POLEPOSITION

Ufa, nem começou e já está pegando fogo!

Por: Sérgio Magalhães | Categoria: Esporte | 10-02-2024 05:52 | 857
Christian Horner, chefe da Red Bull, investigado por conduta inapropriada
Christian Horner, chefe da Red Bull, investigado por conduta inapropriada Foto: Divulgação

O campeonato nem começou, mas os bastidores da F1 fervem com tantas coisas acontecendo neste início de ano. Teve chefe de equipe demitido, outro investigado, Hamilton na Ferrari, equipe rejeitada, equipes com nomes esquisitos, caso de corrupção ameaçando GP, debandada de funcionários da FIA, contratos renovados, apresentações de carros, e há muito mais por vir.

O campeonato começa dia 2 de março, no Bahrein. Anote aí para não perder: será num sábado, em respeito ao Ramadã, período sagrado para os mulçumanos que começará esse ano no domingo. Os treinos livres serão realizados na quinta-feira (28), e a classificação na sexta-feira, 29.

Os resultados abaixo do esperado nos últimos anos resultaram na demissão do carismático chefe da Haas, Gunther Steiner, que esteve ligado ao projeto de F1 desde a estreia da equipe norte-americana em 2016. Com ele, o diretor-técnico Andrea Stella, emprestado da Ferrari, também deixou o time que será comandado pelo japonês Ayao Komatsu, então diretor de engenharia da equipe.

A poeira não tinha abaixado quando a Liberty Media anunciou que o GP da Espanha passará a ser realizado em Madri a partir de 2026 numa pista que terá uma parte fixa e outra de rua. A notícia mexeu com os organizadores de Barcelona que iniciaram reforma no Circuito da Catalunha com o intuito de também permanecer no calendário da F1 após 2026. Na esteira dos acordos, foi anunciado a renovação dos contratos do GP do Japão até 2029 em Suzuka, e o da Inglaterra até 2034 em Silverstone. 

O mistério do novo nome da Alpha Tauri causou espanto quando foi anunciado "Visa Cash App BR", que deverá ser chamada pela sigla VCABR, nome nada convencional para uma equipe de F1. Já a Sauber que nos últimos anos correu com a denominação Alfa Romeo também trocou de nome enquanto prepara a entrada oficial da Audi a partir de 2026. Será chamada "Stake" nos países em que não há restrições com casas de apostas e nos demais locais será chamada de Kirck, empresa ligada a plataforma de jogos eletrônicos.

Mas nada mais insensato do que o comunicado deselegante e arrogante em que a Liberty Media, dona dos direitos comerciais da F1, rejeitou o pedido da equipe Andretti-Cadillac, com a desculpa de que uma 11ª equipe não agregaria valor ao campeonato(???) e que a Andretti não seria competitiva.

O indeferimento do pedido da Andretti tem como pano de fundo questões financeiras. A F1 espera arrecadar em 2024 cerca de US$3 bilhões, boa parte dessa receita é dividida entre as equipes de acordo com a classificação no Mundial de Construtores, e ninguém está a fim de repartir os lucros com uma nova equipe. Há por trás também uma disputa política entre os homens da Liberty com o atual presidente da Federação Internacional de Automobilismo, Mohammed Ben Sulayem, que foi quem lançou um processo seletivo que considerou a Andrett-Cadillac apta para competir na F1, contrariando a Liberty e todas as dez equipes.

Sulayem não faz uma boa gestão frente a FIA e tem enfrentado uma debandada de funcionários da entidade, entre eles dois executivos do departamento jurídico com forte envolvimento com a F1 que pediram demissão nesta semana.

A Red Bull abriu investigação independente sobre o chefe de equipe, Christian Horner, por suposta conduta inapropriada depois de ser denunciado por uma funcionária da equipe. Até o fechamento desta coluna não havia maiores informações a respeito do caso, mas enquanto eu escrevia, rumores davam como certa a demissão de Horner caso seja comprovado culpado.

O GP de Cingapura, marcado para setembro, corre o risco de sair do calendário por suposta corrupção envolvendo os promotores do evento e um ministro do governo da cidade-estado.

Haas, Williams, Stake, Alpine e VCABR apresentaram o layout de seus carros. Os seis finais de semana que terão corrida sprint passarão a ter novo formato.

Mas nada, nada chacoalhou mais a F1 nos últimos anos do que o surpreendente e inesperado acordo de Lewis Hamilton com a Ferrari para 2025, dias após a equipe ter renovado o contrato de Leclerc que confessou ter ficado chocado com o anúncio do novo companheiro de equipe. O 2024 começou quente na F1.