EROSÃO MGC 491

Mais de um mês depois de erosão na MGC 491 motoristas têm medo de transitar pela via

DER-MG não tem previsão de obras para conserto. Motoristas passam pelo trecho mais de uma vez por dia e com as chuvas frequentes temem que o aterro ceda por completo.
Por: . | Categoria: Transporte | 08-03-2023 09:01 | 1464
Foto: Arquivo

Por Sônia Souza

O motorista de van, André Marcolino, 43 anos, transporta passageiros todos os dias no trajeto que começa em Santo Antônio da Alegria passa por Itamogi e termina em São Sebastião do Paraíso. Ele passa duas vezes por dia no trecho do km 7 da MGC 491 que está parcialmente interditado desde o dia primeiro de fevereiro, depois que uma erosão derrubou parte do aterro da pista. Marcolino conta que no dia do ocorrido foi um transtorno, já que quando precisa desviar do trecho tem que andar 40 quilômetros a mais, sem falar da alteração de horários.

Depois ele voltou a transitar pela via, que teve uma parte liberada, mas não está tranquilo. “Dia após dia é visível que tá piorando, se continuar do jeito que tá que não vai dar mais, ainda mais se continuar a chuva. Ali é bem movimentado, o tráfego de caminhão pesado é muito grande. O certo era interditar, não sabe como tá a situação por baixo.” afirma.

Marcolino trabalha há 15 anos como motorista transportando profissionais de saúde, e em todo esse tempo passando pela BR 491 nunca tinha visto uma situação assim, e está preocupado por não ver nenhuma movimentação que sinalize o reparo da via. “Eu passo ali duas vezes por dia e não vejo ninguém olhando. Do jeito que deixou, ficou”, relata, sobre nunca ter visto profissionais fazendo obras ou vistoriando o local. 

A insegurança de Marcolino é partilhada por outros motoristas e moradores da região. E as grandes dúvidas são: quando as obras de reparo vão começar e por que um desvio alternativo não pode ser feito.

Nós questionamos o DER -MG (Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais), responsável pela via, que afirmou através de nota que “DER-MG segue monitorando diariamente a parte baixa (saia) do aterro que erodiu. A Defesa Civil de São Sebastião do Paraíso além de manter contato permanente com o Departamento, também tem feito o monitoramento do local, sem alertar para nenhum tipo de risco”.

Mas quem precisa passar pelo trecho não está tranquilo. Aparecido Carmo, 75 anos, sitiante que também passa diariamente pela rodovia, segue apreensivo: “Eu vou e volto todo dia da roça, com essa chuvarada caindo dá medo de desbarrancar tudo. E eu fico preocupado porque é muita gente que passa ali, muitas vidas. Muitos ônibus cheios de passageiro. E eu tenho impressão que o aterro continua desbarrancando, mas a gente depende das autoridades pra arrumar, né?!”

Nós questionamos o DER-MG quanto a previsão das obras, a grande demanda de quem tem medo de que algo pior aconteça, o DER-MG afirma que “para definir qual a solução deverá ser adotada na recuperação definitiva do aterro, técnicos do Departamento irão realizar levantamentos de topografia e sondagem”. Questionados sobre quando isto será feito, o DER-MG afirma que não tem previsão de visita técnica.