CURTAS

CURTAS EDIÇÕES 2117

Por: Redação | Categoria: Acidente | 13-07-2017 09:07 | 1723
Foto: Reprodução

DE NOVO?
Na recente audiência realizada pela Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de Minas, em Paraíso, o ex-prefeito Reminho esteve presente e acabou fazendo um daqueles seus desconexos pronuncia-mentos. Arriscou a falar sobre saúde e adiantou sua intenção em novamente disputar uma cadeira como deputado estadual. É um direito que o assiste.




NO ENTANTO ...
O ex-prefeito de Paraíso, além de ter renunciado ao cargo, deixando antecipado o cargo para o qual foi eleito, deixou uma série de situações que precisam ser esclarecidas. Ele responde politicamente a muitos processos e em várias esferas, inclusive já tendo sido condenado em algumas situações, condição que poderá prejudicar suas pretensões. Isso sem contar fatos novos que ainda estão por vir ainda referente a malfadada gestão à frente da administração municipal. 




REIVINDICANDO
O prefeito Walker Américo Oliveira na semana passada esteve em audiência com o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, representando prefeitos da região, pela AMM (Associação Mineira dos Municípios) agora é a vez dos vereadores de Paraíso também rumarem para Belo Horizonte. A comitiva formada por Vinício Scarano, Cidinha Cerize, José Luiz das Graças, Paulo César de Souza, Ademir Ross e Lisandro Monteiros capitaneada pelo presidente Marcelo Morais, tem agendada nesta quarta-feira, audiência com o vice-governador Antônio Andrade.




PAUTA
Na pauta uma série de reivindicações para o município, sendo destaque para as questões relacionadas à saúde. O grupo também pretende apresentar documento com demandas relativas a pavimentação das ruas do distrito de Guardinha, recapeamento de diversas ruas da cidade, além da melhoria no aparelhamento das Polícias Civil e Militar do município, que se encontram sucateadas. As demandas do Hospital Gedor Silveira também serão debatidas no encontro que terá lugar na Cidade Administrativa. Andrade e do mesmo partido de Marcelo Morais, o PMDB.




CONFERÊNCIA
A VI Conferência Municipal de Saúde realizada nos dias 4 e 5 de julho, no anfiteatro da Libertas Faculdades Integradas definiu  propostas a serem trabalhadas para o setor nos próximos anos em São Sebastião do Paraíso. Durante o evento foram realizadas palestras e oficinas temáticas com representantes de diversos segmentos da comunidade. Também foram escolhidos os nomes dos conselheiros que vão representar a cidade na conferência estadual. A Conferência de Saúde é o fórum de debate, entre todos os segmentos da sociedade representada através de entidades, com a finalidade de avaliar a situação de saúde do município.




AMARRADO
Faz algum tempo que foi anunciado que alguns presos, falou-se entre 10 a 15, poderiam ser liberados em um programa de ressocialização defendido pelo Estado. A intenção é que os detentos de bom comportamento e selecionados sejam utilizados para prestarem serviços comunitários, em forma de remissão de pena. Em Paraíso um convênio chegou a ser celebrado entre a municipalidade e os responsáveis pelo sistema prisional, mas alguns entraves estão surgindo a todo momento impedindo que o projeto seja colocado em prática. Agora já se ouve falar que o número de presidiários a fazer parte do pretendido convênio será menor que o vislumbrado anteriormente. 




AMBULANTES
Funcionários municipais, notadamente os da Guarda, retiraram na manhã de ontem, ambulantes que vinham ocupando o centro da cidade, principalmente a Praça Comendador José Honório e suas adjacências, conforme apontou esta coluna na edição de domingo. No que pese a luta pela sobrevivência que não anda fácil neste país, é preciso se observar regras, e coibir excessos. Havia cobertas e redes penduradas em fachadas de residências, muretas e pela calçada da praça, isto sem contar outra “variedade” de vendedores e produtos. Cada um no seu devido espaço.




OUTRO LADO
Por parte da prefeitura afirma-se que a intenção é ofertar um espaço digno para quem atua no setor, inclusive aqueles que estão lotados no chamado camelódromo da Pimenta de Pádua. Também foi falado que seria oferecida as instalações do Clube Paraisense para abrigar o Centro de Comércio Popular, mas isto ainda não se concretizou. Manifestações de apoio aos ambulantes não têm faltado. Mas há de se levar em conta o interesse também de quem gera emprego, está estabelecido e paga imposto.




REMANEJAMENTO
Os prefeitos de São Sebastião do Paraíso e São Tomás de Aquino estão na mesma situação. Ambos apresentaram as suas respectivas Câmara de Vereadores projeto de lei em que pedem crédito suplementar adicional ao orçamento, as chamadas verbas de remanejamento e que costumam dar o que falar. Os vereadores aquinenses tiveram sessão extraordinária na última sexta-feira,7. Em Paraíso o assunto começou a ser conversado na segunda-feira,10, e segue na base do diálogo entre as partes. 




CARTAS NA MESA
Da reunião participaram vereadores e secretários municipais. A secretária de Gestão e Planejamento, Denise Mavel, apontou o trabalho que vem sendo realizado pela equipe técnica da Prefeitura a fim de subir para Câmara um orçamento dentro da realidade do município e destacou a necessidade dos vereadores aprovarem um remanejamento de 10% para o restante do ano. “Nós já usamos daqueles R$ 4.324.000 que foi aprovado no inicio do ano R$ 3.308.000; parece muito esse R$ 1 milhão restante, mas não é. O nosso maior problema no momento tem sido a folha de pagamento”, destacou.




INPAR
Argumentou, ainda que a Prefeitura tem efetuado pagamentos ao INPAR, relativos a dívida histórica do município para com aquele Instituto. Denise ponderou que no orçamento para 2016 aprovado pela Câmara, não há verba para esta finalidade.




DEU CORDA
Por sua vez, Marcelo Morais apresentou um estudo de uma série histórica da prefeitura desde 2010 onde, conforme ressaltou, ficou nítido que no mandato do ex-prefeito Rêmolo Aloíse houve um superávit no orçamento que fez que o município tivesse um orçamento aprovado de R$201 milhões para uma receita de R$ 160 milhões. “Com isso, a Câmara deu autorização para o prefeito gastar o dinheiro que ele quisesse dentro daqueles R$ 201 milhões. Se a prefeitura tem a dívida que tem hoje, é porque vereadores do mandato anterior deram autorização para que se fizesse isso”.