POLEPOSITION

Eles estão irritantes

Por: Sérgio Magalhães | Categoria: Esporte | 30-07-2023 07:03 | 1298
Max Verstappen sorridente após vitória esmagadora na Hungria
Max Verstappen sorridente após vitória esmagadora na Hungria Foto: Florent Gooden / DPPI

A Red Bull conseguiu um feito inédito na Hungria. Um recorde que ficou adormecido nas estatísticas da F1 por 35 anos foi quebrado no último domingo. A sétima vitória consecutiva de Max Verstappen na temporada (9ª em 11 corridas) deu à equipe austríaca a 12ª vitória consecutiva, façanha que começou a ser escrita na última etapa do campeonato do ano passado, em Abu Dhabi, e sabe-se lá até quando vai! E assim a Red Bull tornou-se a equipe que mais venceu corridas seguidas nos 74 anos de história da F1, superando a McLaren que em 1988 venceu 11 Grandes Prêmios consecutivos entre os GPs do Brasil e da Bélgica. A sequência só foi interrompida na corrida seguinte, em Monza, quando Alain Prost abandonou com problemas de motor, e Ayrton Senna se envolveu num incidente quando se preparava para colocar uma volta no retardatário Jean-Louis Schlesser, que estreava naquela corrida substituindo Nigel Mansell na Williams que estava com catapora.

A F1 está na Bélgica neste final de semana, última parada antes das férias de agosto, e depois do massacre de Verstappen na Hungria, numa pista em que a Red Bull contrariou as características do traçado de Hungaroring, resultando numa vantagem superior a 33 segundos de vantagem sobre o segundo colocado, a maior diferença do ano, o espetacular Circuito de Spa-Francorchamps que reúne todas as características que casam bem com o RB19, projetado pelo genial Adrian Newey e guiado com a precisão de Verstappen, tudo aponta para outra vitória. E confesso que vou torcer pela Red Bull para evitar prováveis contradições já que alguns estatísticos não consideram o recorde da McLaren quebrado porque Senna e Prost venceram 11 corridas seguidas num mesmo ano, e o GP da Hungria do domingo passado foi a 11ª prova desta temporada, o que para alguns foi visto como empate, e não a quebra do recorde. 

Voltando ao GP da Hungria, não bastasse a espetacular vitória de Verstappen, nos boxes os mecânicos da Red Bull fizeram o pit stop mais rápido do ano ao trocar os quatro pneus do carro de Sergio Perez em 1s98 (um segundo e noventa e oito milésimos!), aproximando-se do recorde da F1 que pertence a eles próprios, em 2019, quando fizeram o pit stop no carro de Verstappen em 1s82, em Interlagos.

Sim, eles estão ‘irritantes’ no bom sentido da palavra, e só não estão mais porque Perez atravessou uma má fase em que ficou cinco vezes seguidas fora do Q3, o terceiro bloco da classificação, mas no domingo passado foi outro destaque do GP da Hungria e eleito o “Piloto do Dia”, em votação aberta no site oficial da F1 ao terminar em 3º depois de largar da 9ª posição numa pista difícil de ultrapassar.

Este é o terceiro de um total de seis finais de semana com sprint da temporada. É a primeira vez que Spa-Francorchamps terá uma corrida Sprint na programação do GP da Bélgica. A pista, uma espécie de montanha-russa, é a mais extensa do calendário com 7.004 metros e também com a maior variação de altitude, 102,2 metros entre a parte mais alta e a mais baixa do circuito, o que muitas vezes faz com que algum trecho esteja molhado e outro totalmente seco, já que a chuva naquela região das Ardenas é sempre um fator presente ao longo do fim de semana e neste não deverá ser diferente. Antes da Sprint de hoje, com largada às 11h30, tem a mini classificação às 7h, e o GP da Bélgica, 12ª etapa do Mundial tem a largada amanhã, às 10h, tudo ao vivo pela TV Band.

E não é só a F1 que chama atenção neste final de semana. Também na Bélgica, Gabriel Bortoleto pode se sagrar campeão da F3, penúltimo degrau da escala natural que pode levá-lo à F1. Em seu ano de estreia na categoria, o brasileiro faz um campeonato com muita regularidade e tudo que ele precisa é deixar a Bélgica com 39 pontos de vantagem sobre o 2º colocado. Atualmente ele soma 43 pontos a mais que Zak O´Sullivan.

Enquanto isso, em Londres, a Fórmula E encerra a melhor temporada de sua ainda curta história com rodada dupla valendo o título entre o inglês Jake Dennis e o neozelandês Nick Cassidy na decisão do Mundial de carros 100% elétricos. Largada da corrida 1 hoje às 13h, e da corrida 2 amanhã, no mesmo horário.