COLETA SELETIVA

Prefeitura de Paraíso encerra convênio com associação que realizava coleta seletiva

Vice-presidente da ACASSP lamenta decisão e teme pelas famílias desempregadas; secretário de Meio Ambiente se posiciona e fala sobre futuro do serviço
Por: Ralph Diniz | Categoria: Cidades | 05-11-2023 09:38 | 1052
Foto: Arquivo

A Associação dos Catadores de São Sebastião do Paraíso (ACASSP) encerrou suas operações no dia 31 de outubro, depois que a prefeitura decidiu por descontinuar o convênio existente para a realização da coleta seletiva no município. Segundo informações da liderança da entidade, o contrato iria até o mês de dezembro. Uma licitação deve ser realizada para contratar uma empresa que dê continuidade ao serviço.

Vice-presidente da ACAS SP e participante do projeto desde o seu início, em 2013, Eliana Bernardes anuncia que, junto com o encerramento do convênio, se findarão também as atividades da associação. “Não vamos conseguir pagar água, luz, aluguel e manter os seus projetos por conta de a prefeitura não querer ajudar a gente. A falta de recursos torna impossível a continuidade dos nossos serviços”.

A vice-presidente também expressa desapontamento pela falta de suporte da prefeitura, enfatizando que a infraestrutura disponível - contando com apenas um caminhão em funcionamento - era insuficiente para atender a demanda de coleta seletiva do município. De acordo com ela, apesar dos esforços, a associação não conseguiu alcançar as expectativas estabelecidas pela administração municipal.

Eliana ainda aponta para a ausência de comunicação e assistência por parte das autoridades locais, citando que não houve orientações ou avisos prévios que poderiam ter evitado o encerramento das operações da ACASSP, e fez críticas à gestão atual da prefeitura por não procurar entender ou atender às necessidades da associação, e pela decisão de proceder com uma licitação para substituir os serviços anteriormente realizados pelo grupo. “Ninguém pensou em saber o que tá precisando para a ACASSP, o que a ACASSP queria”.

A vice-presidente lamenta a situação, ressaltando o impacto ambiental que a descontinuação dos serviços de coleta seletiva pode acarretar para a cidade e enfatiza que o encerramento das atividades, após uma década, significa não só o fim do convênio, mas também o encerramento trabalho de seus colaboradores. “Era o ganha-pão de dez pessoas, o sustento de dez famílias. Agora, estamos todos desempregados. Não sei o que vai ser de nós”, conclui Eliana.

 

SECRETÁRIO DE MEIO AMBIENTE SE POSCIONA

Diante das afirmações da vice-presidente da ACASSP, Eliana Bernardes, sobre o término das operações da associação, a Secretaria Municipal do Meio Ambiente, sob a gestão de Renan Jorge Preto, apresenta seu ponto de vista. O secretário defende a decisão do governo municipal, explicando que a associação funcionava como uma prestadora de serviço e que as expectativas quanto à eficiência não estavam sendo atendidas. “Verdade é essa, o serviço não tinha a eficiência que a gente esperava”, afirma Renan.

O secretário ressalta o compromisso da prefeitura com a eficiência no serviço público e relatou que, apesar do apoio anteriormente concedido à ACASSP, inclusive com a disponibilização de dois caminhões, o serviço de coleta seletiva ainda recebia inúmeras reclamações diárias. “Era frequente, para não falar diário, atendimento de telefonemas na secretaria”, relata, citando que a associação frequentemente alterava rotas de coleta sem informar a pasta e a comunidade.

Renan também detalha incidentes específicos, como o fechamento do portão da associação em dias úteis sem aviso prévio, o que prejudicou a entrega dos recicláveis coletados pelo município em diversas situações, “inclusive durante a campanha educativa ‘Gincana Sustentável’, quando nós, independente da ACASSP, conseguimos recolher 11 toneladas de material nas escolas da cidade”.

Além disso, Renan Jorge Preto informa sobre as medidas que a prefeitura pretende adotar para assegurar a continuidade e a eficiência da coleta seletiva na cidade.

“Estamos preparando um novo programa de coleta seletiva”, anuncia, esclarecendo que o plano é reformular as rotas e a frequência de coleta, e implementar o rastreamento dos veículos para melhorar o serviço. A prefeitura tem como objetivo atender toda a zona urbana do município pelo menos uma vez por semana e confirma que informará a população assim que o novo programa estiver pronto para ser lançado.

Complementando os planos futuros para o serviço de coleta seletiva, o secretário acrescenta detalhes importantes sobre os procedimentos que estão sendo adotados após o rompimento com a ACASSP. “A gente já tem um edital de credenciamento aberto através do CIDASP (Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Sustentável), para credenciar um terceiro para fazer esse trabalho”, disse Renan, explicando a possibilidade de tanto entidades do terceiro setor quanto empresas privadas assumirem o serviço de coleta.

Ainda segundo o secretário, a abertura do edital representa uma mudança significativa na operação da coleta seletiva, onde o credenciamento ficará disponível por aproximadamente um mês, buscando novos parceiros que atendam aos requisitos necessários para a prestação do serviço. “Se não aparecer [um credenciado], a gente vai assumir, vai fazer a coleta”, garante o secretário, assegurando que a prefeitura está pronta para intervir diretamente, caso seja necessário, para manter a coleta seletiva ativa na cidade.