• CRÔNICA da CIDADE •

A Mentira da Vida

Por: Dr. Olavo Borges | Editoria: cultura | 03/02/2018 | Visualizações: 1908

- Foto de Reprodução

“O coração feminino jamais envelhece; quando cessa de amar é porque cessou de bater” Pierre Gassendi

 

Relendo “Versos, ainda que seja outono” de Fúlvia Carvalhaes de Freitas, é que entendemos melhor o pensamento de Gassendi: o coração feminino, em matéria de amor, jamais envelhece. Mesmo quando  passa por todas as estações do ano, mesmo  quando a neve do tempo, impiedosamente vai branqueando os cabelos, criando rugas na face, por onde escorrem lágrimas furtivas, lembrando de um amor que se foi ... não envelhece!
 Fúlvia, com ternura amorável, em um soneto sentimento da separação, com cores de frustração e de saudades, compondo obra prima, com moldura de cristal, onde rosas trescalam perfume de reminiscências, mas com espinhos ferindo levemente ... vale a pena transcrevê-lo:

 

A MENTIRA DA VIDA
E passaram-se dias, meses, anos
sem a felicidade perceber - nos 
Quanta coisa se disse, quanto engano
existiu entre nós, por tolos sermos...

Primavera, verão, outono, inverno,
vencemos a caminho do futuro,
agarradinhos, num arrulho eterno,
alimentados pelo amor mais puro ...

Se acaso separássemos - que dias!
Que solidão! Que horror! Que triste alarme!
“Jamais te deixarei” - tu me dizias.
Mas num domingo frio, olhos nos meus,
tu, que juraste nunca mais deixar - me, 
tu me deixaste sem  dizer - me adeus ...”

GRÁFICA E EDITORA DR LTDA

  • Av. Monsenhor Mancini, 212 - Sala 1
    Centro - São Seb. do Paraíso, MG
    CEP: 37950-000
  • E-mail: jornalsudoeste@yahoo.com.br
  • Website: www.jornaldosudoeste.com.br
  • Telefone: (35) 3531.1897