ELY VIEITEZ LISBOA

Doença Perigosa

Por: Ely VIeitez Lisboa | Editoria: cultura | 12/02/2018 | Visualizações: 2882

- Foto de Reprodução

Há um belo poema de um poeta francês que diz ser o mundo um imenso bosque rodeado de mistérios. De vez em quando, eles são murmurados em doce voz, muito baixa e poucos podem ouvi-los. Quem consegue isto, em geral, são os poetas, porque eles têm antenas especiais que conseguem captar tais mensagens misteriosas apenas ciciadas.
Penso que tais antenas chamam-se sensibilidade. E por que os poetas as possuem? Já se nasce poeta? Lembro-me vagamente de um miniconto de Drummond (ele tinha antenas!), que narra sobre pais preocupados, levando o filho ao médico. "Doutor, a doença é grave? Ele sofre com as dores dos seres humanos, chora quando um amigo está infeliz, só se interessa pelos livros, pelos pássaros, pelas flores, por coisas belas, tem vontade de reformar o mundo para que todos sejam felizes, adora os animais, conversa com as estrelas, sofre muito de melancolia"... O médico examinou o "doente", conversou muito com ele e deu o diagnóstico, para o desespero dos pais: "Eu sinto muito. O menino sofre de POESIA".
Há um poema famosíssimo do nosso Mago de Itabira, cujo título é "Procura da Poesia". Primeiro o grande poeta dá uns conselhos sábios: "Não faças versos sobre acontecimentos"... Não me reveles teus sentimentos", "Não dramatizes, não invoques"... "Não cantes tua cidade, deixa-a em paz"... "Não recomponhas tua sepultada e merencória infância".
Quando os poetas leem pela primeira vez tais conselhos, talvez tenham um choque. Depois o Mestre dá a grande receita: "Penetra surdamente no reino das palavras"... Sem o conhecimento delas, impossível escrever belos poemas. Ele continua, sabiamente: "Lá estão os poemas que esperam ser escritos"...  A lição é uma preciosidade: "As palavras estão lá, paralisadas, tranquilas, sem desespero"; em "estado de dicionário". O termo específico para a notável metáfora de Drummond é sentido denotativo. 
Assim, se o pretenso poeta não conhece bem todos os ricos sentidos das palavras, o texto pode virar uma arma perigosa, sem beleza alguma, porque as palavras "têm mil faces secretas sob a face neutra"... 
E o nosso Drummond, grande Mestre do lirismo, dá ainda mais uma ajuda ao Candidato a Poeta; as Palavras vão lhe perguntar: "Trouxeste a chave?".
Com o conhecimento muito bom da linguagem, rara sensibilidade, você estará apto para penetrar no Reino das Palavras e fazer um belo poema. Com as antenas especiais que deve ter, é necessário, no entanto, também estar bem aparelhado, preparado, conhecer muito bem seu "instrumento de trabalho poético", a Língua Portuguesa, enfim, ter a chave.
Se assim não for, responda-me: Para que escrever um poema com lugares comuns, ideias vulgares, repetidas, gastas, chavões sem nenhuma criatividade? Talvez eu esteja dando uma de São João Batista e pregando no deserto. A culpa é do Carlos Drummond de Andrade. Quem mandou ser um Poeta tão bom, tão notável? Inclino-me humildemente diante dele.


(*) Ely Vieitez Lisboa é escritora.
E-mail: elyvieitez@uol.com.br

GRÁFICA E EDITORA DR LTDA

  • Av. Monsenhor Mancini, 212 - Sala 1
    Centro - São Seb. do Paraíso, MG
    CEP: 37950-000
  • E-mail: jornalsudoeste@yahoo.com.br
  • Website: www.jornaldosudoeste.com.br
  • Telefone: (35) 3531.1897