GUARDINHA

PM de Minas Gerais nega pedido de posto policial em Guardinha

Decisão baseada em critérios técnicos é anunciada durante sessão da Câmara de Paraíso desta semana; vereadores reagem
Por: Ralph Diniz | Categoria: Cidades | 21-02-2024 04:10 | 171
Foto: Arquivo

Em resposta ao pedido de implantação de um posto policial no distrito de Guardinha, em São Sebastião do Paraíso, formulado pelo vereador Sergio Aparecido Gomes, a Assessoria de Relações Institucionais da Polícia Militar de Minas Gerais transmitiu uma negativa à Câmara Municipal durante a leitura das correspondências na última sessão ordinária, realizada na segunda-feira, dia 19.

A solicitação do vereador visava atender aos apelos da população local, que reclama da sensação de insegurança desde a desativação de um posto da PM que anteriormente servia o distrito. Em nota assinada pelo responsável pelo setor, tenente coronel Jean Carlo Alcântara Pedra, a corporação expressou gratidão ao vereador Gomes pelo seu engajamento com a segurança pública e explicou que a 18ª Região de Polícia Militar, através do 43º Batalhão, tem implementado várias estratégias de policiamento na região da 95ª Companhia, responsável pelo território de Guardinha. Entre essas estratégias, destacou-se a criação do grupo de WhatsApp “Guardinha Monitorada”, que permite a comunicação direta entre moradores e policiais sobre questões de segurança pública.

De acordo com a explicação da PMMG, a decisão de não instalar um novo posto policial justifica-se com base em critérios técnicos institucionais, considerando os princípios de eficiência, economicidade e razoabilidade. A nota ainda argumenta que as medidas adotadas atualmente pela PM são adequadas para atender às necessidades de segurança pública do distrito.

A resposta da PM gerou reações entre os vereadores. Serginho expressou surpresa e decepção, citando o apelo dos populares por maior segurança. “Os moradores que entraram em contato, nos procuraram porque se sentem desprovidos de segurança. É lamentável que a resposta seja essa, mas não é a primeira vez que isso acontece”.

Juliano Reis (Biju) criticou a estratégia do uso de um grupo em um aplicativo para celulares para gerenciamento de questões de segurança, enfatizando a importância de uma presença policial mais efetiva. “Quer dizer que eles tratam a questão da segurança de Guardinha por meio de um grupo de WhatsApp? Isso é uma vergonha. Já teve homicídio em Guardinha. E como não tem segurança, é um prato cheio para os delinquentes continuarem com suas ações”.

Biju também mencionou o antigo posto da Polícia Militar que operava em Guardinha no passado. “Já levamos muita coisa boa para o povo do distrito: o asfalto, a pavimentação das ruas, a saúde. Só que falta a segurança, que também é essencial. Eu fico triste com essa situação. Desde o início do mandato, estamos pedindo por segurança no local. Outrora, nós tivemos um posto policial [no distrito], e hoje está lá, largado às traças”.

Pedro Delfante lembrou que a Guarda Civil Municipal tem atuado eficiência no Distrito. O vereador mencionou, inclusive, a tentativa de homicídio registrada em Guardinha no início deste ano, onde os agentes que trabalhavam no posto de segurança do local realizaram a detenção do suspeito até a chegada da Polícia Militar.