XADREZ

Fórmula do sucesso nas aberturas de Xadrez

Por: Gérson Peres Batista | Categoria: Esporte | 20-10-2018 12:30 | 480
Gérson Peres é professor de xadrez e está prestes a completar 15 mil alunos atendidos
Gérson Peres é professor de xadrez e está prestes a completar 15 mil alunos atendidos Foto de CXSSP

Dizemos ‘abertura’ a primeira fase da partida de xadrez, onde vamos “acordar” nossas peças, despertando-as para o jogo, uma vez que nas casas onde se encontram estão inativas, adormecidas mesmo.

A abertura compreende os 10, 12, às vezes até os 15 primeiros lances.

Alguns fatores a serem levados em consideração:

Centro: casas e4, d4, e5 e d5. São os principais quadros do tabuleiro e nossas peças devem ser movimentadas visando ocupá-los.

Desenvolvimento: é tirar a peça de sua casa inicial e colocá-la no jogo, de preferência atacando as casas centrais.

Espaço: é o território. Ter vantagem espacial é ter liberdade para a movimentação das peças.

Tempo: cada lance é uma oportunidade de pôr uma peça para trabalhar. Uma jogada é um tempo que dispomos. No começo da partida as brancas dispõem de um tempo a mais.

Estes quatro fatores podem ser resumidos na seguinte fórmula do sucesso na abertura: A = CD + ET.

TIPOS DE JOGADAS
Neutra, ataque, defesa, contra-ataque e erro.

Se observamos bem as partidas de xadrez, há sempre uma correlação nos tipos de jogadas.

Por exemplo, se nosso adversário faz uma jogada de ataque devemos responder com uma jogada de defesa ou contra-ataque; para um lance neutro, devemos responder com outro neutro ou de ataque, e assim por diante.

Dicas:

A seguir, 15 dicas para ser jogar a abertura adaptadas do livro ‘Xadrez Básico’, de Orfeu D’Agostini, publicado em meados da década de 1950, e que se tornou um bestseller em língua portuguesa.

  1. Inicie a partida com o peão na frente do rei dois passos.
  2. Sempre que possível desenvolva uma peça que ameace alguma coisa.
  3. Desenvolva os cavalos antes dos bispos, especialmente o da ala do rei.
  4. Escolha a melhor casa para sua peça e ocupe-a com o menor número de lances.
  5. Movimente um ou dois peões na abertura e não mais.
  6. Não movimente a dama precocemente.
  7. Faça o roque o mais cedo possível, e dê preferência ao roque na ala do rei (roque pequeno).
  8. Jogue para obter o controle das casas centrais.
  9. Esforce para manter ao menos um peão no centro.
  10. Não movimente a mesma peça duas vezes.
  11. Evite colocar suas peças nos cantos do tabuleiro.
  12. Procure conquistar espaço para a livre movimentação de suas peças, do contrário, cairá em posições restringidas.
  13. Tente trabalhar com suas peças em harmonia (conjunto), uma colaborando com outra.
  14. Cuidado com os lances anódinos (aqueles que não objetivam nada).
  15. Não sacrifique material sem um motivo claro e imediato.

Para sacrificarmos uma peão devemos ter pelo menos uma das seguintes compensações:
- Desenvolvimento.
- Ataque.
- Impedir o roque adversário, temporária ou definitivamente.
- Desviar a atenção de uma peça inimiga, em especial a dama.