ELY VIEITEZ LISBOA

As grandes dúvidas

Por: Ely VIeitez Lisboa | Editoria: entretenimento | 10/06/2018 | Visualizações: 1502

- Foto de Reprodução

Há dúvidas que incomodam. Vão e voltam sempre, sem respostas. O que é realidade, por exemplo. De perto, no presente, os fatos parecem ser vivos e reais. Com o passar dos anos, depara-se com nova face dos acontecimentos, totalmente mudados pelo tempo. Então, qual é a verdade? O que é falso? 
Analisando a questão percebe-se que a proximidade do fato é como tentar ver um quadro, uma pintura, de muito perto. Ver-se-ão apenas borrões, com uma visão totalmente distorcida, os contornos ficarão comprometidos. É preciso certo distanciamento para apreciar um quadro, uma gravura. Provavelmente, na vida se dá o mesmo. 
Outro argumento convincente é a insciência humana. Não se conhece o amanhã, nem mesmo o futuro próximo. Ora, talvez esta seja a explicação mais coerente para comprovar a tese inicial. 
Quando se está vivendo um episódio, um fato, pode-se conhecer só a sua gênese, a origem dos acontecimentos. No presente,  aos poucos vai se desenrolando o script, sucedendo as cenas. Na vida, como na literatura, o final pode ser em clímax ou em anticlímax, isto é, o fim que se espera, ou uma frustração, diante do possível epílogo.  Ora, na literatura os grandes autores usam as duas mencionadas técnicas. Machado de Assis parece preferir o anticlímax, com términos inesperados, pessimistas, às vezes até niilistas.  Alguns dos maiores autores de nossa literatura, como Osman Lins, também tinha preferência pelo anticlímax. 
Na vida real, quando se está vivendo o presente, não se conhece o final da história. Assim, belos romances vulgarizam-se, quando não viram dramas ou farsas grotescas. Às vezes o vivido tem até happy-end, quando Deus inebria-se de lirismo. Vezes outras, os próprios heróis da história misturam papéis, fazem tolices e azedam a receita. 
Algo, no entanto é certo: para se avaliar se o espetáculo de nossa existência foi bom, só com o distanciamento do ocorrido saber-se-á se vale a pena aplaudir, ou chorar lágrimas inúteis. Fecharam-se as cortinas, não há mais público, apagaram-se as luzes. 
Nas coxias restam só os frustrados artistas que, às vezes, terão a oportunidade de participar em outra peça. Senão, é a aposentadoria compulsória.


(*) Ely Vieitez Lisboa é escritora.
E-mail: elyvieitez@uol.com.br

GRÁFICA E EDITORA DR LTDA

  • Av. Monsenhor Mancini, 212 - Sala 1
    Centro - São Seb. do Paraíso, MG
    CEP: 37950-000
  • E-mail: jornalsudoeste@yahoo.com.br
  • Website: www.jornaldosudoeste.com.br
  • Telefone: (35) 3531.1897