DOS LEITORES

Indignada, desabafo

Por: Redação | Editoria: doleitor | 20/05/2017 | Visualizações: 899

- Foto de Reprodução

Pascoalina C. Souza- ( Linah Biasi)


Uma das chagas do poder público é quando os indivíduos que lá estão, buscam interesses  que estão mais pro lado da alimentação da vaidade do que daquilo que realmente beneficiaria sem custos, uma grande parte da população.
Vejam bem. Montar um circo de pulgas...
Um circo de pulgas é um show espetacular. Atrai multidões em segundos. Fascina olhares curiosos em pouco tempo, arranca fundos de investimentos dos bolsos dos espectadores com uma facilidade exponencial.
Montar um circo de pulgas é muito fácil. É um empreendimento que não carece de projeto ou licitação. Afinal de contas, não há leis que se apliquem às pulgas, não há regras que controlem sua função. O esforço máximo é juntar as pulgas, que são fartas por aí, e treiná-las no picadeiro, o que é tarefa cognitiva muito simples, já que as pulgas são muito espertas.
Há os que acreditam. Há os que realmente veem as pulgas pulando de um trapézio a outro, sendo arremessadas ao céu por um canhão.   Embora haja os que duvidem, todos, sem exceção, aplaudem!   Todos votam! Todos pagam!
A gestão do circo de pulgas demanda do administrador a habilidade da ilusão. Precisa dominar com maestria o ilusionismo.  Manipular a ilusão, pulando a mão daqui e dali nos espaços do picadeiro público e arrecadar seus vinténs, que nunca vão aparecer ou pular em prestações públicas de contas. A própria prestação de contas é também uma ilusão.  As pulgas trabalham, mesmo não sendo vistas, mas o mérito é sempre do manipulador.
Na esfera pública, quaisquer departamentos podem servir de lugar para montar um picadeiro. Vamos tomar como exemplo o departamento circense de nossa cidade, ops, digo, o departamento de Cultura Paraisense.
As pulgas em questão, no caso pessoas bem reais, se desdobram para tentar organizar os serviços da cultura em Paraíso...
Deixarei registrado agora, a minha indignação acerca de uma jovem senhora, que não mediu esforços anos a fio, porque eu, Pascoalina C. Souza ( Linha Biasi ), sou testemunha e acompanhei pessoalmente seu esforço para se especializar até chegar, por mérito próprio, ao título de Facilitadora de Projetos Culturais e Articuladora Cultural. Ela esteve a um passo de inserir São Sebastião do Paraíso no sistema Nacional de Cultura, com políticas públicas, democráticas, fazendo uma parceria entre União, Estado e Município. Com a participação dos artistas e população paraisense, através da criação de um Conselho Municipal que se chamaria Conselho Municipal de Políticas Públicas Paraisense, totalmente transparente, indo de encontro com os anseios da população, com a união de cabeças pensantes.
Isso só não aconteceu por picuinha política. Coisa de gente de cabeça pequena... 
Essa jovem a quem me refiro, é Cínara Caetano Vanone. Ela que começou anos atrás como voluntária, propiciando a implantação de aulas de música no município, juntamente com o executivo e a Secretaria Municipal de Educação...
Ela, que conseguiu aprovação de projetos que muito beneficiou nossa cidade, simplesmente foi jogada pra fora do citado departamento e desprezada, literalmente, sendo humilhada e mandada de um lugar pra outro, até se cansar e pedir férias e muito provavelmente, afastamento...
Para nosso prefeito, sua vice, a quem fui pessoalmente pedir um olhar especial para a Cinara, uma funcionária concursada e efetivada, para pedir simplesmente que a deixasse trabalhar naquilo que ela mais sabe e ama fazer e, juntamente com os vereadores, nada fizeram a favor dela.
As pessoas que ali, na Casa da Cultura, trabalham e se desdobram para garantir a qualidade e efetividade do serviço, poderiam andar com passos mais largos se conseguissem através de leis de incentivos culturais como o Fundo Nacional de Cultura, Lei Estadual de Cultura, dentre outras parcerias empreendedoras, dependendo do Executivo, apenas aprovação.
Estou por entender como podem ser tão cegos ou então, se deixarem mover por vingança política, egoísmos, ciúmes e vaidades, que desejando atingir um alvo, errando este de muito longe, perdendo assim, benefícios para a população.
Desfazer de uma capacidade capaz de trazer a custo zero, inúmeros benefícios a cidade e também, nem cogitar a abertura de uma secretaria só para a Cultura, pois a cidade já comporta isso, para melhor captar recursos que atrairiam inúmeros benefícios a centenas de estudantes e a população em geral, eu realmente não entendo. 
Cínara viu os projetos pelos quais era responsável serem manipulados, os recursos desviados e seus méritos direcionados a outras pulgas do circo que  tomaram para si, a glória...
Por que será que Cínara não enquadra dentro da Prefeitura? Talvez seja por ser muito capacitada e mais ainda, honesta e sincera, não abrindo mão de porcentagem para se beneficiar e muito menos a outrem, como é comum e se tornou regra nesse país.
Fica aqui registrada a minha indignação diante de tamanha injustiça e descaso a essa jovem senhora, Cinara Caetano Vanoni.
Peço a Deus vida suficiente pra vê-la realizando seus sonhos, porque nunca teve cargo de nomeação e sim de caráter efetivo, mostrando sua capacidade por puro idealismo, ser convidada e querida em algum outro espaço cultural que saberá reconhecê-la e dar-lhe o devido valor.
Cinara, jamais perca a esperança. Vá para num local onde você seja querida e nunca, suportada.

GRÁFICA E EDITORA DR LTDA

  • Av. Monsenhor Mancini, 212 - Sala 1
    Centro - São Seb. do Paraíso, MG
    CEP: 37950-000
  • E-mail: jornalsudoeste@yahoo.com.br
  • Website: www.jornaldosudoeste.com.br
  • Telefone: (35) 3531.1897