POLEPOSITION

Mercedes dá um passo à frente. Ferrari um passo atrás

Por: Sérgio Magalhães | Categoria: Esporte | 11-06-2023 08:45 | 1314
George Russell fez grande corrida de recuperação na Espanha com o novo pacote de atualizações da Mercedes
George Russell fez grande corrida de recuperação na Espanha com o novo pacote de atualizações da Mercedes Foto: Mercedes / Divulgação

Depois de uma sexta-feira cabulosa em que Lewis Hamilton temeu não chegar ao Q3, o último bloco da classificação de sábado para o GP da Espanha, a Mercedes teve uma corrida promissora. Hamilton largou da 5ª posição e andou a maior parte das 66 voltas da prova em 2º, posição em que recebeu a bandeirada. George Russell largou de 12º depois de um erro na classificação, fez ótima prova de recuperação e terminou em 3º, marcando o primeiro pódio duplo da equipe no ano.

Nos boxes, alívio da Mercedes. Com o cancelamento do GP da Emilia Romagna por conta das chuvas na região de Imola, a Mercedes correu em Mônaco com o revisado modelo W14, mas não era a pista adequada para ter uma noção de como seria o comportamento do carro com o extenso pacote de atualizações, incluindo uma nova suspensão dianteira e sidepods, agora deixando de lado o malsucedido conceito ‘zero sidepod’ aquelas minúsculas caixas laterais de entrada de ar para os radiadores que a Mercedes insistiu no projeto que desde o ano passado deixou claro que era uma barca furada.

A prova de fogo seria o Circuito da Catalunha, uma espécie de campo de prova para as equipes de F1 por reunir todos os tipos de curvas de baixa, média e alta velocidade, retas longas e de consumo alto de pneus. Reza que o carro que anda bem na pista de Barcelona vai bem em qualquer outra pista, e a Mercedes saiu da Espanha com um saldo positivo ao superar a Aston Martin no Mundial de Construtores (152 a 134) e assumiu a vice liderança, embora 135 pontos atrás da Red Bull, um abismo, mas aí é assunto para outra coluna já que a equipe austríaca segue imbatível.

Mas enquanto a Mercedes deu um passo à frente, a Ferrari deu um passo atrás. O final de semana da Ferrari na Espanha é para ser repensado. O carro é veloz numa volta lançada, mas inconstante em ritmo de corrida. Carlos Sainz largou da primeira fila do grid, mas despencou na corrida e terminou apenas em 5º, sem nenhuma chance de brigar com as Mercedes e nem com a outra Red Bull de Sergio Pérez, cruzando a linha de chegada 45s atrás do vencedor, Verstappen. E Charles Leclerc seguiu pagando os seus pecados sem entender o que se passava com seu carro que no sábado teve comportamento estranho impedindo-o de avançar para o Q2. Na corrida, Leclerc largou dos boxes e não conseguiu alcançar o pelotão da frente, terminando apenas em 11º, sem pontuar pela terceira vez na temporada.

Fred Vasseur, chefe da equipe, admitiu que a Ferrari está lutando para entender a falta de consistência que tem sido o tendão de Aquiles do modelo SF-23 que sofre com o excessivo desgaste de pneus. A Ferrari ocupa a 4ª colocação no campeonato de construtores com 100 pontos, 34 atrás da Aston Martin, uma diferença que poderia ser maior se Lance Stroll tivesse sido mais consistente e pontuado com regularidade como Alonso.

Se o pacote de atualizações da Mercedes mostrou o caminho a ser seguido, o da Ferrari não deu sinais de colocar a equipe nos trilhos a curto prazo. Mas o GP da Espanha chamou atenção também para o desempenho da Aston Martin que vem sendo a queridinha do campeonato, mas pela primeira não teve ritmo na corrida com Alonso tendo o pior resultado do ano, em 7º. O espanhol deu um puxão de orelhas na equipe ao dizer que “enquanto Mercedes e Ferrari estão atualizando seus carros com muitas coisas, nós não, e hoje vimos o efeito disso”.

Lá na frente, em velocidade de cruzeiro e sem nenhum contratempo, Max Verstappen segue aumentando suas estatísticas ao vencer pela 40ª vez na carreira, a 5ª no ano em sete corridas e disparando na liderança do campeonato com 170 pontos contra 117 do vice, Sergio Pérez.

UMA JOVEM SENHORA DE 100 ANOS
Tem 24 Horas de Le Mans neste final de semana, uma das pontas da tríplice coroa do automobilismo - as outras são o GP de Mônaco e as 500 Milhas de Indianápolis. A prova completa 100 anos e terá transmissão na íntegra pelo canal do Bandsports no YouTube, e com janelas na TV. A largada acontece neste sábado às 11h, e a chegada amanhã no mesmo horário.