OPINIÃO

A dívida de Minas

Por: . | Categoria: Do leitor | 20-03-2024 00:02 | 47
Foto: Arquivo

Manoel Hygino

O cidadão me confessou ter medo de ler as notícias de jornal quando se referem às dívidas de Minas. De um dia para outro, os números crescem espantosamente, e se fica sem saber que se leu a notícia com correção, se a entendeu bem ou se houve algum equívoco na compreensão do texto.

Recorro a um dos diários do domingo, 10 de março deste 2024, ano de eleições municipais no país. Eis: "A dívida pública de Minas Gerais já chega a quase R$ 171 bilhões, de acordo com dados da própria Secretaria Estadual da Fazenda (SEF), que atualizou recentemente os débitos do Estado. Esse valor pode até ser maior, pois os números se referem às informações de dezembro passado, quando o Estado fechou o ano fiscal. O valor exato da dívida, atualizada em dezembro passado, é de R$ 170.829.708.709.83, números que superam a previsão do Estado para a arrecadação deficitária deste ano, estimada em R$ 115,4 bilhões, frente a uma despesa prevista de R$123,5 bilhões".

O contribuinte, pobrezinho, queda pensativo sobre a utilidade do quinhão diminuto ao bolo total da receita. "Adianta eu dar uns poucos reais, se o débito é tão grande? Eu transfiro essas migalhas aos cofres públicos, se o volume do débito é imenso"?

Considerações assim passam pelo raciocínio de cada e de todo cidadão que se sacrifica, às vezes, para não falhar com o fisco estadual. E vem, inapelavelmente, a pergunta crucial:

- Como chegamos a esse ponto? Sem querer ingressar no quintal dos maus julgamentos, indaga-se se houve desvios, de quem foram, quando e quanto representam, como devemos agora proceder? Não podemos deixar que o glorioso Estado se afunde mais no buraco sem fim.

O pior é que, além dos valores referidos, ainda há muitos outros débitos que precisam de quitação. Em decorrência, novas indagações aumentam na cabeça do contribuinte. Porque se tem também de quitar compromissos com o BNDS, CEF, BNB e Bird. Dentre outros, é claro.

E o redator do texto também tem o direito de querer acrescer algo ao já dito pelo contribuinte. Lembrou-se de Eduardo Frieiro e de um capítulo em seu "O Diabo na livraria do Cônego". No primeiro parágrafo, lá está: "Uma das patranhas da nossa história, tal como usualmente se conta nas escolas, é a da pretendida riqueza e até mesmo opulência das Minas Gerais na época da abundância do ouro. Em boa e pura verdade nunca houve a tão propalada riqueza, a não ser na fantasia amplificadora de escritores inclinados às hipérboles românticas".

Mas os tempos são outros, não são?

Manoel Hygino - O autor é membro da Academia Mineira de Letras e escreve para o Hoje em Dia.
(Hoje em Dia 19/03/2024).