ELA por ELA

Fernanda Silva Pimenta

Por: Reynaldo Formaggio | Categoria: Entretenimento | 10-07-2022 08:28 | 1072
Fernanda Silva Pimenta
Fernanda Silva Pimenta Foto: Arquivo Pessoal

Aos 25 anos a paraisense Fernanda Silva Pimenta, engenheira química, está prestes a embarcar em uma nova etapa de sua vida. Com toda sua trajetória escolar cursada no ensino público, Fernanda embarcará muito em breve para os Estados Unidos, onde dará sequência à sua formação na Universidade do Sul da Flórida, apenas uma das diversas instituições daquele país que a aprovaram com bolsa para seu doutorado. Foco, determinação e disciplina certamente são palavras recorrentes em seu vocabulário. Filha dos produtores rurais Osmar Vilas Boas Pimenta e Eliana Maria da Silva, irmã da médica Oriane e com muitos sonhos e planos para realizá-los, Fernanda compartilha nesta entrevista sobre sua jornada e como a química pode ser uma aliada no desenvolvimento sustentável do planeta.

Fernanda, como foi sua infância? Sempre gostou de estudar?
Minha infância foi muito feliz, eu morava na zona rural de São Sebastião do Paraíso e brincava muito com a minha irmã e com os meus primos. Desde pequena eu gosto de estudar e tirava ótimas notas na escola, nunca fiquei de recuperação. Me lembro que, em vários momentos da minha formação nas escolas de Paraíso tive meus trabalhos selecionados pelos professores para participar de competições e de Olimpíadas (Matemática, Português e Astronomia).  

Por quais escolas passou? Algum professor em especial a marcou? Tinha preferência por alguma área de conhecimento?
Estudei no CAIC, na Escola Estadual Paraisense e na Escola Estadual Benedito Ferreira Calafiori. Escolas pelas quais tenho um enorme carinho e gratidão. Até hoje me lembro de todos os professores que tive e seria injusto mencionar somente um nome, pois todos foram muito especiais para mim e para a minha formação. No ensino médio as minhas disciplinas favoritas eram química, física, matemática e biologia.

Qual sua motivação ao escolher cursar Engenharia Química?
Eu escolhi cursar Engenharia Química por esse curso possuir características diferentes da licenciatura em Química (mais voltada ao ensino e aos laboratórios, por exemplo). O curso Engenharia Química inclui disciplinas típicas da Engenharia (cálculos, termodinâmica), possibilita ao aluno atuar no dimensionamento de equipamentos (bombas, trocadores de calor, centrífugas, moinhos, entre outros) e também criar do zero ou otimizar plantas industriais. Sempre gostei de desafios, queria fazer um curso que me permitisse conhecer e atuar nos processos produtivos em escala industrial e, ao mesmo tempo, aplicar conhecimentos de física, matemática e química.  

Você estudou a vida toda, inclusive sua formação acadêmica, em instituições públicas, certo? Como enxerga o ensino público atualmente?
Sim, toda a minha formação foi em escolas públicas e universidades federais. Enxergo o ensino público como um ensino de excelente qualidade. Durante a minha trajetória não senti estar menos preparada do que os alunos das escolas particulares.

Recentemente você foi aprovada para cursar o doutorado em cinco universidades dos Estados Unidos. Qual o segredo para ser aprovada com bolsa em cinco universidades e por que escolheu a Universidade do Sul da Flórida – USF?
O segredo é muito estudo, persistência e dedicação. Fazer o doutorado nos Estados Unidos era o meu sonho e eu me dediquei muito para que ele se tornasse realidade. Eu escolhi a Universidade do Sul da Flórida por ser a universidade que me ofereceu a melhor proposta de trabalho/estudo, o que incluía bolsa de 100% para estudar, salário e também seguro saúde.

Você tomou parte de diversos projetos na sua graduação como iniciação científica, monitoria, empresa júnior, inclusive voluntariado. Se envolver nestes projetos contribuíram para sua aprovação no doutorado?
Eu diria que o quanto eu cresci, me desenvolvi e aprendi ao me envolver em cada um desses projetos foi sim um diferencial. Essas experiências me ajudaram nas minhas candidaturas no exterior e, com certeza, me ajudarão nesse novo desafio.

Qual a expectativa para começar sua experiência por lá?
A minha maior expectativa é aprender cada dia mais, me desenvolver, poder aplicar o meu conhecimento para o desenvolvimento científico e para o bem da população. Trabalhar como pesquisadora em um dos países que mais investem em pesquisa me enche de felicidade. Poder contribuir para o descobrimento de coisas, que por menor que sejam, possam contribuir com melhorias para o mundo, me deixa muito feliz.  

Dentro da Engenharia Química, qual sua área de pesquisa?
Durante o meu mestrado trabalhei com o desenvolvimento de um bio-óleo produzido através de resíduos da indústria cervejeira. Gosto muito da área de energias renová-veis e catálise e pretendo continuar os meus estudos nessa área.

Como você acha que sua formação pode contribuir para a sociedade?
Acredito que através da minha formação em Engenharia Química posso contribuir com a resolução de problemas industriais, com a gestão da qualidade, com o desenvolvimento de novos produtos e novas alternativas para questões que atualmente não possuem solução ou estudos sobre.

Após concluir seu doutoramento pensa em retornar ao Brasil? Acha que esta experiência pode contribuir não apenas na sua formação como também para o desenvolvimento científico do nosso país?
Com certeza, espero poder contribuir com o meu país, difundir e aplicar todo o conhecimento adquirido através dos meus estudos. Vejo que muitas pessoas após concluir o doutoramento retornam aos seus países e ocupam posições em universidades, centros de pesquisas e acredito que essa seja uma forma de contribuir com o desenvolvimento científico do nosso país.

Como você enxerga a pesquisa científica no Brasil atualmente?
O Brasil desenvolve pesquisas que são reconhecidas mundialmente pela qualidade das mesmas. Me entristece ver a quantidade de recursos financeiros que são cortados anualmente das universidades públicas brasileiras. Nossas universidades possuem pessoas capacitadas para o desenvolvimento de pesquisas que podem mudar o futuro, descobrir a cura de doenças, gerar produtos inovadores, mas muitas vezes falta o apoio necessário e as pesquisas são encerradas. Temos mão de obra qualificada e, pela falta de apoio, muitos optam por buscar oportunidades fora do Brasil.

Seus pais são produtores rurais, certo? O que você traz deles e do campo pra sua vida?
Meus pais sempre me mostraram que nada cai do céu e tudo é fruto de muito esforço e trabalho duro. Levo esse aprendizado comigo desde pequena e acredito que ele foi essencial para que eu desenvolvesse o meu senso de responsabilidade. Meus pais são a minha inspiração e o motivo pelo qual eu almejo ser uma pessoa do bem, humilde e batalhadora. Quero ser motivo de orgulho para eles e retribuir tudo o que fizeram por mim.

Muito se fala no desafio da evolução tecnológica e os efeitos que isso pode causar no meio ambiente. Na sua visão a engenharia química pode ser uma aliada no desenvolvimento sustentável?
Com certeza, diante dos impactos no meio ambiente causados pela evolução tecno-lógica inúmeras pesquisas desenvolvidas por engenheiros químicos e por outros profissionais possuem como objetivo criar soluções sustentáveis e gerar valor para a comunidade, a famosa Química Verde. Um exemplo disso é a criação de novos produtos através de resíduos, o desenvolvimento de utensílios e equipamentos que prometem atenuar a emissão de gases estufa, o tratamento eficaz de efluentes e a criação de novos métodos de produção menos prejudiciais ao meio ambiente.

Que dica você pode compartilhar com quem aspira passar em uma universidade pública, em um concurso ou tem alguma meta que parece inatingível?
Acredito que todas as grandes conquistas possuem momentos difíceis e nem sempre acertamos na primeira tentativa, porém o mais importante é não desistir. Vejo que a determinação, a disciplina e a persistência são a chave para alcançar todos os nossos sonhos.

Fernanda, qual seu maior sonho?
Meu maior sonho era ser pesquisadora em uma universidade nos Estados Unidos e trabalhar com ciência e estou realizando-o agora. Acredito que vários novos sonhos irão surgir ao longo da minha caminhada, porém o meu propósito de vida é fazer a diferença independentemente do local que eu esteja.