FAKE NEWS

Briga entre dois alunos no “Ditão” gravada em vídeo, gera rumores desmentidos por diretor

Por: Roberto Nogueira | Categoria: Educação | 28-07-2022 17:02 | 5482
Ameaças de massacres tem sido frequente nas escolas de Minas Gerais
Ameaças de massacres tem sido frequente nas escolas de Minas Gerais Foto: Divulgação

O diretor da Escola Estadual Professor Benedito Ferreira Calafiori, em São Sebastião do Paraíso, José Luiz Gomes, descartou rumores que a estabelecimento estivesse sob ameaça de um massacre por parte de um aluno. “Isso é fake news”, declarou. O assunto teria sido motivado após uma briga entre dois alunos na escola ocorrido na segunda-feira,25. Por questão de prevenção a Polícia Militar foi comunicada e compareceu na quarta-feira e hoje para garantir a segurança.

O Jornal do Sudoeste teve acesso a um vídeo e um áudio que circulou em algumas redes sociais sobre a briga entre dois alunos e de uma pessoa alertando para a suposta agressão que poderia ocorrer no local. As imagens mostram o desentendimento entre os alunos, sendo que um deles ficou caído entre as carteiras em uma sala de aula e foi agredido com tapas e chutes. “Eles tiveram problemas fora da escola e um deles tentou resolver a questão aqui dentro o que motivou toda esta situação que já solucionamos”, disse o diretor José Luiz.

Ao tomar conhecimento da situação a direção levou o caso ao colegiado e os envolvidos foram enquadrados pelo regimento da escola com a punição de suspensão por agressão física no interior do recinto. Um terceiro aluno, o que filmou a briga e teria divulgado as imagens, também recebeu a mesma penalidade. “A nossa escola é uma das mais conceituadas, jamais admitiremos isso aqui, estamos atentos e todas as providências serão tomadas para coibir este tipo de situação”, alertou o diretor.

“Reforçamos a atenção nas entradas e saída dos alunos” descreve José Luiz. Ele citou também que nesta quinta-feira,28, como nos outros dias a escola tem funcionado normalmente e que o clima é de tranquilidade entre todos os envolvidos na comunidade escolar.

RECORRENTE
Em Minas Gerais este tipo de situação com seguidas ameaças de realização de massacres têm sido recorrentes nas escolas do estado. A escalada destes casos segundo registros já chega a pelo menos 13 situações desta natureza somente neste ano.  Especialistas avaliam não se tratar mais de casos isolados, mas situações que devem ser analisadas no sentido de tentar a prevenção e de se evitar acontecimentos trágicos.

Em maio deste ano dois alunos foram detidos para averiguação após ter sido lançado nas redes sociais ameaça de realização de massacre em uma escola no bairro Penha. O caso mobilizou as autoridades de segurança e até o prefeito da cidade Diego Rodrigo da Silveira utilizou as redes sociais para acalmar a população que ficou assustada. Da mesma forma a ameaça foi tratada como fake news.

A SEE/MG (Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais) informa que, quando acontecem ocorrências dentro de escolas estaduais, ou em redes sociais, uma das primeiras providências a serem tomadas é acionar imediatamente os órgãos competentes, como medida preventiva de segurança. As equipes de segurança pública vão até as unidades escolares para averiguar as situações, prestar orientações necessárias e dar prosseguimento às investigações dos casos. Não sendo constatados riscos aos alunos e servidores, as atividades pedagógicas seguem normalmente.