JÚRI

Tribunal de Justiça acata recurso defensivo e reduz a pena de condenada em tribunal do júri popular

Por: . | Categoria: Justiça | 02-12-2023 00:55 | 86
Foto: Arquivo

Após ter sido submetida à sessão do Tribunal do Júri Popular em São Sebastião do Paraíso, ocorrida no dia 18 de abril deste ano, Elza Pinheiro, acusada de ter matado com golpes de barra de ferro desferidos na cabeça do seu ex-marido Eduardo Duarte, levando-o a óbito, foi condenada como incursa nas sanções do artigo 121, §1 e 2º., IV, homicídio qualificado privilegiado, sendo-lhe fixada uma pena de 11 anos e oito meses de reclusão, em regime fechado.

Irresignados, os advogados B. C. Carina e Ricardo L. P. Brigagão interpuseram recurso de apelação tendo à 1ª. Câmara Criminal do Egrégio Tribunal de Justiça de Minas Gerais, acatado o apelo defensivo para reduzir a sentença prolatada pela juíza de direito, Édina Pinto, modificando a reprimenda para oito anos e oito meses, mantendo o regime fechado e isentando-a de quaisquer custas e despesas processuais.

Ao Jornal do Sudoeste o advogado B. C. Carina informou, “que quando da leitura da sentença em plenário, sinceramente, ele achou que a digna juíza havia exacerbado na pena aplicada e que inconformado iria recorrer ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais”, o que fez e obteve sucesso na redução da pena aplicada.

Informou que pelo lapso de tempo que a cliente encontra-se presa ela já está no direito de progressão do regime para o semiaberto.