FURTO DE COBRES

Polícia Civil prende 29 integrantes de quadrilha especializada em furto de cobres

Por: Redação | Categoria: Polícia | 21-02-2024 02:01 | 1447
Foto: Divulgação

A Polícia Civil (PCMG0 deflagrou na manhã desta terça-feira (20) a operação “Alta Voltagem” para cumprir 30 mandados de prisão preventiva e 24 de buscas e apreensão no município de Guaxupé. Foram efetuadas 29 prisões de envolvidos em organização criminosa na lavagem de dinheiro, furto e receptação de cobres retirados de transformadores de energia elétrica e usinas fotovoltaicas.

A investigação policial se iniciou há seis meses, em cooperação das regionais de Guaxupé e São Sebastião do Paraíso. O inquérito vinculou diversos suspeitos da organização criminosa em fatos ocorridos na região.

Foram cumpridos todos os mandados e efetuadas 29 prisões nesta manhã, sendo que de três mandados os suspeitos já estavam recolhidos no sistema prisional, por outros crimes.

A estimativa, em levantamentos preliminares, é que a organização criminosa foi responsável por prejuízos diretos na ordem de R$ 2,6 milhões, além do prejuízo social pela falta de energia em áreas afastadas da rede elétrica.

Na operação foram empenhados 120 policiais da região, além de equipes especializadas da capital, deslocadas para prestar auxílio, 35 viaturas policiais e helicóptero no apoio aéreo.

"Não obstante ao enorme prejuízo material do metal subtraído, é necessário frisar a importância da ação para o homem do campo, sendo notável que por vezes a Organização Criminosa mirava transformadores em áreas isoladas pensando ser mais fácil não serem rastreados, não obstante ao grande prejuízo que causariam aos produtores rurais que ficariam sem energia. Hoje mostramos que nenhum crime em zona rural ficará impune, e reforçamos o compromisso da Policia Civil com o homem do campo”, disse o delegado regional Fabiano Mazzarotto Gonçalves.

O delegado responsável pela Investigação, Tales de Souza Moreira, ressaltou a complexidade da investigação "Trabalhamos de forma resiliente no último ano coletando indícios pulverizados dos fatos, mas sempre com atenção máxima aos detalhes, o que foi o diferencial para conectar toda a teia criminosa desta organização que hoje se vê atrás das grades".

Os 29 presos foram encaminhados ao presídio de Guaranésia, e se encontram a disposição da justiça, e o inquérito policial entra em nova fase de apuração. (Com informações da Ass. Comunicação da PCMG)