CULTURA

Obras do artista Romolo Picoli adornam novo Santuário de Santa Rita em Cássia

Por: Roberto Nogueira | Categoria: Cultura | 22-05-2022 10:17 | 447
Obras de Rômolo Picoli em forma de vários ícones poderão ser conferidas no novo santuário
Obras de Rômolo Picoli em forma de vários ícones poderão ser conferidas no novo santuário Foto: Divulgação

A convite do empresário Paulo Flávio de Melo Carvalho, idealizador e responsável pelo novo Santuário de Santa Rita de Cássia, que está sendo inaugurado neste fim de semana em Cássia, Romolo Picoli é mais um artista que se dedicou a este projeto. "Quando cheguei, pisávamos ainda na terra, mas as paredes e o teto já estavam erguidos e podíamos ver os espaços onde hoje estão as minhas obras de arte", conta o artista.

Pesquisador nas áreas de arte, teologia, liturgia e espaço litúrgico, Romolo dedicou mais de um ano para a iconografia do novo Santuário. Em relação à arquitetura, será "um templo moderno, mas também clássico", com pinturas em painéis. Além disso, haverá ainda 56 vitrais com imagens de Jesus e Santa Rita de Cássia, mais sete rosáceas na cúpula.

O trabalho de Romolo Picoli no Santuário de Santa Rita iniciou-se justamente no primeiro dia de sua visita ao local, 31 de maio de 2020. "A partir de então, iniciei uma grande jornada para realizar toda a iconografia do Santuário: na oração, na pesquisa e na elaboração dos estudos, dediquei-me por mais de um ano a esta obra". A execução das obras de arte no espaço santuário iniciou-se no dia 6 de setembro de 2021 e a última pincelada foi dada no dia 16 de abril de 2022.

No Santuário, Romolo realizou o projeto do presbitério com os polos litúrgicos (altar, ambão, sédia e fonte batismal), a capela do Santíssimo sob a cúpula e as obras de arte (pinturas) nas paredes: o ciclo da Vida de Cristo (com 12 murais de aproximadamente 3,50 x 3,30m), o ciclo da Vida de Santa Rita (com 12 murais de aproximadamente 3,50 x 3,30m) e o ciclo da Jerusalém Celeste (com dois murais de aproximadamente 14 x 3 m). "Toda a proposta iconográfica é inspirada na vida litúrgica, parte da Liturgia e nela tem seu cume. A celebração litúrgica é o momento em que se dá a plenitude da vida humana, o momento do grande encontro e o lugar da troca de naturezas, no qual Deus assume o que é nosso e nos dá o que é se", declara Romolo.

Para ele, o maior desafio neste trabalho foi durante a pesquisa sobre a vida de Santa Rita de Cássia. "A maior parte das biografias que temos em português, são breves e bastante carregadas de sentimentalismo, criando uma névoa que deixa a imagem de Santa Rita sem muita definição. Depois de muita pesquisa, consegui com um amigo que estudava em Roma, o texto do Padre Lorenzo Tardy, publicado em Nápoles, em 1841, quando ainda era Beata Rita da Cascia. Essa biografia é uma das primeiras e possui uma apresentação muito profunda e sem muitos enfeites da vida de Santa Rita".

A expectativa é de que suas obras despertem um sentimento bem profundo nas pessoas. "Ao adentrar este Santuário, meu desejo é que os fiéis se sintam parte de toda a obra ali realizada: envolvido pelos lados com a vida de Cristo e a vida de Santa Rita, tendo à sua frente o ciclo da Jerusalém Celeste, os fiéis fecham o quadrado sendo o quarto lado da obra arte", comenta.

       Ele também fala da expectativa de que a obra poderá causar aos visitantes do templo. "Minha esperança é que a experiência dessas obras nas celebrações litúrgicas ajude os fiéis a serem eles também, a imagem de Cristo onde eles vivem", cita. Em seguida Romolo ressalta que, "a grande obra mesmo, nós começaremos a ver quando as portas daquele Santuário se abrirem e o Espírito Santo encher de vida as paredes e os corações daqueles que ali entrarem", finaliza.

A sagração do novo santuário está marcada para acontecer neste sábado, 21, a partir das 9 horas, com a celebração de missa presidida pelo bispo diocesano Dom José Lanza Neto. As 15 horas haverá Adoração ao Santíssimo Sacramento; às 19 horas terá missa com a benção aos voluntários. A programação do dia encerra-se às 21 horas, com show da cantora Adriana Arydes.

Romolo Picoli Ronchetti - Nasceu em Colatina (ES) e transferiu-se para São Paulo (SP) em 2001, quando ingressou no Seminário da Diocese de Santo Amaro, no qual se graduou em Filosofia e estudou Teologia (sem concluir). Em 2003 freqüentou o Curso de Iconografia Oriental na Eparquia Nossa Senhora do Paraíso (melquita), tendo o primeiro contato com a produção da arte cristã. Em 2010 graduou-se em Filosofia pela Universidade São Judas Tadeu (SP). Desde 2004 realiza pesquisas na área de Arte, Teologia, Liturgia e Espaço Litúrgico (arquitetura e arte sacra) e desenvolve projetos e obras de arte em Espaços litúrgicos no Brasil e no exterior. Em 2019 colaborou com a publicação do livro "A arte como expressão da vida litúrgica" (Pe Marko Ivan Rupnik -- Edições CNBB), realizando a tradução do italiano. Neste ano (2022) concluiu a Pós-graduação em Espaço Litúrgico -- arquitetura e sacra, pela UNISAL em São Paulo. Atualmente ilustra com suas obras a revista Vida Pastoral (Paulus) e realiza a estudos para a iconografia de igrejas em São Paulo, Paraná, Mato Grosso, Pará e Espírito Santo.