COLHEITA CAFÉ

Segundo Dia de Campo Queridim, em São Tomás de Aquino

Por: Nelson Duarte | Categoria: Agricultura | 19-05-2024 05:02 | 1396
Foto: Divulgação

O segundo Dia de Campo Queridim, na Fazenda Monte Alegre, Serra das Araras, no município de São Tomás de Aquino foi realizado pelo engenheiro agrônomo Welington Lázaro Trevisan no dia 10 de maio, local aprazível, fazenda que foi de seu avô, Joaquim Ferreira de Aguiar.

"No ano passado foi à tarde e se estendeu para a noite. Neste ano foi de manhã, foi bem bacana, um evento não apenas para produtores de São Tomás de Aquino, pois vieram cafeicultores de Jacuí, onde tenho grande relacionamento, vieram de ônibus, além de outros municípios. Tivemos a presença de 330 pessoas", conta Wellington, popularmente conhecido como Queridim.

Foram montadas 10 estações por empresas no meio da lavoura, divulgando seus produtos é cada empresa falando de seus produtos, defensivos, tecnologias para o desenvolvimento do produtor. "É um dia de conhecimento para que o produtor aplique em suas propriedades, para poder ter melhoras no dia a dia da produção, ter rentabilidade. E só tem rentabilidade quem busca conhecimento, aplica aquilo que dá resultado.

Houve empresas na parte de químicos e várias de biológicos, que controlam pragas e doenças do café e não agridem ao meio ambiente.

Foram tratados temas sobre colheita, sobre plantio de mix (braquiária no meio das ruas de café). Antigamente a braquiária era vista como inimiga do produto, hoje ela, o trigo mourisco e várias culturas que sendo plantadas, reciclam nutrientes no solo, e depois que apodrecem fornecem para o pé de café. Melhoram a estrutura do solo, a retenção de água, conservam mais microrganismos, a lavoura sente menos a seca, explica Queridim.

O dia de campo proporcionou conhecimento aos produtores. "Eu fiz agronomia, depois mestrado em café, fiz faço cursos todos os dias estou me aprimorando em café. Mas não adianta nada eu aprender e guardar para mim. Eu graças a Deus tive oportunidade de estudar, minha família me apoiou, mas tem gente que não tem. Então quando você tem a oportunidade de adquirir e passar conhecimento, deixar um legado, e saber que a pessoa está indo bem por causa daquilo, aí vale a pena. E a intenção do Dia de Campo, é essa.

Além do dia de campo surgiu a ideia da confraternização porque o gostoso do Dia de Campo é você reunir várias cidades, e vieram pessoas de Franca, Batatais, Itamogi, Jacuí, Paraíso,  Claraval e São Tomás. Sentaram-se debaixo de uma figueira enorme, sombra maravilhosa, conversaram, trocaram ideias, informação. Foi servida uma feijoada com pessoal, ao ar livre, com música ao vivo, ressalta Queridim.

No final houve homenagem às mulheres. Foi numa sexta-feira, dia 10, e no 12 se comemorou o Dia das Mães. Homenagem para mulheres que estão na lida com o café, e pelo Dia das Mães receberam mudas de rosa uma muda de rosa e certificados.

"Foi bacana a confraternização e o conhecimento transmitido aos produtores, então, um dia bem proveitoso", conclui o engenheiro agrônomo Wellington Lázaro Trevisan, o Queridim.