente com Guardas Municipais, inclusive no período noturno.

 

Com a presença constante de guardas será inibida a presença de vândalos e usuários de drogas e provocar insegurança aos frequentadores, sugere.

 

A preocupação não é apenas somente com eles (frequentadores) mas com a saúde e o futuro e a própria vida de adolescentes, jovens e seus familiares. “Há sim uma forma de pelo menos diminuir este descalabro que está acontecendo, basta a união de forças das forças de segurança, Executivo, Legislativo, autoridades do Judiciários da Vara da Infância e Juventude, Conselho Tutelar.

 

A população está ciente o que é necessário para prevenir o que pode acontecer de pior com jovens, principalmente punir traficantes e investir no tratamento de dependentes, porque familiares não estão conseguindo “doutrina-los”. Autoridades precisam agir na prevenção, educação e punição”, acrescenta.

 

Quando de sua visita ao Brasil o Papa Francisco disse que “traficantes são mercadores da morte”

 

Não é necessário ser especialista para saber que o uso de drogas provoca danos irreparáveis, à saúde de dependentes químicos, e, por extensão a seus familiares. Além disso muitos ingressam no mundo do crime cometendo pequenos delitos, furtos em suas próprias casas, latrocínios e outras demoníacas barbaridades que ceifam suas vidas e de outras pessoas, proporcionam desgastes, angústias e doenças para familiares mais próximos.

 

Além da segurança, frequentadores solicitam ao prefeito Walker Américo para que o Parque seja melhor cuidado. Sugerem a pintura de grades e passarelas, melhor limpeza e iluminação. 

GRÁFICA E EDITORA DR LTDA

  • Av. Monsenhor Mancini, 212 - Sala 1
    Centro - São Seb. do Paraíso, MG
    CEP: 37950-000
  • E-mail: jornalsudoeste@yahoo.com.br
  • Website: www.jornaldosudoeste.com.br
  • Telefone: (35) 3531.1897