POLEPOSITION

Massa, o campeão moral de 2008. Só isso

Por: Sérgio Magalhães | Categoria: Esporte | 19-08-2023 22:09 | 2235
Batida proposital de Nelsinho Piquet mudou o caminho natural da F1 em 2008
Batida proposital de Nelsinho Piquet mudou o caminho natural da F1 em 2008 Foto: F1 / Arquivo

Felipe Massa levou adiante a promessa de ir atrás de seus direitos depois de uma declaração comprometedora de Bernie Ecclestone ao jornal alemão “F1 Insider”, de que tanto ele, na época o chefão da F1, e o falecido Max Mosley, então presidente da Federação Internacional de Automobilismo, sabiam da trapaça que ficou conhecida como “Cingapuragate”, um dos capítulos mais sujo e nojento da história da F1; E seus advogados estão movendo ação judicial por conspiração, perdas e danos morais que custaram o que teria sido o título de campeão mundial de 2008 do piloto brasileiro.

Quase 15 anos depois da trapaça planejada pelo ex-chefe da Renault, Flavio Briatore, o ex-diretor de engenharia da equipe, Pat Symonds, e executada por Nelsinho Piquet, colocando a própria vida e de outros pilotos em risco para favorecer a vitória de Fernando Alonso, o GP de Cingapura que estreava no calendário da F1 naquele ano, voltou às manchetes nesta semana.  

A Renault não fazia bom campeonato e vislumbrava no estrito traçado urbano da cidade-estado a possibilidade de vencer. Mas seria preciso mais do que uma boa estratégia para desbancar Ferrari e McLaren: Uma trapaça. E foi o que eles fizeram.

Alonso largou da 15ª posição e com menos carga de combustível no tanque (a F1 ainda reabastecia durante as corridas naquele ano). Massa liderava a prova com Hamilton em 2º e Kimi Raikkonen em 3º. Na volta 12, Alonso foi o primeiro a reabastecer. E na 13ª Nelsinho executou e combinado e bateu de propósito no muro, provocando a entrada do Safety Car. Enquanto isso, houve corre-corre nos boxes. Massa parou e saiu com a mangueira presa ao carro, arruinando sua corrida. Terminou apenas em 13º. E Alonso venceu. A vigarice funcionou como o planejado. Hamilton, sem nada a ver com isso, terminou em 2º. E o desfecho daquele campeonato todos sabem, Massa perdeu o título para Hamilton por um ponto de diferença em Interlagos numa das decisões mais eletrizantes de campeonato.

Onze meses depois do “Cingapuragate”, Piquet Jr. foi mandado embora da Renault, e seu pai, ‘Nelsão’ Piquet, resolveu botar a boca no trombone. Não fosse a demissão do filho, certamente a história teria ficado oculta. Briatore foi expulso da F1 e Symonds recebeu cinco anos de suspensão. Nelsinho ganhou a delação por entregar os bois. Alguns anos depois, Briatore fez acordo com a FIA e voltou vez por outra a frequentar os autódromos, mas não passa de persona non grata.

Ecclestone, conhecido por suas frases de efeito e polêmicas, disse que ele e Mosley tomaram conhecimento do ocorrido ainda no decorrer da temporada de 2008 e que não tomaram medidas pensando em “proteger o esporte e salvá-lo de um escândalo”. Em outras palavras, jogaram a sujeira embaixo do tapete. 

O que vai acontecer agora: Massa poderá recuperar o título? Não, é algo impossível de acontecer e são vários os fatores que levam a isso. A começar pelo estatuto da F1 que reza que depois de entregue a premiação de final de campeonato, nenhum resultado poderá ser alterado. E lá se vão quase 15 anos. Ainda que a Renault fosse desclassificada daquela corrida, Hamilton continuaria campeão. O único resultado que daria o título a Massa (não agora, mas naquela época) seria a anulação dos pontos da corrida. Mas FIA e FOM (Formula One Management) abstiveram-se. Então nada muda. Ainda que supostamente houvesse a anulação do GP de Cingapura, entraria em campo a defesa de Hamilton para manter o seu primeiro título de campeão. E uma longa batalha se estenderia pelos tribunais. E não ficaria bem a essa altura mudar a história no tapetão.

Massa está certo em rever seus direitos? Para os que acham que o “Cingapuragate” não foi a única causa da perda do título de Felipe - ele teve o motor quebrado há três voltas da vitória na Hungria, a própria mangueira presa ao carro em Cingapura, a ultrapassagem de Hamilton sobre Timo Glock há 500 metros da bandeirada em Interlagos que lhe garantiu o ponto a mais que Massa para ser campeão -, eu digo que tudo isso são acontecimentos de corrida. Então a resposta é sim, Massa foi o mais prejudicado dessa armação toda, principalmente pelas vistas grossas de Ecclestone e Mosley. As duas entidades devem muito ao piloto brasileiro que segue competindo na Stock Car.

Vai resolver alguma coisa? Aí minha resposta é não. Que graça teria ser declarado campeão 15 anos depois? O que isso mudaria em sua vida à essa altura? Quando muito, Massa será lembrado como o campeão moral de 2008.