SEGURANÇA

Delegacia de Investigação e Repressão a Crimes Rurais já funciona em Paraíso

Por: Roberto Nogueira | Categoria: Justiça | 06-06-2022 09:37 | 668
Delegacia de Crimes Rurais está funcionando em Paraíso no mesmo prédio da Regional da Polícia Civil
Delegacia de Crimes Rurais está funcionando em Paraíso no mesmo prédio da Regional da Polícia Civil Foto: Arquivo

A Delegacia Especializada em Investigação e Repressão a Crimes Rurais (Deicra), de São Sebastião do Paraíso, criada a partir da Resolução 8.218, de 28 de abril de 2022 está em funcionamento no município. A informação é do delegado titular da 4ª Delegacia Regional, Tiago Bordini que confirmou que a unidade está em funcionamento e integra o 18º Departamento da Polícia Civil, de Poços de Caldas. "O delegado titular é o Dr. Leandro Zucoloto que já está atuando no combate aos crimes rurais e roubos de cargas em nossa cidade e região", disse.

Tiago Bordini completa dizendo que chegou-se a cogitar a implantação da Delegacia Rural na sede do Sindicato Rural em um espaço que foi cedido. No entanto, por questões de logísticas a área cedida não foi aprovada pela diretoria da Polícia Civil em Belo Horizonte.

"O local demandaria uma reforma muito grande e algo que poderia demorar muito mais tempo. Entendemos também que haveria uma divisão que poderia ser prejudicial, optou-se por manter o serviço aqui mesmo", comenta.

Ele frisa que a Delegacia Rural já foi instalada e está em funcionamento na própria sede da regional. "Ela não foi inaugurada, mas o pessoal está trabalhando. Na próxima semana teremos uma reunião para saber destes detalhes sobre este aspecto, teremos uma data para esta divulgação" finalizou o delegado Regional.

Informações divulgadas dão conta que desde a criação da primeira unidade no estado, com a implantação da delegacia com sede em Belo Horizonte, os indicadores apontam para uma queda de 17,81% nas ocorrências de crimes no setor. O comparativo é válido para o período dos primeiros quatro meses de 2022, em relação ao mesmo período do ano passado.

Em novembro do ano passado, foram inauguradas quatro delegacias especializadas no combate a crimes rurais em Minas Gerais: em Araxá, Uberaba, Uberlândia e Frutal. Vale destacar que, além das unidades especializadas no setor rural, todas as unidades policiais da Polícia Civil do estado (PCMG) atendem aos 853 municípios mineiros e têm competência para realizar o registro de ocorrências e investigação criminal. Além dessas quatro, no último mês de abril, foi inaugurada a unidade de São Sebastião do Paraíso.

"Fico muito feliz com os frutos do nosso trabalho", disse o deputado Antonio Carlos Arantes. O parlamentar lembrou ter sido ele o autor da indicação da verba de R$ 500 mil destinada para o início dos trabalhos com aquisição de mobiliários e equipamentos. Também por intermédio do parlamentar foi feita a indicação de uma caminhonete 4x4 para a unidade.

Ainda conforme o delegado regional trata-se de um passo muito importante para o melhor atendimento da população rural, não só no nosso município como em toda região.

Titular na Deicra, em Belo Horizonte, o delegado Delmes Feiten, diz que realmente houve um aumento nos furtos, o que não desmerece o avanço no combate a crimes nos últimos anos.  Ele atribui a crescente onda de crimes praticados contra o homem do campo ao fenômeno chamado de interiorização do crime, que envolve o deslocamento das quadrilhas e organização para a área rural, principalmente para o furto de animais. Em contra-partida Feiten cita o endurecimento das ações policiais e assegura que há um fortalecimento no combate a crimes, com redução em roubos e invasões a fazendas, principalmente como resultado do trabalho de investigação e inteligência da Polícia Civil.

DESAFIOS
Dentro da modalidade crimes contra o patrimônio estão os furtos de animais, máquinas agrícolas, outros acessórios e bens. Minas trabalha em parceria com outros estados fronteiriços. A ação possibilita o compartilhamento de informações e atuações conjuntas. Uma das maiores dificuldades enfrentadas refere-se ao baixo número de contingente, mas o delegado Feiten afirma que há espaço para crescer. "O efetivo sempre pode melhorar", resume. A malha viária do estado é a maior do país e não é fácil cobrir toda a extensão de fronteiras e limites de territórios.

Se por um lado o crime é organizado e muitas vezes até sofisticado a polícia tem buscado aparelhar e se equipar para igualar as forças com o serviço de inteligência e apoio dos produtores rurais. Mesmo os municípios que não possuem delegacias especializadas, não estão desprotegidos.

"Nas localidades onde não existe formalmente instaladas uma Delegacia Rural especializada na investigação e repressão aos crimes rurais, há delegacias de crimes contra o patrimônio. Ainda que o nome delegacia de crime rural não esteja efetivamente instalado naquele local, não quer dizer que a apuração e resposta da Polícia Civil frente aos crimes rurais ali não exista. Todos as delegacias do nosso interior combatem, de forma perene e permanente, os crimes rurais", conclui Feiten.