TERRA NOSTRA

Sobrenome Mambrini

Por: Manolo D´Aiuto | Editoria: cultura | 05/08/2018 | Visualizações: 1925

- Foto de Reprodução

Cari amici, esta semana queremos levá-lo à origem do sobrenome Mambrini, que na Itália é difundido como Mambrin.
Como prova de como o povo italiano é um povo com grande número de imigrações, as nações onde esse nome é mais difundido são:  Argentina, Itália e Brasil.
O sobrenome tem origens venezianas, especificamente na província de Padova (Pádua em italiano).
A imigração veneta na virada das duas guerras mundiais é a que mais influenciou o fluxo imigratório em direção ao Brasil, trazendo consigo muitas das tradições presentes hoje na terra verde amarelo.
Segundo a Eneide Virgiliana, a cidade nasceu da mão de Antenore, o príncipe Troiano (Virgil, Eneide, 1, 247 - 249), no ano 1185 aC, uma tradição que faz de Pádua uma das cidades mais antigas da península e a mais antiga da região de Veneto. 
Embora a fundação é lendária dados arqueológicos confirmaram a origem antiga da cidade, desenvolvida entre o décimo terceiro e décimo primeiro século aC. e ligado à civilização da antiga Veneti.
O nome Pádua deriva do latim Patavium habitantes do pântano.
A cidade foi uma das capitais culturais do século XIV, lembre-se entre todos, o ciclo de Giotto para a Capela Scrovegni, que fez da cidade o nó crucial no desenvolvimento da arte ocidental.
O esplendor artístico do século XIV foi um dos frutos do grande fervor cultural favorecido pelo senhorio dos Carraresi, que fez de Pádua um dos principais centros de pré-humanismo.
Em Pádua, entre o século XIV e o século XV, desenvolveu-se um imponente currículo cultural dedicado ao velho, concomitantemente a Florença, que mudará na Renascença de Padova e influenciará a equipe artística de toda a Itália setentrional do século XV.
Desde 1222, tem sido a sede de uma universidade de prestígio que está entre as mais antigas do mundo.
Pádua é rica em museus e locais de arte, um verdadeiro museu ao ar livre onde caminhar e se perder, talvez desfrutando de um aperitivo que aqui se chama Spritz um coquetel à base de Bitter água com gás  e  Prosecco.
O risoto é o mestre desta região, cozido em mil versões e variações.
A rainha é a galinha Padovana, uma raça nativa conhecida em todo o mundo que é caracterizada pela crina típica na cabeça.
Também é muito comum a caça de aves, cuja a carne é utilizada no salame de Veneto.
Os bolos são maravilhosos posso citar algumas receitas: Sgriesolona ou rosegota ou bolo sbrisolona. Bolo redondo, com cerca de um cm de altura, particularmente duro e quebradiço, feito com farinha de milho, amêndoas sem casca e picada, manteiga, ovo vermelho, açúcar, coberto com uma folha de pasta de amêndoa. 
Smegiassa. Doce nativo da cidade de Chioggia produzido com farinha de milho, farinha de trigo, água, açúcar, mel, passas, figos secos, casca de laranja, conhaque, abóbora assada no forno. 
Ainda há muitas coisas para contar sobre esta bela cidade, talvez menos conhecida do que a vizinha Veneza, mas não menos fascinante.
Deixo como curiosidade, o trabalho de Shakespeare, Megera Domada que foi inspirado em Pádua, o escritor descreve: 
“ Para o grande desejo que eu tive que ver
justo Pádua, berçário das artes, eu sou bom ...
e estou a Pádua, como aquele que sai 
um plissado raso para mergulhar nas profundezas, e
com saciedade procura saciar sua sede”
Ed ora amici alla prossima puntata che ci porterà alla scoperta di un’altra perla nascosta.

GRÁFICA E EDITORA DR LTDA

  • Av. Monsenhor Mancini, 212 - Sala 1
    Centro - São Seb. do Paraíso, MG
    CEP: 37950-000
  • E-mail: jornalsudoeste@yahoo.com.br
  • Website: www.jornaldosudoeste.com.br
  • Telefone: (35) 3531.1897