CONSTRUÇÃO

O que muda com as novas regras para aderir ao Minha Casa Minha Vida

Governo promete maior acesso ao programa com o reajuste das faixas de renda e do limite de financiamento. Mas famílias precisam planejar bem para não entrar numa fria

Por: Redação | Editoria: cidades | 12/04/2017 | Visualizações: 205

- Foto de Reprodução

As regras foram anunciadas, e agora as famílias precisam ficar atentas para o que vem por aí no maior programa de acesso à casa própria no Brasil. A promessa do governo federal é de maior acesso ao Minha Casa Minha Vida (MCMV) depois do reajuste das faixas de renda e também do limite de financiamento. A expectativa é um número maior de residências sendo custeadas, com estímulo para a construção civil. Mas as novas regras não dão nada de graça nem fazem mágica.
— Comprar imóvel é algo que se faz com planejamento. A prestação tem de caber dentro do orçamento. Porque será um parcelamento de muitos anos — alerta o educador financeiro Adriano Severo.
Agora, famílias com ganho mensal de até R$ 9 mil poderão ter acesso ao financiamento pelo programa, que contempla uso do FGTS e tem condições mais vantajosas do que o crédito imobiliário tradicional. Até então, o limite era de R$ 6,5 mil. 
— Mais gente, que antes tinha de financiar a juros altos, poderá se enquadrar no programa. Vai ser importante para o mercado, mas não será um impacto tão grande — avalia o corretor de imóveis Murialdo Crescêncio, especializado no MCMV.
Outras faixas de renda também tiveram reajuste. Para se enquadrar na Faixa 1,5, a renda total da família precisa ser de até R$ 2,6 mil. Antes, esse limite era menor, de R$ 2,35 mil. Na faixa 2, agora é preciso ter renda de até R$ 4 mil, não mais de R$ 3,6 mil. Na prática, houve um reajuste de 7,69% nos limites antigos. Para se enquadrar na Faixa 1, as famílias seguem tendo de receber até R$ 1,8 mil.
Também foi aumentado o valor máximo dos imóveis que podem ser incluídos nas operações com FGTS. Em Porto Alegre, de R$ 200 mil passará a R$ 215 mil. Mas, segundo o Ministério das Cidades, existe a possibilidade de um aumento de 25% nos valores do teto dos imóveis.
Isso significa que, para a renda familiar mais alta dentro do MCMV, poderão ser enquadrados imóveis avaliados em até R$ 140.000,00. Para quem ganha menos, a alteração dos valores de subsídio também é uma novidade, com descontos maiores. Na Faixa 1,5 passa de R$ 14.500,00 mil para R$ 15.290,00.
— Digamos que será o empurrão que faltava para quem já vinha se planejando. Acredito que atraia mais quem já tem casa e queria se mudar para alguma maior, ou quem já vinha pagando aluguel há muito tempo e queria a casa própria — afirma Murialdo.
As mudanças estão previstas para entrar em ação imediatamente, a partir da publicação da Resolução do Conselho Curador do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). 
AS NOVAS REGRAS DO MINHA CASA MINHA VIDA
Novos limites de renda familiar:
• Faixa 1: permanece em R$ 1,8 mil
•  Faixa 1,5: de R$ 2.350 para R$ 2,6 mil
•  Faixa 2: de R$ 3,6 mil para R$ 4 mi
•  Faixa 3: de R$ 6,5 mil para R$ 9 mil
•  Valor máximo para imóveis financiados com recursos do FGTS em Porto Alegre: de R$ 200 mil para R$ 215 mil. Pode chegar a R$ 268 mil para a Faixa 3.


Quem sai mais beneficiado:
• Famílias com renda entre R$ 6,5 mil e R$ 9 mil têm o maior empurrão para a casa própria.
•  Agora, dentro da Faixa 3, podem obter financiamento no MCMV com juros entre 8,16% e 9,16%.
•  Fora do programa, as taxas praticadas variam entre 10% e 14%.


Exemplo:
– Uma família que financiava o valor de R$ 200 mil (taxa de 12% ao ano) pagaria em 30 anos o total de R$ 564 mil.
• Na nova regra, dentro da Faixa 3, a soma em 30 anos pelos mesmos R$ 200 mil seria de R$ 476 mil (taxa de 9,17% ao ano). Uma diferença de R$ 88 mil.
• Podem haver outras taxas e custos. 


Reajuste nas outras faixas:
• Já eram atendidas pelo MCMV, mas também ganham com as novas faixas.
• Quem está na Faixa 1 pode receber subsídio de 90% do valor do imóvel.
• Na Faixa 1,5, o benefício máximo passa de R$ 14.500,00 para R$ 15.290,00, com 5% de juros ao ano. 


No MCMV, você NÃO PODE:
• Ser dono ou ter financiamento de imóvel residencial ativo.
• Ter recebido benefício de outro programa habitacional do governo federal.


Avaliação consciente:
• É a hora de comprar imóvel?
• Se você ainda não planejou, não é o momento de fazer a compra.
• A decisão depende de como estão as finanças da família. 


Responda aos seguintes questionamentos:
• Quanto pode suportar de prestação?
• Quanto pode dar de entrada?
• Tem reserva para as despesas extras?
• Do que está disposto a abrir mão durante o período de financiamento?


Avalie a renda:
• É preciso um diagnóstico completo.
• Você não deve comprometer mais do que 30% da renda com a prestação.
• Para isso, por um mês, anote todas as despesas da casa, da conta de luz até o pãozinho da padaria.
• Você saberá, assim, qual o percentual que sobra da renda e onde é possível cortar.
•Com esses números na mão, haverá condição de avaliar: 
– Quanto tempo para adequar a renda a uma prestação de imóvel?
– Quais despesas posso e estou disposto a cortar?
– Quanto tempo preciso para conseguir fazer uma reserva para outros gastos, taxas do banco e impostos do imóvel?
• Começando do zero, esse processo leva, pelo menos, um ano.


Para ficar atento aos imóveis Novo ou em construção:
• Não feche negócio sem conhecer a localização do novo ou futuro imóvel.
• Cobre o memorial descritivo do imóvel. Nele estão os detalhes do apartamento e do condomínio como áreas oferecidas e materiais usados.
• Confira também o histórico da construtora. Entrega no prazo? Há muitas queixas?

GRÁFICA E EDITORA DR LTDA

  • Av. Monsenhor Mancini, 212 - Sala 1
    Centro - São Seb. do Paraíso, MG
    CEP: 37950-000
  • E-mail: jornalsudoeste@yahoo.com.br
  • Website: www.jornaldosudoeste.com.br
  • Telefone: (35) 3531.1897